The Agonist: Não é fácil substituir Alissa White-Gluz

Resenha - Agonist - Five

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vicente Reckziegel
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O The Agonist está de volta, agora com seu quinto disco de estúdio, de nome "Five" (extremamente óbvio). Se o nome do disco não é dos mais criativos, o conteúdo existente nele é, sim, um dos mais criativos da banda canadense formada em 2004.

The Agonist: ouça a nova faixa da banda, "Burn It All Down"Rock: 25 fotos pra fazer você continuar acreditando na música

"Five" possui uma ótima produção, compatível com o que a sonoridade da banda propõe, uma capa muito bacana e instrumentistas inspirados em suas funções. Ou seja, seria um álbum quase perfeito se não fosse por um pequeno detalhe: Vicky Psarakis.

E antes que venham fãs da moça querendo minha cabeça, deixo claro que a mesma é uma artista talentosa, com uma das vozes mais legais da nova geração. Mas quando utiliza o vocal mais gutural a coisa simplesmente parece não funcionar direito. Quando usa sua voz limpa e vocalizações mais agressivas, Vicky faz um trabalho 100%, mas seu vocal gutural parece exigir demais da moça, fazendo com que o mesmo soe forçado. E além de tudo é difícil para qualquer mortal conseguir substituir Alissa White-Gluz.

"Five" possui momentos distintos, e muitas variações em toda sua duração, o que faz com que seja um banquete para os fãs de longa data da banda. Impossível deixar de destacar faixas que já nasceram para ser clássicas como "The Moment" (refrão impagável), "The Hunt" (em sua metade vira quase um Black/Doom Metal) e "The Trial".

Outras músicas apostam no peso e rapidez, como "The Chain", "The Game" (outro refrão e um trabalho de bateria marcante) e "The Ressurection". E ainda há espaço para faixas que saem um pouco do comum, seja no instrumental quanto nas vocalizações, como "The Anchor and the Sail", "The Raven Eyes" e "The Villain".

Uma amostra de como o vocal mais "clean" de Vicky funciona bem é em "The Ocean", que talvez fosse um caminho legal para o The Agonist, ou mesmo o vocal mais rasgado em "The Man Who Fell to World", que igualmente casou bem com a sonoridade da banda. Mas não há como apagar o passado, e assim teremos que ver o que o futuro trará para a banda, sempre sob a sombra de Alissa...

Formação:
Danny Marino - guitarras
Chris Kells - baixo, backing vocals
Simon McKay - bateria
Pascal "Paco" Jobin - guitarras
Vicky Psarakis - vocais

Tracklist:
1. "The Moment" 4:14
2. "The Chain" 3:12
3. "The Anchor and The Sail" 3:49
4. "The Game" 2:50
5. "The Ocean" 4:27
6. "The Hunt" 3:35
7. "The Raven Eyes" 5:35
8. "The Wake" 2:44
9. "The Resurrection" 5:00
10. "The Villain" 5:22
11. "The Pursuit of Emptiness" 4:03
12. "The Man Who Fell to Earth" 3:53
13. "The Trial" 4:33
14. "Take Me to Church (Hozier Cover) (Bonus Track)"




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Agonist"


The Agonist: ouça a nova faixa da banda, "Burn It All Down"

The AgonistThe Agonist
Alissa descreve demissão como "pior traição da vida"

MetalheadMetalhead
As mulheres mais sexys do Heavy Metal

Arch EnemyArch Enemy
Antes da fama, Alissa teve talento questionado no Ídolos


RockRock
25 fotos pra fazer você continuar acreditando na música

SinceridadeSinceridade
E se as capas de discos dissessem a verdade?

Black MetalBlack Metal
O lado mais negro da cena brasileira

Kiss sobre Secos e Molhados: "há quem acredite em OVNIs"Morbid Angel: "banda satânica, eu jamais voltaria", diz SandovalA cena do rock em Curitiba está vendida para os coversOs Melhores: Os álbuns destaques da primeira década do novo milênio

Sobre Vicente Reckziegel

Servidor público, escritor, mas principalmente um apaixonado pelo Rock e Metal há pelo menos duas décadas. Mantêm o Blog Witheverytearadream desde Dezembro de 2007. Natural e ainda morador de uma pequena cidade no interior do Rio Grande do Sul, chamada Estrela. Há muitos anos atrás tentou ser músico, mas notou que faltava algo simples: habilidade para tocar qualquer instrumento. Acredita na música feita no Brasil, e gosta de todos os gêneros, desde Rock clássico até Black Metal.

Mais matérias de Vicente Reckziegel no Whiplash.Net.

adGooILQ