Van Canto: álbum adia esgotamento da fórmula da banda

Resenha - Trust in Rust - Van Canto

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 6

Que a fórmula musical do van Canto vem dando sinais de desgaste há alguns anos, todos já sabem. Mas a banda conseguiu disfarçar o problema em seu último lançamento, Voices of Fire, um álbum conceitual com narrações de John Rhys-Davies - novidades suficientes para os fãs esquecerem o problema.

Tragédia e dor: O Blues, o Rock e o Diabo"Cê tá de brincadeira, né?": quando grandes nomes vacilam

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No trabalho subsequente (este Trust in Rust), a questão se manifesta mais uma vez, mas acaba de novo ofuscada por outras novidades. Uma delas é Hagen "Hagel" Hirschmann, o novo vocalista masculino, que substitui o membro fundador Dennis "Sly" Schunke.

O novo integrante tem um timbre razoavelmente parecido com o de seu antecessor. Mesmo assim, a combinação de sua voz com a de Inga Scharf (a vocalista feminina) ainda não demonstra a mesma química ouvida na formação anterior. Aliás, ele ainda sequer se encaixa na banda em si. Parece estar sempre se esforçando muito para cantar e seus vocais gritados parecem uma tentativa de confirmar se dá mesmo para matar uma formiga a grito.

A situação fica ainda mais preocupante quando nos damos conta de que o ponto alto de Hagel no van Canto, por enquanto, ainda é a faixa "Voice Number Seven", uma quase-vinheta gravada apenas para apresentá-lo ao mundo e que não figurou no disco. A equipe ainda precisará de muitos ensaios para fazer a voz dele se dissolver apropriadamente no caldo.

Mas as novidades não param por aí: Trust in Rust é o primeiro trabalho dos alemães como septeto, pois com a volta do brasileiro Ingo "Ike" Sterzinger como membro de estúdio e ocasionalmente de palco, o grupo passa a contar com dois "baixistas". O problema: em nenhum momento parece que temos, de fato, duas pessoas diferentes desempenhando o papel. Isso é compensado pelo fato (consequente ou não) de que nunca o van Canto apresentou linhas de baixo tão audíveis e criativas.

No que concerne à música em si, Trust in Rust é, como quase todos os seus antecessores, um ótimo álbum para apresentar a banda a quem não a conhece, mas que terá efeito limitado nos fãs de longa data.

Da piscina de faixas mornas que ele nos traz, podemos pinçar destaques como "Javelin", o cover de "Ride the Sky" do Helloween (com a tímida participação de Kai Hansen), "Melody" (na qual a gente finge não ouvir a referência a "Bailando", de Julio Iglesias, a partir dos 3:38), o cover de "Hells Bells" do AC/DC (o único momento em que os vocais gritados de Hagel fazem algum sentido) e o encerramento "Heading Home" (uma faixa 100% a cappella (termo que aqui significa "sem a bateria de Bastian Emig") que traz outra boa performance do cantor estreante).

Outra coisa que ajuda a tornar o disco interessante é o CD bônus com regravações orquestrais de canções variadas do repertório dos alemães, como "The Mission", "Hero" e "The Higher Flight". Mas notícia velha não faz jornal e essas versões diferentes conseguem no máximo preencher a estante de um colecionador.

Se por um lado Trust in Rust trouxe um punhado de faixas empolgantes, por outro se mostrou um álbum em geral morno demais, especialmente para um trabalho que marca a estreia de um novo vocalista que ainda não ganhou os corações dos fãs e da crítica.

A intenção do nome do disco ("confie na ferrugem", em tradução livre) era transmitir a ideia de que ferrugem é um indicativo de experiência e, portanto, um bom sinal. A mensagem que a obra transmitiu, contudo, foi oposta: a ferrugem que constatamos aqui é sinal de puro desgaste mesmo, embora o problema acabe mascarado pelo ineditismo da nova formação.

Abaixo, o vídeo de "Melody":

Track-list:

CD1
1. "Back in the Lead"
2. "Javelin"
3. "Trust in Rust"
4. "Ride the Sky"
5. "Melody"
6. "Neverland"
7. "Desert Snake"
8. "Darkest Days"
9. "Infinity"
10. "Hells Bells"
11. "Heading Home"

CD2 (versões orquestrais)
1. "The Mission"
2. "Rain"
3. "Hero"
4. "Take to the Sky"
5. "Water Fire Heaven Earth"
6. "My Voice"
7. "If I Die in Battle"
8. "The Higher Flight"
9. "Unholy"
10. "The Other Ones"

Fonte: Sinfonia de Ideias
http://bit.ly/trustinrust




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Van Canto"


Angra: como fica Carry On nas vozes do Van CantoAngra
Como fica "Carry On" nas vozes do Van Canto

Originalidade: 10 Bandas ou Projetos InusitadosOriginalidade
10 Bandas ou Projetos Inusitados


Tragédia e dor: O Blues, o Rock e o DiaboTragédia e dor
O Blues, o Rock e o Diabo

Cê tá de brincadeira, né?: quando grandes nomes vacilam"Cê tá de brincadeira, né?"
Quando grandes nomes vacilam


Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 77507/SP) formado pela PUC-SP com extensões em Introdução à História da Música e Arte Como Interpretação do Brasil, ambas pela FESPSP, e estudante de Sistemas para Internet na FATEC de Carapicuíba, onde mora. É também membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil e responsável pelo blog Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cultura pop, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados e misturas. Toca piano e teclado nas horas livres.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

adGoo336