Black Sabbath: na Discoteca Básica Bizz por André Barcinski

Resenha - Black Sabbath - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Texto escrito por André Barcinski e publicado na Bizz #070, de maio de 1991.

355 acessosBlack Sabbath: 5 músicos que fizeram participações nos discos5000 acessosA morte das grandes bandas: vá a todo show grande que puder

O texto abaixo foi publicado na ediçãp #70 da revista Bizz, que chegou às bancas em maio de 1991, e fazia parte da seção Discoteca Básica, onde os colaboradores da revista discorriam sobre álbuns fundamentais para a história do rock. Contextualizando no tempo e espaço, naquela época vivíamos uma onda de reconhecimento crítico em relação ao Black Sabbath, devido à influência da banda na então muito popular cena grunge.

Abaixo está o texto do jornalista André Barcinski na íntegra:

No início de 1970, um então desconhecido quarteto da cidade inglesa de Birmingham chocaria a Europa ao gravar um álbum que ultrapassava todas as fronteiras da brutalidade sonora que eram conhecidas até então.

Muitas bandas já tocavam alto na época: The Who, Cream, Deep Purple, Led Zeppelin e o pré-punk de Detroit (The Stooges e MC5). O heavy do Black Sabbath, no entanto, era diferente - mórbido, cruel, demoníaco. Enquanto o psicodelismo dos hippies ainda ecoava por todo o mundo e o rock progressivo passava por seu período mais promissor, o vocalista Ozzy Osbourne declarava: "Nossa música é uma reação a toda essa babaquice de paz, amor e felicidade. Os hippies ficam tentando te convencer de que o mundo é uma maravilha, mas é só olhar ao redor para ver a merda em que nós estamos".

Ozzy tinha todas as razões para reclamar da vida: teve uma infância pobre e passou boa parte de sua adolescência trancado nas cadeias de Aston, o bairro miserável de sua cidade natal. Em 1967 resolveu montar um grupo com o guitarrista Tony Iommi, o baixista Terry "Geezer" Butler e o baterista Bill Ward, começando a tocar no circuito de bares por cachês irrisórios. Como resultado direto de suas frustrações e problemas financeiros, viram seu som se tornar mais sujo e agressivo a cada dia.

"Black Sabbath", o álbum de estreia do grupo - lançado numa sexta-feira, 13 de fevereiro -, foi a válvula de escape de toda essa revolta acumulada ao longo de três anos de estrada. A violência condensada em vinil. Da abertura da faixa-título, com o som de chuva e sinos, até a última nota de "Warning", tínhamos um festival de acordes tonitruantes, vocais ensandecidos e ritmo pulsante. Os temas abordados - missas negras, encontros com Lúcifer e predições catastróficas - eram frutos, principalmente, da leitura exaustiva das obras do inglês Dennis Wheatley.

Três músicas deste LP, ao menos, ficariam marcadas para sempre na história do heavy: a já citada "Black Sabbath", "The Wizard" e "N.I.B.". Junto a "Behind the Walls of Sleep" (inspirada num livro de H.P. Lovecraft), "Evil Woman", "Sleeping Village", "Warning" e, em algumas edições, a faixa extra "Wicked World" (lançada no mês anterior como o primeiro compacto da banda), formam um álbum fundamental e precursor do que se viria a fazer em termos de rock pesado.

Com sua sonoridade única, o heavy do Black Sabbath não nasceu de nenhum desdobramento de outro gênero, mas surgiu num rompante de ousadia de quatro músicos moldados pelas dificuldades e pela revolta contra o establishment “bicho grilo". Enquanto o rock progressivo promovia viagens por paisagens idílicas, o Black Sabbath oferecia uma passagem sem volta ao inferno. Nesse contexto, a banda viveria momentos de glória até 1975, com o lançamento de seu sexto LP, "Sabotage". Depois entrou em lento processo de decadência, movido por batalhas egocêntricas.

No entanto, o grupo permanece como um dos mais subestimados de todos os tempos. É bem verdade que o heavy metal tem uma incrível facilidade em gerar mediocridades, dando farta munição para os detratores de gênero. Mas é inadmissível que a importância de Black Sabbath ainda seja posta em dúvida no momento em que algumas das mais conceituadas bandas da atualidade - como o Faith No More e o Soundgarden - se declaram tão influenciadas por seu som.

Comente: Existe algum álbum mais importante na história do Heavy Metal?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Black Sabbath - Black Sabbath

2426 acessosBlack Sabbath: 45 anos de um dos clássicos da música pesada5000 acessosBlack Sabbath: A famosa estreia do quarteto britânico5000 acessosBlack Sabbath: 40 anos do primeiro álbum de metal?4292 acessosResenha - Black Sabbath - Black Sabbath2907 acessosResenha - Black Sabbath - Black Sabbath5000 acessosTradução - Black Sabbath - Black Sabbath

Black SabbathBlack Sabbath
5 músicos que fizeram participações nos discos

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Black SabbathBlack Sabbath
"Não imaginávamos ainda mexer com as pessoas!"

Tony IommiTony Iommi
"Eu não faço música para ofender as pessoas"

Black SabbathBlack Sabbath
Os álbuns da banda, do pior para o melhor

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

A morte das grandes bandasA morte das grandes bandas
Vá a todo show grande que puder

RushRush
Um Adeus Aos Reis

MulheresMulheres
As bandas mais famosas em suas versões femininas

5000 acessosChris Cornell: relatório policial descreve últimas horas e morte5000 acessosStephanie Seymour: ex de Axl Rose mostra ótima forma aos 445000 acessosAstros mortos: como estariam alguns se ainda estivessem vivos?3432 acessosIron Maiden: a visão detalhada de "The Trooper"5000 acessosBem vivos: Elvis, Cobain, Lennon e outros em comercial de cerveja5000 acessosSlash: o melhor beijo da vida dele foi numa girafa

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 17 de novembro de 2016

Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online