Alice In Chains: os vinte anos de "Dirt"

Resenha - Dirt - Alice In Chains

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Van do Halen
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O sucesso do Alice In Chains com seu primeiro trabalho de estúdio, Facelift, não foi imediato. Mas chegou e foi muito considerável por se tratar de uma banda estreante. O EP Sap veio em seguida e consolidou o grupo como uma das "sensações do momento". Mas eram registros bem diferentes. O quarteto de Seattle precisava de uma obra que aliasse o peso e a visceralidade de Facelift com a melodia e a depressão de Sap. E assim foi feito.

Smashing Pumpkins: Corgan responde se sairia em turnê com o Alice in ChainsMetallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Dirt foi lançado há exatos vinte anos e ainda soa contemporâneo, irretocável e influente. Talvez por ser uma das únicas bandas do movimento Grunge que não estão presas ao gênero. Se tivesse surgido em outra época, o Alice In Chains seria facilmente categorizado como Heavy Metal. Assim como Dirt teria sido considerada a sua obra-prima independente de ano de lançamento.

O álbum se diferencia por ser carregado. A atmosfera do Alice In Chains é carregada de costume, mas nunca foi tão carregada (nem antes, nem depois) como em Dirt. O contexto no qual os integrantes estavam inseridos - principalmente os problemas pessoais de Jerry Cantrell, o vício em drogas de Layne Staley e os problemas com álcool de Sean Kinney e Mike Starr - geraram letras densas, depravadas e viscerais, abordando temáticas que giravam entre distúrbios psicológicos como depressão e conduta anti-social, guerra, morte e, claro, abuso de drogas (seis das treze faixas falam sobre drogas).

Obviamente, tudo isso se refletiu na musicalidade de Dirt. O título da obra ("sujeira", em tradução para o português) faz jus a este aspecto. Os riffs, as melodias e os solos de Jerry Cantrell se apresentam carregadíssimos de melancolia. Soa como um Tony Iommi reinventado e, porque não, "modernizado".

Aproveitando que o paralelo com Black Sabbath foi estabelecido, ressalto que, ao meu ver, Layne Staley lembra Ozzy Osbourne. Não em técnica ou em extensão vocal, pois considero Staley muito mais habilidoso que Osbourne, mas em sentimento e capacidade de interpretação. O feeling empregado em suas vocalizações é algo raro, assim como o Madman dos tempos áureos de Sabbath. Seja depravação, desespero ou qualquer sensação que Layne pretendia transmitir, é devidamente repassada através do microfone, com a ajuda das dobras vocais do também excelente vocalista Jerry Cantrell.

Apesar de pouco citada e reconhecida, a cozinha colabora muito para o clima e a proposta de Dirt. Mike Starr e Sean Kinney, respectivamente baixista e baterista, demonstravam entrosamento em suas execuções. A simplicidade e crueza das linhas de baixo e bateria, aliadas à boa produção e equalização do produtor Dave Jerden e seus engenheiros de som, dão o pano de fundo tenso necessário para o som aqui objetivado.

Dirt foi um sucesso de vendas e de crítica. Os "especialistas" aclamaram o play em canais de comunicação enquanto a base de fãs simplesmente crescia à medida que os singles de "Would?", "Them Bones", "Angry Chair", "Rooster" e "Down In A Hole" (nesta ordem) eram lançados. Estima-se que, até os dias de hoje, mais de 3,5 milhões de cópias do álbum tenham sido vendidas apenas nos Estados Unidos, chegando ao 6° lugar das paradas norte-americanas em sua época de lançamento. Fora as certificações de disco de platina e ouro no Reino Unido e no Canadá, respectivamente.

Resgatando o que foi dito no segundo parágrafo: vinte anos exatos após seu lançamento, Dirt permanece soando contemporâneo, irretocável e influente. A obra-prima do quarteto de Seattle, que já teve duas vítimas fatais do abuso de drogas. Não apenas genial e musicalmente perfeito: Dirt serviu de alerta para o futuro do Alice In Chains.

Alice In Chains - Dirt
Lançado em 29 de setembro de 1992

Layne Staley (vocal, guitarra)
Jerry Cantrell (guitarra, vocal)
Mike Starr (baixo)
Sean Kinney (bateria)

Músico adicional:
Tom Araya (vocal em 10)

01. Them Bones
02. Dam That River
03. Rain When Die
04. Down In A Hole
05. Sickman
06. Rooster
07. Junkhead
08. Dirt
09. Godsmack
10. Iron Gland
11. Hate To Feel
12. Angry Chair
13. Would?


Outras resenhas de Dirt - Alice In Chains

Alice In Chains: banda de peso da cena Grunge de SeattleAlice in Chains: Sujeira no som de Seattle




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Alice In Chains"


Smashing Pumpkins: Corgan responde se sairia em turnê com o Alice in ChainsSmashing Pumpkins
Corgan responde se sairia em turnê com o Alice in Chains

Alice in Chains: tocando a canção "Rain When I Die" na turnê 2019Alice in Chains: em reta final, tocando a canção "Dirt" pela primeira vez na turnê 2019Alice in Chains: "O ciclo do álbum Rainier Fog está chegando ao fim"

Alice In Chains: 10 fatos sobre Facelift que talvez você não saibaAlice In Chains
10 fatos sobre Facelift que talvez você não saiba

Jeff Gutt: vocalista do STP revela história sobre ter sido chamado pelo AIC

Alice In Chains: prefeitura de Seattle determina o Dia de Layne StaleyAlice In Chains
Prefeitura de Seattle determina o Dia de Layne Staley

Ídolos imortais: Layne Staley, um gênio que partiu cedo demaisÍdolos imortais
Layne Staley, um gênio que partiu cedo demais

Em 21/08/1990: Alice In Chains lançava o clássico FaceliftAlice in Chains: tocando a rara canção "Last of My Kind" na atual turnê 2019Alice in Chains: abrindo show com a canção "Junkhead"AIC: vocalista William Duvall anuncia álbum solo para outubroAlice in Chains: iniciando 4ª perna da turnê americana 2019

Alice In Chains: John Frusciante e Bob Forrest tentaram salvar Layne StaleyAlice In Chains
John Frusciante e Bob Forrest tentaram salvar Layne Staley

Inspiração: bandas que adotaram títulos de músicas como nomeInspiração
Bandas que adotaram títulos de músicas como nome

Gene Simmons: Falando sobre Weiland, Staley e CobainGene Simmons
Falando sobre Weiland, Staley e Cobain


Metallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TVMetallica
James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV

Lemmy Kilmister: Esta coisa de Black Metal me faz rir!Lemmy Kilmister
"Esta coisa de Black Metal me faz rir!"

Musas do Metal: as bandas que elas ouvem quando estão em casaMusas do Metal
As bandas que elas ouvem quando estão em casa

Megadeth: as 10 maiores tretas de Dave MustaineIron Maiden: Bruce Dickinson e sua preferência pelo BrasilDave Grohl: falando sobre o seu vício em café e cigarroKiss: os itens mais bizarros do merchandise oficial

Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e apaixonado por rock há mais de uma década. Começou a escrever sobre música em 2007, com o surgimento do saudoso blog Combe do Iommi. Atualmente, é redator-chefe da área editorial do site Cifras e mantém um site próprio (www.IgorMiranda.com.br). Também co-fundou o site Van do Halen, para o qual trabalhou até 2013.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.