Arlo Guthrie: resenha do álbum Running Down The Road

Resenha - Running Down The Doad - Arlo Guthrie

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Lemos
Enviar Correções  

9

Arlo Guthrie é um músico norte americano de Folk Rock, filho do famoso músico do mesmo gênero Woodie Guthrie. Arlo ganhou uma maior projeção ao se apresentar no Woodstock, em 1969, mesmo ano de lançamento deste grande álbum, "Running Down the Road".

Marcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron MaidenJourney: o famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Embora a maioria das críticas prefiram seu trabalho de estréia, "Alice's restaurant", acredito que "Running...", seu segundo álbum de estúdio, é o mais grandioso de sua carreira. Nele, as músicas formam uma unidade, um clima muito peculiar de se ouvir e sentir. Já podemos notar uma evolução e um domínio maior do músico em relação a firmeza em sua proposta musical. Essa proposta é perceptível no clima rural que as músicas transmitem.

O álbum é bastante diversificado e sem a menor preocupação de se limitar a um gênero, passeando pelo Folk, Country, Rock e outros. Para gravá-lo, Arlo cercou-se de músicos que se revezavam nos instrumetos.

Apresenta quatro covers: "Oklahoma hills", escrita pelo seu pai Woodie Guthrie e gravada pelo seu tio, Jack Guthrie em 1945 (essa música se tornou a canção símbolo de Oklahoma em 2001), "Creole Belle", do Mississipi John Hurt, "Stealin'", de Gus Canon, e a instrumental (e uma das mais bonitas do álbum) "Living in the country", do Peter Seger, todos músicos da primeira metade do século XX que tocavam Folk, Country e outros gêneros. "Oklahoma hills" e "Creole Belle" dão um ar rural muito agradável ao disco.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

As demais, são todas composições do Arlo, onde se destacam "Coming into Los Angeles" (a mais famosa delas, por ter entrado no documentário do Woodstock, contendo cenas cotidianas bastante comuns à época... - quem assistiu, sabe disso), "My front pages" (a melhor música do álbum, calma, lenta e carregada de emoção), e a faixa título (um roquinho inocente com uma guitarra bastante ácida).

O disco só não leva nota máxima por conter a "Oh, in the morning", uma música gravada apenas pelo Arlo no piano enquanto canta, tendo pouco a ver com o clima do álbum, mas que poderia ter entrado muito bem em algum de seus discos posteriores. Os atabaques bem ao fundo de "Wheel of fortune" dá um leve ton latino à música que pouco contribuí também. Entretanto, de uma forma geral, este é um trabalho essencial é maravilhoso que está caindo no esquecimento, mesmo com uma bonita edição em cd ter sido lançada em 2017, em uma espécie de mistura entre digipack e slipcase, com as imagens e informações impressas na parte interna da caixa.

Formação:
Arlo Guthrie: violão, guitarra, piano
John Pila: guitarra
Clarance White: guitarra
James Gordon: Bateria
Gene Parsons: Bateria, gaita
Ry Coorder: baixo, bandolim
Jerry Scheff: baixo
Chris Ethridge: baixo
Milt Holland: Percussão

Faixas:
01- Oklahoma hills
02- Every hand in the land
03- Creole Belle
04- Wheel of fortune
05- Oh, in the morning
06- Coming into Los Angeles
07- Stealin'
08- My front pages
09- Living in the country
10- Running down the Road




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Marcelo Maiden: Uma impressionante coleção de ítens do Iron MaidenMarcelo Maiden
Uma impressionante coleção de ítens do Iron Maiden

Journey: o famoso erro geográfico em Don't Stop Believin'Journey
O famoso erro geográfico em "Don't Stop Believin'"


Sobre Rafael Lemos

Rafael Lemos começou a gostar de Heavy Metal, Hard Rock e Progressivo em 1991, sem influência de ninguém, realizando pesquisas sobre as bandas.

Mais matérias de Rafael Lemos no Whiplash.Net.

Cli336x280 CliIL Cli336x280