Matérias Mais Lidas

imagemA melhor música de heavy metal lançada a cada ano desde 1970, em lista do Loudwire

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemPantera tocará no festival Knotfest Brasil, segundo jornalista

imagemFrank Zappa surpreende ao eleger seus dez álbuns favoritos

imagemO arrependimento que David Bowie carregava em relação a Elvis Presley

imagemAntes do Led Zeppelin, Robert Plant tentou entrar em outra banda famosa

imagemLed Zeppelin: O motivo pelo qual Jimmy Page não gosta de "All My Love"

imagemO motivo pelo qual Frank Zappa não gostava de Jim Morrison e o The Doors

imagemA reação do pai de Neil Peart quando ele se juntou ao Rush

imagemA reação de Stevie Ray Vaughan ao ouvir Jimi Hendrix pela primeira vez

imagemQuando 2.000.000 de calcinhas inflamáveis catapultaram a carreira de Alice Cooper

imagemTitãs: como surgiu o título do hit "Bichos Escrotos", segundo Nando Reis

imagemMetallica e as músicas fantásticas que sempre ficam escondidas nas playlists

imagemMustaine diz que tentou criar ambiente agradável para gravação de novo álbum do Megadeth

imagemA dura bronca dos Titãs em Nando Reis durante gravação de "Titanomaquia"


2022/08/18
Stamp

Obscurity Vision: rigorosidade Death envolvida por atmosfera Black

Resenha - Dark Victory Day - Obscurity Vision

Por Leonardo M. Brauna
Em 23/01/19

Nota: 9

A demo "Obscurity Creation" de 2002, foi o começo da "conclamação" que resultou na chegada de "Dark Victory Day" (2017), primeiro álbum completo dessa banda de Santa Catarina, que ganhou muito terreno após este lançamento. O som que chega aos nossos tímpanos com riffs uniformes, oferece ao ouvinte treze temas brutais com a rigorosidade do Death Metal envolvida pela atmosfera sombria do Black Metal. O álbum prima pela essência da música sem precisar de orquestrações, mas com uso de arranjos pertinentes a uma boa audição. É assim que a "horda" que hoje é formada por RAFAEL VICENTE (vocais), LUIZ E JOÃO RODRIGUEZ (guitarras), THIAGO JUNGLAUS (baixo) e LUIZ TRENTIN (bateria), equilibra sua sonoridade, harmonizando seus riffs com pontes de ligação unindo as nuances, ou viradas que dão a tônica em momentos precisos. Tais providências aliadas a uma produção cuidadosa, proporciona a percepção de cada instrumento, seja através de andamentos velozes com "blast beats", ou nos momentos mais pesados que requerem cadenciamento.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

"Dark Victory Day" começa com a intro "IE.KAE", que é uma execução cadenciada de clima soturno, conduzida por guitarras distorcidas. Neste prelúdio o profissionalismo do grupo se revela com ótima sequência de acordes e "licks" de guitarra. Ela descortina "Living a Suicidal Dream", que intercala velocidade e peso. O baixo que, neste álbum, foi gravado por NERY BAUER, com seus graves fundamentais preenche todo espaço sonoro, evitando uma audição seca e sem vida. No "hino" "Obscurity Creation", o setor da cozinha é soberano em alguns trechos e toma parte na pancadaria, mas as sessões instrumentais do álbum não são as únicas garantias de entretenimento, os vocais que vociferam as letras também causam dor aos ouvidos sensíveis e prazer aos amantes da forma mais brutal da música. RAFAEL, além de ser excelente nos guturais, sabe exprimir seu ódio nas partes rasgadas, como em "Apodrecendo", uma das canções escritas em português.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

Outro "cântico de horror" composto em nossa língua é a pesada "Violência", que foi contemplada com "lyric video" após o lançamento do CD, porém, a canção que melhor representa o álbum, e que saiu como "single" em seu pré-lançamento é "I Can See" que, em 2016, saiu também no relançamento da demo de 2002. Não há como deixar de fora "The Silence Is Painful" e sua magia Black Metal que arrepia a alma, igualmente à "Dark Truth (Storm Prelude)", com seus riffs mind-tempo que evoluem a uma amplitude mais rica durante os mais de nove minutos de execução, com direito a som de tempestade e tudo mais.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Se você é aquele cara que segue ideologia acompanhada de musicalidade, e que gosta de sentir a sonoridade pulsando de dentro pra fora, sem carências ou simetrias, ou simplesmente tem bom gosto para o metal extremo, eis aqui um item primordial à sua estante. Recomendado no talo e no "repeat".

TRACK LIST

01. JE.RAE (Intro)
02. Living A Suicidal Dream
03. Obscurity Creation
04. Benefit Of Evil
05. Dark Victory Day
06. Apodrecendo
07. Slow Agony
08. I Can See
09. The Silence Is Painful
10. Sick Minds
11. Violência
12. Black Funeral
13. Dark Truth (Storm Prelude)

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Outras resenhas de Dark Victory Day - Obscurity Vision

Resenha - Dark Victory Day - Obscurity Vision

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

2022/07/09


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer


Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.

Mais matérias de Leonardo M. Brauna.