Alice in Chains: Sujeira no som de Seattle

Resenha - Dirt - Alice in Chains

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Sobreira
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Considerado por milhares como uma praga, e por outros como uma revolução, um dos filhos do Rock, o Grunge, dividiu opiniões em seu auge, no início dos anos 90. Influenciando inclusive no vestuário, a sonoridade mais pessoal e por vezes despojada, marcou pra sempre o mercado musical, sempre atualizado em suas tendências...

Smashing Pumpkins: Corgan responde se sairia em turnê com o Alice in ChainsFotos de Infância: Cradle Of Filth

Vinda de Seattle, no estado de Washington/EUA, a banda Alice in Chains cada vez conquistava mais território, e no dia 29 de setembro de 1992, o mundo veria o lançamento de seu segundo álbum, 'Dirt' - comumente referido como clássico e citado entre os melhores do gênero - pela Columbia Records (uma das mais antigas e significativas gravadoras dos Estados Unidos, abrigando artistas de bandas do Pop ao Metal).

Se por um lado, o Nirvana trazia uma aura um pouco mais Alternativa, transitando entre peso e melancolia em suas composições, por outro lado, o Alice in Chains - até então integrado por Layne Staley (vocal e guitarras), Jerry Cantrell (guitarra e vocal), Mike Starr (baixo) e Sean Kinney (bateria) não abria mão de influências diretas do Heavy Rock/Metal, mas dentro de sua proposta alternativa, obviamente.

Músicas pesadas, com andamentos predominantemente cadenciados, refrões fortes e uma densa carga emocional, serão basicamente o que o ouvinte se deparará nesse trabalho. A audição é extensa, e quase chega em 60 minutos mas, a cada conferida os bons momentos poderão ser muito bem apreciados, nas brechas musicais. Como observação, dependendo da versão do álbum, a listagem das faixas pode variar.

Se os vocais de Layne soaram límpidos, profundos e dando "aquela" tônica aos refrões, é por que ele foi além da mera interpretação, em letras de cunho bastante pessoal - já que na época enfrentava sérios problemas com as drogas. O instrumental não poderia deixar de seguir esse fio condutor, constantemente pesado, melancólico e ao mesmo tempo forte e encorpado - de riffs sujos, à sessão rítmica hipnótica e melodias reflexivas. Obviamente, os satisfatórios processos de estúdio, também contribuíram para esse resultado final que muitos apreciam. Como detalhe curioso, é de se espantar, que em determinados momentos de algumas composições, fiquemos com a impressão de que aquilo chega a esbarrar no Doom... Mas, é apenas uma lembrança mesmo.

Como destaques principais, fico com a famosa abertura "Them Bones", "Junkhead", a título "Dirt" (excelentes melodias e andamentos) e o encerramento "Would?", que conta com um início mais tranqüilo com aqueles marcantes dedilhados, para aderir ao peso logo em seguida. Mas, é claro que as menções não ficam apenas nessas, e vai de acordo com o ouvido de cada apreciador.

No mais, é sempre bom ouvir com calma, um som que nunca havia nos interessado antes!

Formação:
Layne Staley (R.I.P. 2002) (vocal, guitarra);
Jerry Cantrell (guitarra, vocal);
Mike Starr (R.I.P. 2011) (baixo);
Sean Kinney (bateria)

Faixas:
01. Them Bones
02. Dam That River
03. Rain When I Die
04. Down in a Hole
05. Sickman
06. Rooster
07. Junkhead
08. Dirt
09. God Smack
10. Iron Gland
11. Hate to Feel
12. Angry Chair
13. Would?.


Outras resenhas de Dirt - Alice in Chains

Alice In Chains: os vinte anos de "Dirt"Alice In Chains: banda de peso da cena Grunge de Seattle




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Alice In Chains"


Smashing Pumpkins: Corgan responde se sairia em turnê com o Alice in ChainsSmashing Pumpkins
Corgan responde se sairia em turnê com o Alice in Chains

Alice in Chains: tocando a canção "Rain When I Die" na turnê 2019Alice in Chains: em reta final, tocando a canção "Dirt" pela primeira vez na turnê 2019Alice in Chains: "O ciclo do álbum Rainier Fog está chegando ao fim"

Alice In Chains: 10 fatos sobre Facelift que talvez você não saibaAlice In Chains
10 fatos sobre Facelift que talvez você não saiba

Jeff Gutt: vocalista do STP revela história sobre ter sido chamado pelo AIC

Alice In Chains: prefeitura de Seattle determina o Dia de Layne StaleyAlice In Chains
Prefeitura de Seattle determina o Dia de Layne Staley

Ídolos imortais: Layne Staley, um gênio que partiu cedo demaisÍdolos imortais
Layne Staley, um gênio que partiu cedo demais

Em 21/08/1990: Alice In Chains lançava o clássico FaceliftAlice in Chains: tocando a rara canção "Last of My Kind" na atual turnê 2019Alice in Chains: abrindo show com a canção "Junkhead"AIC: vocalista William Duvall anuncia álbum solo para outubroAlice in Chains: iniciando 4ª perna da turnê americana 2019

Alice in Chains: diretor diz que trabalhar com eles foi um pesadeloAlice in Chains
Diretor diz que trabalhar com eles foi um pesadelo

Billy Corgan: Weiland, Staley e Cobain, as vozes de nossa geraçãoBilly Corgan
Weiland, Staley e Cobain, as vozes de nossa geração

Inspiração: bandas que adotaram títulos de músicas como nomeInspiração
Bandas que adotaram títulos de músicas como nome


Fotos de Infância: Cradle Of FilthFotos de Infância
Cradle Of Filth

Teoria da Conspiração: Slipknot troca membros em shows ao vivo?Teoria da Conspiração
Slipknot troca membros em shows ao vivo?

Eddie Van Halen: Eddie Van Halen
"Eruption foi um acidente"

VH1: 100 melhores músicas de hard rock de todos os temposLed Zeppelin: A controvérsia sobre as origens do nome da bandaSerial Killers: As 10 melhores músicas sobre assassinos da vida realPearl Jam: Mike McCready diz que tentou salvar Layne Staley

Sobre Vitor Sobreira

Moro no interior de Minas Gerais e curto de tudo um pouco dentro do maravilhoso mundo da música pesada, além de não dispensar também uma boa leitura, filmes e algumas séries. Mesmo não sendo um profissional da escrita, tenho como objetivos produzir textos simples e honestos, principalmente na forma de resenhas, apresentando e relembrando aos ouvintes, bandas e discos de várias ramificações do Metal/Heavy Rock, muitos dos quais, esquecidos e obscuros.

Mais matérias de Vitor Sobreira no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336