The Glove: Obscuro e lindo projeto paralelo de Robert Smith

Resenha - Blue Sunshine - Glove

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Roberto Rillo Bíscaro
Enviar correções  |  Ver Acessos

No começo dos anos 1980, The Cure e Siouxsie & The Banshees eram importantes locomotivas underground, misturando psicodelia minimalista com pós-punk e ajudaram a definir - junto com o Bauhaus - a estética e temário do Gothic Rock.

The Cure: Box-set ao vivo celebra 40 anos da bandaAlice In Chains: seria essa a última foto de Staley com vida?

Em 1982, Smith juntou-se ao grupo de Siouxsie Sioux para preencher lacuna deixada pela saída de John McGeoch. Na efervescência pós-77, projetos paralelos eram por demais comuns e assim o líder do Cure uniu-se a Steven Severin, baixista de Siouxsie, na banda The Glove, que jamais se apresentou ao vivo e legou pequena gema pop-psicodélica, chamada Blue Sunshine (1983).

Para o vocal, recrutaram a dançarina Jeanette Landray, que não sabia cantar, mas quem se importava com esse detalhe após Johnny Rotten? Blue Sunshine é nome de obscuro filme de horror setentista, no qual consumidores de uma variante de LSD chamada Blue Sunshine tornam-se assassinos psicopatas.

A psicodelia está nas dez faixas. Parte da molecada pós-punk não teve vergonha de juntar Kraftwerk, synthpop, rock, krautrock para compor lindas e acessíveis melodias pop. Exemplo modelar disso é This Green City. Blue Sunshine é psicodélico como era o Floyd na era Syd Barrett e não fez feio perante seu predecessor. Mas, é popificado.

A Luva do nome do grupo é referência à gigantesca luva que aparece no Yellow Submarine, dos Beatles. Moçada não conseguia simplesmente destruir tudo do establishment como mandavam os punks (mas era pose). E tem Beatles na sonoridade, especialmente no music hall amalucado de Mr. Alphabet Says, cantada por Robert Smith e parente de The Lovecats, de seu Cure.

Além da profícua instrumentação, um dos prazeres de Blue Sunshine é pré-datar algumas escolhas sonoras do Cure. Basta ouvir como a guitarra circular de Like an Animal reaparecerá em Inbetween Days ou os teclados de Looking Glass Girl soam como os do futuro Disintegration. O orientalismo de The Top ou de faixas posteriores, como Kyoto Song, já está dado em Perfect Murder ou na derradeira Relax, que de relaxada só tem o título, porque é uma daquelas estruturas repetitivas comuns em lados B do Cure. Robert Smith estava em seu período imperial na primeira metade dos 80's e Blue Sunshine é (d)ele, mesmo quando não canta, como em Punish Me With Kisses.

Considerando que as doze semanas alugadas no estúdio foram de alucinógenos e filmes de terror, a instrumental Blues In Drag surpreende com seu clima quase ambiente à Brian Eno. Smith e Severin têm almas gentis, after all.

Devido ao aumento da popularidade dos Banshees e o estouro mundial do The Cure, The Glove foi guardada num armário e tornou-se aqueles "clássicos perdidos", que de vez em quando, um blog ou outro desenterra.

Em 2006, saiu reedição vitaminada, com outtakes, instrumentais e versões regravadas por Robert Smith. Mas, isso seria assunto para outra resenha. De qualquer modo, tem tudo no Spotify e a versão standard de Blue Sunshine está no Youtube. Não ouve quem não quer. É bonito.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cure"Todas as matérias sobre "Siouxsie And The Banshees"


The Cure: Box-set ao vivo celebra 40 anos da banda

South Park: Aparições de estrelas do rock no desenhoSouth Park
Aparições de estrelas do rock no desenho

Sexta-feira 13: treze músicas para escutar nesta dataSexta-feira 13
Treze músicas para escutar nesta data

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos


Alice In Chains: seria essa a última foto de Staley com vida?Alice In Chains
Seria essa a última foto de Staley com vida?

Separados no nascimento: Dave Mustaine e um Cocker SpanielSeparados no nascimento
Dave Mustaine e um Cocker Spaniel

Ôôôôôeeee: Sílvio Santos aprovou montagem com Steve HarrisÔôôôôeeee
Sílvio Santos aprovou montagem com Steve Harris

Black Sabbath: Nos separamos por causa do Live EvilBlack Sabbath
"Nos separamos por causa do Live Evil"

Pilares: O início do Heavy Metal em 1969Pilares
O início do Heavy Metal em 1969

Rockstars: as filhas mais lindas dos astros do rockRockstars
As filhas mais lindas dos astros do rock

Black Sabbath: Bill Ward não se conforma com o bumbo de Iron ManBlack Sabbath
Bill Ward não se conforma com o bumbo de Iron Man


Sobre Roberto Rillo Bíscaro

Roberto Rillo Bíscaro é professor universitário e edita o Blog do Albino Incoerente desde 2009.

Mais matérias de Roberto Rillo Bíscaro no Whiplash.Net.

adGooILQ