Matérias Mais Lidas

imagemO reencontro entre Steve Harris e Paul Di'Anno na Croácia

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemA opinião de Arnaldo Antunes sobre a competição interna que havia nos Titãs

imagemO dia que Serguei fez um react do clipe de "Recomeçar", o hit do Restart

imagemAdrian Smith conta como Iron Maiden permaneceu forte e era grunge passou

imagemNicko McBrain, do Iron Maiden, mostra o seu novo (e enorme) kit de bateria

imagemRoger Daltrey revela a música "amaldiçoada" que o The Who não toca mais ao vivo

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemDee Snider cutuca bandas com falsas aposentadorias e ingressos caros

imagemMetade das pessoas com menos de 23 anos desconhecem Pink Floyd, David Bowie e Bon Jovi

imagemEddie aparece em versão samurai no primeiro show do Iron Maiden em 2022; veja foto

imagem"Metal Tour Of The Year" chega ao fim e Megadeth agradece bandas participantes

imagemAngra: Quantos shows seguidos a voz aguenta sem restrições? Fabio Lione responde

imagemFrank Zappa disse a Steve Vai que ele soava como "um pão com mortadela elétrico"

imagemOzzy Osbourne diz que "tinha muito o que provar" com "No More Tears"


Alice In Chains: Em 1992, uma pérola da música pesada

Resenha - Dirt - Alice in Chains

Por Marcio Machado
Em 09/11/19

Nota: 9

Início dos anos 90, o Grunge explodia no mundo todo e em 1992, somente dois anos após a espetaculosa estreia em "Facelift", o Alice in Chains trazia uma pérola da música pesada. No mês de setembro daquele ano chegava ao mundo, "Dirt". O segundo álbum que tirava a banda de uma leve inspiração do Glam e os jogava numa música mais Heavy Metal, indo muito mais além de somente a alcunha que os colocaram embaixo. Aqui é uma síntese de música pesada, harmonias de vozes, clima tenebroso e uma aura sombria e macabra, além letras que tratam da melancolia e de vícios.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sem delongas, o disco abre com a pesada "Then Bones", e que começo! Os riffs são arrastados e os gritos agoniantes de Layne Staley nos pegam de cara, além dos versos com vozes dobradas auxiliado pelo "riffeiro" Jerry Cantrell, sua ponte para o refrão é simplesmente maravilhosa e soa com dose de peso e harmonia perfeitas. E por falar em solo que exemplar temos aqui. Concisos, direto e extremamente bem montado. Perfeito!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Dam That River" não dá tempo pra bola cair e já traz uma pegada mais agitada. Staley brilha com uma voz imposta seguindo de linhas groovadas do baterista Sean Kinney e do baixista Mike Starr que trabalham uma linha perfeita da cozinha.

Caindo no lado mais obscuro, "Rain When I Die" começa com o baixo de Starr e logo a banda surge carregada. O clima da música é sombrio e denso, parecendo criar uma atmosfera palpável. As linhas de guitarra de Cantrell aqui são espetaculares e Staley brilha no refrão da canção que é um tanto marcante. A ponte é um misto de angústia e perfeição sonora, e a letra da canção parece algo escrito das mãos do próprio Edgar Allan Poe. Uma das mais emblemáticas faixas que a banda já criou até hoje.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Cheia de swing em seu começo, "Sickman" chega com uma leve semelhança à algo do Guns, porém a mudança de andamento logo nos joga num poço e num momento de confusão se realmente é a mesma faixa. As palhetadas de Cantrell são concisas e certeiras. Ela só abre as portas para mais um clássico do Alice in Chains.

"Rooster" é a seguinte e de novo caímos num momento de pura maestria. A canção é em homenagem ao pai de Cantrell, um veterano de guerra e que tinha o apelido que deu nome à canção. O começo mais dramático engana para todo o poder de seu refrão que quando chega não nos poupa do peso de uma bigorna caindo sobre a cabeça. Que trabalho da guitarra o músico empregou aqui, tudo é pensado para se encaixar perfeitamente como um quebra cabeças e os refrões com longas e altas notas de Layne dão ainda mais o tom dramático da faixa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A seguinte é "Junkhead". Seus versos são lentos e hipnotizantes. Como o nome sugere, a letra trata do vício em heroína do vocalista e ele relata todas suas perturbações ao fato. O refrão é forte e impactante carregado pela dupla vocal de forma impecável. O feeling aqui escorre por todos os lados e o solo é um momento gracioso de se acompanhar.

