RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemQuando Roberto Carlos foi alfinetado por Raul Seixas, mas o Rei gostou do que ouviu

imagemQuando o Lynyrd Skynyrd irritou Mick Jagger ao abrir o show dos Rolling Stones

imagemApós dez anos, Jason Newsted procura guitarristas para montar um projeto de metal

imagemMax Cavalera escolhe seus álbuns "não metal" preferidos

imagemA única música tocada no Festival de Woodstock que atingiu o primeiro lugar nas paradas

imagemAs queixas que colegas do Paralamas mais fazem sobre Herbert Vianna, segundo o próprio

imagemSlash acha que os rockstars dos 60s e 70s eram mais inteligentes e educados que os dos 80s

imagemO hit da Legião Urbana antiviolência cantado sob perspectiva de jovem da periferia

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagem"A vida é curta", afirma Floor Jansen, vocalista do Nightwish

imagemJohn Lennon queria regravar todas as músicas dos Beatles, segundo produtor George Martin

imagemA bizarra lembrança que Kerry King tem do último show do Slayer

imagemA icônica reportagem de Glória Maria em que Raul Seixas disse que foi atropelado por onda

imagemA reação de Jairo Guedz quando houve o racha do Sepultura no auge do sucesso

imagemA vingança de Joana Prado (ex-Feiticeira) contra filhos briguentos que envolve RPM


Def Leppard Motley Crue 2

Bigelf: A volta do Majestoso Elfo com Portnoy nas baquetas

Resenha - Into the Maelstrom - Bigelf

Por Mário Liz
Postado em 21 de março de 2014

Nota: 8

Eis que o que hibernava despertou: e que hibernação! Após o estrondoso e espetacular "Cheat the Gallows" de 2008, o Bigelf retorna à vida. Alterações na formação da banda e talvez o estresse causado pelo sucesso do álbum anterior motivaram este hiato de 6 anos. Damon Fox, líder e mente criativa do conjunto, quase jogou a toalha. Foi por pouco. No entanto, o apoio de seus amigos, dentre eles o ex-Dream Theater Mike Portnoy, motivou o retorno desta verdadeira "nave espacial psicodélica" que flerta com grandes ícones do passado, como Beatles, Black Sabbath, Pink Floyd, King Crimson, Deep Purple, Uriah Heep... dentre outros dinossauros.

"Into the Maelstrom" conta com Damon Fox em suas funções de sempre: vocais, teclados e guitarra; Duffy Snowhill no baixo, Luis Maldonado na guitarra e Mike Portnoy na bateria. Inteligentemente, MP (um dos bateristas mais talentosos e versáteis do mundo) se propôs a tocar nas características da banda e em nada alterou a concepção de bateria adotada pelo Bigelf desde 1991, o mesmo valendo para Luis Maldonado, que manteve a pegada e a timbragem dos guitarristas anteriores.

O álbum inicia com a faixa "Incredible Time Machine", uma canção forte que, com seus 4 minutos, sintetiza muito bem a proposta do Bigelf através dos seus 23 anos de vida. A música funciona como uma fusão entre Beatles e Black Sabbath, com a psicodelia do Pink Floyd no início da carreira. "Hypersleep" é um pouco mais psicodélica que a faixa anterior e tem um andamento mais rápido em seu segundo riff que faz lembrar as grandes bandas de rock da década de 70 como Uriah Heep, Black Sabbath e Deep Purple. "Already Gone" tem a maior influência do álbum: Beatles. Nunca um álbum do Bigelf teve tanta influência do Fab Four de Liverpool e isto certamente se deu devido ao mentor das composições: Damon Fox. Este trabalho recente é praticamente filho de uma única célula compositora e, nele, Damon praticamente expôs toda sua veia musical aos ouvintes.

"Alien Frequency" é uma canção que mostra um Bigelf disposto a inovar com timbres novos de teclado e um refrão marcante – talvez o mais marcante do álbum. Seu riff de guitarra que surge em alguns momentos da canção lembra "After Forever" do Black Sabbath. "The Professor & the Madman" começa com uma pegada "oriental" e evolui para uma típica canção do Bigelf: sombria, perturbadora e muito bem trabalhada. "Mr. Harry McQuhae" é uma canção reflexiva, com um belo solo de guitarra e que traz um incidental de um trabalho anterior, "The Bitter End" do álbum "Money Machine". "Vertigod" soa como se os Beatles fossem um quarteto raivoso. E outro dado curioso sobre essa música é que alguns trechos dela foram postados como teaser do novo CD no facebook da banda. "Control Freak", faixa de trabalho do álbum, é sem dúvida alguma a grande canção de ITM. Agressiva, direta e perturbadora, ela está entre as melhores músicas lançadas no rock em 2014, além de também figurar nos teasers que a banda postou em sua página.

"High" é arrastada, progressiva e introspecta. A partir de seus 2min ela ganha um riff rápido e poderoso que a deixa com pitadas de Hard Rock setentista. Não é uma música fácil de assimilar ao primeiro contato, mas é uma excelente canção. "Edge of oblivion" segue uma fórmula parecida e em certos trechos remete à "Counting Sheep", do trabalho anterior da banda. "Theater of Dreams" (sim... isso é uma música do álbum e não uma piada de Mike Portnoy!) tem 101% de Beatles em sua cadência e harmonia. Ela funciona como a balada do álbum. Se compararmos "ITM" com "Cheat The Gallows", "Theater os Dreams" seria "Money it’s Pure Evil". Finalmente o álbum fecha suas portas com sua canção homônima, um épico com três movimentos. É extremamente progressiva e nela pode-se perceber pitadas de Beatles, Pink Floyd, King Crimson e Black Sabbath.

De modo geral, "Into The Maelstrom" é um álbum mais soturno se comparado aos outros do Bigelf, no entanto, apesar da proposta da banda em toda sua história ser de executar um "rock-retrô" em homenagem aos seus ídolos, este novo trabalho é o mais autoral da história do conjunto. Ponto para Damon... que manteve a qualidade das obras anteriores e trouxe um novo frescor ao Majestoso Elfo.

[an error occurred while processing this directive]

1. Incredible Time Machine
2. Hypersleep
3. Already Gone
4. Alien Frequency
5. The Professor & The Madman
6. Mr. Harry McQuhae
7. Vertigod
8. Control Freak
9. High
10. Edge of Oblivion
11. Theater of Dreams
12. ITM - I. Destination Unknown
II. Harbinger Of Death
III. Memorie


Outras resenhas de Into the Maelstrom - Bigelf

Resenha - Into the Maelstrom - Bigelf

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Mike Portnoy: os dez melhores discos de rock progressivo


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Mário Liz

Mário Liz é bacharel em direito e em publicidade e propaganda. É apaixonado por IRON MAIDEN, BLACK SABBATH, DREAM THEATER, BIGELF e PINK FLOYD. Contato: [email protected]
Mais matérias de Mário Liz.