Shock: Mantendo a pegada Heavy Metal de vinte anos atrás

Resenha - Shadows - Shock

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leonardo Daniel Tavares da Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Pra começar, podemos dizer que ouvir um novo disco da pioneira banda pioneira SHOCK é uma alegria (e uma honra resenhá-lo). É como voltar no tempo, para aquele tempo em que fitas cassetes e revistas em quadrinhos eram raridades (não mundo afora, mas nas nossas mãos de jovens interioranos ou operários suburbanos) e não havia internet com seus arquivos MP3 e PDF para ouvir ou ler hoje à tarde o que foi lançado pela manhã no outro lado do mundo. Quem sabe, talvez por isso mesmo, dividíamos felizes essas raridades entre nossos amigos e vizinhos.

Rob Zombie: sua lista dos 5 Melhores Filmes de ZumbiRob Halford: "Talvez eu seja o único Gay vocalista de Metal"

Quando a SHOCK surgiu na Paraíba, fazia bem pouco tempo que, no distante Pará, tão distante quanto o eixo Rio-Sampa, também o STRESS tinha dado os primeiros passos no Heavy Metal brasileiro, com demos ainda em português até o excelente debut ¨Heavy Metal We Salute You¨, lançado em 1991 por um selo potiguar. Infelizmente, este segundo full length levou talvez a idade de alguns de vocês para ser lançado, mas não se trata de nenhum ¨Chinese Democracy¨. Ao contrário, é um disco com composições mais amadurecidas, incorporando um pouco do som que os caras ouviram nesses vinte anos, só que sem perder a pegada heavy metal do primeiro. Alias, ainda sobre ¨Heavy Metal We Salute You¨, procure a versão em CD lançada há alguns anos atrás, com a íntegra do disco original, mais alguns bônus (procure, vale a pena). Leia uma resenha dele no link abaixo.

Shock: Riffs nervosos e uma interessante linha de baixo.

A banda foi formada inicialmente pelos irmãos Carlos Roque (bateria e vocal), Paulo Roque (baixo), Edgard e Marcos Roque nas guitarras (que coincidência, uma família que tem rock até no nome). Marcos deixou a banda no início dos anos 80, enquanto Carlos deixou os vocais sob a responsabilidade de Américo Caldeira. O presente artefato veio ao mundo através das mãos da MMB Records, com capa e encarte desenhados pelo sempre competente Alcides "Burn", que já ilustrou muitas outras joias do metal nacional.

A bolacha abre com "The Disturbed", uma bela intro, mas que em nada denuncia a pauleira que há por vir. É em "Nightmare" que o Heavy Metal começa de verdade, uma faixa com riffs de guitarra oitentista pontuados pelo excelente baixo de Paulo Roque. E vai ser assim praticamente até o fim do play, como em "Train of Life", segunda faixa, e "Hard To Say" (mais lenta, culminando em um solo matador), com o baixo de Paulo Roque pontuando o peso que virá das guitarras de Edgard e da bateria de Carlos. As melodias casam bem com a voz Halfordiana de Américo e ficam nos ouvidos como qualquer outra canção da NWOBHM, especialmente SAXON e IRON MAIDEN. Tudo culmina na grandiloquente "Send Me A Sign", iniciada por uma não menos que matadora levada de baixo. O conteúdo lírico não é nada shakespeareano, mas os caras não derrapam no inglês como fazem algumas outras bandas brazucas.

O duelo entre a guitarra de Edgard e o baixo de Paulo são, sem dúvida alguma, o ponto alto do trabalho. A bateria de Carlos faz bem o seu trabalho, mas é esse duelo incessante que vai te fazer querer ouvir o disco uma vez após a outra. A temperatura cai um pouco na faixa-título, uma balada, mas volta a subir a galope em "Dethrone The Tyrants", seguida por "Lady of The Night", que não esconde a inspiração provável em "Princess of The Night", do SAXON. O disco se encerra com a pesadíssima "Blackmail". E o que se pode esperar é que o SHOCK venda muito, faça muitos shows, para continuar nos brindando com petardos dessa natureza.

O que podemos dizer é que, a exemplo de bandas novas (como ENFORCER e SKULL FIST) e de antigas lançando novos discos (como a própria SHOCK), o New Wave of British Heavy Metal pode até não ter nada de "new" e há muito tempo deixou se ser exclusivamente "British", mas, vai muito bem, obrigado.

Track List

The Disturbed
Nightmare
The Train of Life
Hard to Say
I Never Surrender
Meaningless Life
Paradise
Send Me A Sign
Shadows
Dethrone The Tyrants
Lady Of The Night
Blackmail

http://www.metalshock.net/
metalshockpb@yahoo.com.br
https://www.facebook.com/metalshockpb


Outras resenhas de Shadows - Shock

Shock: Retorno triunfal com um clássico MetalShock: Veteranos em disputa acelerada entre baixo e guitarra




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Shock"


Rob Zombie: sua lista dos 5 Melhores Filmes de ZumbiRob Zombie
Sua lista dos 5 Melhores Filmes de Zumbi

Rob Halford: Talvez eu seja o único Gay vocalista de MetalRob Halford
"Talvez eu seja o único Gay vocalista de Metal"

Fotos de Infância: Kurt Cobain, do NirvanaFotos de Infância
Kurt Cobain, do Nirvana

Tirando a poeira do tímpano: 20 novas bandas de rock pra curtirTirando a poeira do tímpano
20 novas bandas de rock pra curtir

Ricardo Confessori: Iron Maiden, aposenta logo!Ricardo Confessori
"Iron Maiden, aposenta logo!"

Mariah Carey: Sebastian Bach fica indignado com justificativasMariah Carey
Sebastian Bach fica indignado com justificativas

Rainbow: Dio era legal por ser americano, diz Tony CareyRainbow
"Dio era legal por ser americano", diz Tony Carey


Sobre Leonardo Daniel Tavares da Silva

Daniel Tavares nasceu quando as melhores bandas estavam sobre a Terra (os anos 70), não sabe tocar nenhum instrumento (com exceção de batucar os dedos na mesa do computador ou os pés no chão) e nem sabe que a próxima nota depois do Dó é o Ré, mas é consumidor voraz de música desde quando o cão era menino. Quando adolescente, voltava a pé da escola, economizando o dinheiro para comprar fitas e gravar nelas os seus discos favoritos de metal. Aprendeu a falar inglês pra saber o que o Axl Rose dizia quando sua banda era boa. Gosta de falar dos discos que escuta e procura em seus textos apoiar a cena musical de Fortaleza, cidade onde mora. É apaixonado pela Sílvia Amora (com quem casou após levar fora dela por 13 anos) e pai do João Daniel, de 1 ano (que gosta de dormir ouvindo Iron Maiden).

Mais matérias de Leonardo Daniel Tavares da Silva no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336