RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemDeep Purple: David Coverdale revela quem quis como substituto de Ritchie Blackmore

imagemAndi Deris tem problemas de saúde e shows do Helloween são adiados

imagemO brasileiro com a voz parecida com a de Axl Rose que viralizou no TikTok

imagemProdutor da turnê de Paul Di'Anno explica problemas no primeiro show

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemO motivo nada musical que fez Bruce Dickinson querer se juntar aos hippies

imagemVocalista do Fleshgod Apocalypse é pedida em casamento durante show da banda

imagemO hit dos Beatles que talvez seja sobre drogas e que "Jesus" acompanhou gravação

imagemEloy Casagrande repete o feito sendo eleito melhor baterista de metal do mundo

imagemTony Iommi conta quais são os riffs preferidos que ele escreveu

imagemShane Hawkins, filho de Taylor Hawkins, ganha prêmio de melhor performance do ano

imagemZelador viraliza após incrível semelhança com voz de Steve Perry em "Don't Stop Believin'"

imagemEm disputa acirrada, fãs batem recorde e elegem melhores discos de metal de 2022

imagemOs 20 melhores álbuns lançados em 1993, segundo a Revolver Magazine


Stamp

Alice Cooper: Descendo ao inferno com o "Goes To Hell"

Resenha - Goes To Hell - Alice Cooper

Por Neimar Secco
Postado em 18 de fevereiro de 2014

Depois do mega sucesso do projeto WELCOME TO MY NIGHTMARE, Alice Cooper lança a segunda parte da saga de Steven que, involuntariamente, marca o início de uma literal descida ao seu inferno particular.

Aparentemente tudo estava indo muito bem para Alice Cooper em 1976. Seu multiplatinado primeiro álbum solo lançado no início de 1975 foi sua maior vendagem até então. A tour que o promovia, com o show mais produzido e coreografado de Alice Cooper ate então, foi muito bem sucedida com várias arenas lotadas. Alice Cooper estava literalmente no auge profissional.

Mas que ninguém perguntasse a seu fígado e seu estado de saúde geral como era ser a parte invisível (mas nem tão imperceptível assim) de Alice Cooper, que literalmente vomitava sangue devido a seus excessos alcoólicos.

Alice Cooper Goes To Hell foi lançado em junho de 1976. Em princípio foi programada uma tour com um show tão ou mais produzido que o do álbum anterior em que o palco seria caracterizado como uma discoteque "ambientada" no inferno. Alice demonstraria sua repulsa ao gênero musical dominante na época, principalmente nos EUA.

O projeto foi abortado devido ao estado de saúde de Alice. Porém ele fez ainda algumas aparições em shows de TV e em premiações como "host" e assim, manteve sua imagem em grande evidência. I Never Cry, que não é uma balada romântica, mas sim uma confissão do alcoolismo que o deprimia e dominava foi um enorme hit, que chegou a ser o single de maior vendagem da Warner Bros. Mas não deixava de ser paradoxal que essa balada fosse o grande sucesso do vilão do rock na época.

Alice Cooper Goes To Hell abre com "Go To Hell", a faixa título em que um "júri" proclama a pena de Alice por todos os seus atos criminosos, seus abusos alcoólicos e sua conduta nada "politicamente correta". Uma das músicas autobiográficas de Alice, que marcaram esse período de sua vida e carreira. Destaque para o arranjo "progressivo" com a guitarra soturna de Dick Wagner, alguns efeitos sonoros de quebras de objetos e uma percussão muito climática.

A seguir vem "You Gotta Dance", a faixa disco do álbum em que Alice interpreta um frequentador de discoteque entregue às sensações dos embalos trazidos pelo ritmo e pelo clima envolvente do ambiente da discoteque. Para mim uma faixa que deixa muito a desejar, pois nem é um rock "padrão", nem uma música disco muito semelhante ao que se fazia na época.

"I’m The Coolest" é uma faixa bem "lounge", cujo clima é ditado pelo contrabaixo de Tony Levin (músico de estúdio renomado e muito solicitado nos anos 70 e 80) e pelas guitarras de Steve Hunter e Dick Wagner.

Em "Didn’t We Meet" Alice narra seus encontros com outras "almas" em sonhos. Certamente referências ao álbum anterior, situações vivenciadas por Steven, seu personagem-guia por esses tempos de sonhos/pesadelos pessoais.

O lado 1 fecha com a já citada balada (também autorreferente) "I Never Cry"

[an error occurred while processing this directive]

Na primeira faixa do Lado 2, Alice Cooper é recebido pelo Demônio em pessoa, com quem ele se lamenta e questiona os motivos de estar lá. A faixa, ao contrário do que se poderia esperar ou desejar, é quase cômica, com Steven tentando negociar sua saída do inferno (como se isso fosse possível) "Sure thing, kid, when hell freezes over", (Certamente, garoto, quando o inferno congelar, diz o diabo). Alice faz os dois vocais, o do condenado e o do diabo.

Em "Guilty", outra música explicitamente autorreferente e biográfica, Alice assume todas as suas culpas e contrapõe sua condição de vilão do rock à sua origem de filho de pastor.

[an error occurred while processing this directive]

Em seguida vem "Wake Me Gently", uma balada em que o sonhador se vê com medo de sair do sonho e encarar uma realidade de abandono e solidão.