Agora é a vez da faixa título e já nos seus primeiros acordes a melodia nos carrega como para dentro de um pesadelo. "Dirt" assim como seu nome sugere é suja, densa e arrastada nos dando uma sensação de angústia extrema, o refrão é carregado e ganha um crescendo que nos arrebata e tira de órbita. "Godsmack" é mais direta ao ponto, mas ainda revela surpresas no seu refrão pela mudança brusca de andamento que acontece de forma bastante natural e com maestria dos músicos.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um interlúdio surge nesse momento, "Iron Glad" parece um presságio de algo ruim que vem a seguir e que tem a participação de ninguém menos que Tom Araya do Slayer. "Hate to Feel" dá seguimento e aquele presságio toma forma aqui. O andamento é quebrado, a linha vocal é trincada e só toma forma linear no refrão em um breve momento, ainda surgindo todo quebrado.

"Angry Chair" dá sequência e é um dos momentos mais tenebrosos do disco todo. Parece a trilha sonora perfeita de um sonho ruim, seu riff inicial é marcante e se segue atmosférica e sombria, o que é ainda mais reforçado por Layne e seu vocal arrastado e bastante pesada. Ainda há tempo para um refrão bastante melódico e preciso e um solo rápido mas de precisão incrível. Seu vídeo reforça a ideia de loucura.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A faixa seguinte é uma pérola por si só e o xodó de muitos, inclusive deste que vos escreve sendo minha música favorita da banda. "Down in a Hole" é daquelas coisas que arte cria uma vez e o feito se perpetua. Aqui há dor, sofrimento e tristeza exalando por cada nota seja da guitarra de Cantrell ou pela voz torturada de Layne. E por falar em voz, o trabalho vocal desta canção é algo à ser destacado. O dueto é empregado de uma forma absurda e de forma impressionante, cada verso cantado em conjunto ou sobrepondo um ao outro é feito com tanta delicadeza e cuidado que pega até o mais xiita e de coração duro. É simplesmente perfeita!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Encerrando o trabaho, "Would" é o golpe certeiro para fechar de forma esplendorosa o disco. Cantrell é quem surge primeiro cantando os versos e o faz muito bem e toda a canção se segue de uma forma que envolve o ouvinte, parecendo um certo alivio depois de tanta pedrada que veio antes. Os minutos finais da música são incríveis e parece que não queremos que acabe nunca. Belo final!

"Dirt" é um retrato de uma leva de músicos daquele período e de um verdadeiro expurgo de sentimentos negativos que se transformaram numa forma de música única e que tocou pessoas de várias formas diferentes se tornando até hoje uma grande referência. Além de somente um disco, é uma experiência adentrar em todo o conceito jogado aqui. Uma obra prima!

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Outras resenhas de Dirt - Alice in Chains

Resenha - Dirt - Alice In Chains

Resenha - Dirt - Alice In Chains

Resenha - Dirt - Alice in Chains

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

imagemMike Portnoy compara 5 de abril com 8 de dezembro e relembra rockstars falecidos

imagem5 de abril: uma das datas mais tristes da história da música pesada

imagemAlice In Chains: Jerry Cantrell diz que está 100% nem aí para os haters da Internet

imagemJerry Cantrell: confira vídeo animado de "Siren Song", lançado nesta quarta-feira

imagemAlice In Chains: como era a cena de Seattle na época do grunge, segundo Jerry Cantrell

imagemAlice In Chains: de Bee Gees até Iron Maiden, as bandas que influenciaram Jerry Cantrell

imagemJerry Cantrell elogia Elton John; "Um talento incrível e um ser humano lindo"

imagemAlice In Chains: todos os álbuns, do pior para o melhor, em lista da Metal Hammer

imagemLista: cinco bandas de rock e heavy metal que possuem mais de um vocalista

imagemTúnel do Tempo: 100 grandes músicas lançadas na inesquecível década de 90

imagemDream Theater: de U2 a Pantera, as influências de "Six Degrees Of Inner Turbulence"

imagemLoudwire: 50 álbuns de rock and roll e heavy metal que completarão 30 anos em 2022

imagemAlice In Chains: como a combinação entre Jerry Cantrell e Layne Staley deu tão certo

imagemDe Alice In Chains até Darkthrone, 15 álbuns que completarão 30 anos em 2022

imagemAlice In Chains: a curiosa origem do nome da banda, segundo Jerry Cantrell


Grunge: o top cinco dos membros substitutos



Sobre Marcio Machado

Estudante de história, apaixonado por cinema e o bom rock, fã de Korn, Dream Theater e Alice in Chains. Metido a escritor e crítico.

Mais matérias de Marcio Machado.