[an error occurred while processing this directive]

"Wish You Were Here" juntamente com "Go To Hell" e "Guilty" forma o grupo de músicas mais "hard rock" do álbum e é baseada em uma música de Dick Wagner, criada para sua banda, Ursa Major e que pode ser ouvida no autointitulado álbum da banda.

A parte instrumental do final da música foi muitas vezes executada nos shows e inclusive está registrada no medley do álbum ao vivo "The Alice Cooper Show".

A parte final da ida ao inferno de Alice começa com a regravação de uma canção de 1918, "I’m Always Chasing Rainbows" em que o narrador fala da sua busca incessante e aparentemente interminável pela sorte e pela felicidade.

[an error occurred while processing this directive]

[an error occurred while processing this directive]

Acima, a gravação original de "Chasing Rainbows" – 1918

O final arrebatador dessa sequencia de "Welcome To My Nightmare" chega com "Going Home". Sim, apesar dos fantasmas da doença e da fragilidade física, Alice Cooper ainda chegaria seguro e em bom estado em casa, onde seus fãs "de essência" saberiam como encontrá-lo e como entender essa grande guinada do garoto que não sabia o que queria aos 18 anos (I’m Eighteen), que queria tirar férias eternas da escola (School’s Out) e que não queria mais ser visto como um cara legal (No More Mr. Nice Guy).
Aos 28 anos Alice fazia um balanço de sua carreira e de sua vida e inaugurava, assim, um novo período – não tão glorioso ou "paparicado", mas de resistência e luta como só os grandes sabem.

NOTAS

-- Lançamento: 25/06/1976

FAIXAS
01 Go To Hell (Cooper, Wagner, Ezrin) [5:02]
02 You Gotta Dance (Cooper, Wagner, Ezrin) [2:44]
03 I'm The Coolest (Cooper, Wagner, Ezrin) [3:57]
04 Didn't We Meet (Cooper, Wagner, Ezrin) [4:15]
05 I Never Cry (Cooper, Wagner) [3:43]
06 Give The Kid A Break (Cooper, Wagner, Ezrin) [4:13]
07 Guilty (Cooper, Wagner, Ezrin) [3:21]
08 Wake Me Gently (Cooper, Wagner, Ezrin) [5:03]
09 Wish You Were Here (Cooper, Wagner, Ezrin) [4:35]
10 I'm Always Chasing Rainbows (McCarthy, Carroll) [2:13]
11 Going Home (Cooper, Wagner, Ezrin) [3:47]

MÚSICOS (THE HOLLYWOOD VAMPIRES)
Dick Wagner - Guitars and Vocals (1,2,3,4,6,7,8,9,10)
Steve Hunter - Guitars (all)
John Tropea - Guitars (1,2,6,8,9)
Tony Levin - Bass (2,3,4,5,6,7,8,9,10,11)
Babbitt - Bass (1)
Allan Schwartzberg - Drums (1,2,4,5,6,7,8,9)
Jim Gordon - Drums (3,10,11)
Jim Maelan - Percussion and Soft Shoes (all) Bob Ezrin - Keyboards, Vocals (2,3,4,5,6,8,10,11)
Al Macmillan – Piano
Dick Berg - French Horn (5)
Backing Vocals - Michael Sherman, Shawn Jackson, Colina Phillips, Joe Gannon, Shep Gordon, Denny Vosburgh, Bill Misener, Laurel Ward, Sharon-Lee Williams

-- O primeiro título pensado para o álbum foi apenas HELL

Produção: Bob Ezrin
Gravado em:
Soundstage Toronto
Record Plant East
RCA Studios Los Angeles
Arranjos: Bob Ezrin, Al Macmillan, John Tropeae The Hollywood Vampires.
Design: Rod Dyer/Brian Hagiwara.
Fotografia: Bret Lopez.
A foto de Alice na capa do álbum foi feita nas sessões de fotos para Billion Dollar Babies, três anos antes. Houve (e ainda há) rumores de que se preferiu utilizar uma foto dessa época porque Alice não estava bem e sua aparência na época da gravação e lançamento do álbum refletia sua saúde debilitada.

A TURNÊ "ABORTADA"

Em 25 de junho de 1976 foi lançado "Go To Hell". Uma turnê com 30 datas foi planejada, mas cancelada. Dois dias antes da data marcada para o início dos ensaios Alice foi internado no hospital da Universidade da California com o diagnóstico de anemia

1976 (20/03/76) também foi o ano do casamento de Alice Cooper com sua dançarina e coreógrafa da tour anterior: Sheryl Gail Goddar (Sheryl Cooper). Estão casados até hoje.

Em 1976, Alice lançou também sua primeira biografia oficial, Me, Alice, "como relatada a" Steven Gaines.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Alice Cooper e TNT: a semelhança de Be my Lover e Não Sei

Morte: confira 15 das melhores músicas sobre o tema


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Neimar Secco

Welcome to my nightmare. Sou professor de inglês e de português e também tradutor eventual. Rock sempre foi e continua sendo a minha trilha sonora de todas as horas. Minhas preferências são hard rock, progressivo e classic rock em geral (anos 60, 70 e 80). Bandas favoritas: Alice Cooper, Led Zeppelin, Black Sabbath, Ozzy Osbourne, Pink Floyd, Beatles, Creedence, The Doors, Dire Straits, entre muitas outras.
Mais matérias de Neimar Secco.