Cure: mistura doses de experimentalismo como o walking bass

Resenha - Faith - Cure

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Severo da Costa
Enviar Correções  


Trilogias sempre criam uma nuvem de curiosidade até no mais circunspecto fã de artes em geral: a idéia de uma história fragmentária girando em torno de temas pontuais faz a alegria de treakers aos fãs de rock n'roll e representam um ponto quase axiomático na cultura pop. Sucessos e fracassos, obras-primas e verdadeiras tragédias já saíram daí; a mística, entretanto permanece.

Behemoth: banda anuncia EP e divulga improvável cover de música do The CureFotos de Infância: Arch Enemy

No começo dos anos 80, o THE CURE criou aquilo que posteriormente foi chamado de "Trilogia da escuridão"-"Seventen Seconds" (1980), "Faith" (1981) e "Pornography"(1982) levaram o minimalismo e as sombras carregadas do rock gótico à um ponto extremista e antitético aos coloridos e esteticamente bregas anos yuppies. Representando, respectivamente, o vazio, a fé, e a loucura, temas cuja exploração literária é tão relevante hoje quanto o foram na Odisséia de Homero, os três registros introjetaram na cultura pós-punk o mesmo sentimento de inadequação que havia levado IAN CURTIS ao suicídio e exploraram sentimentos profundos com a maestria que ROBERT SMITH- na época com vinte e poucos anos- certamente ainda não tinha vivenciado o suficiente para representar com tanta propriedade.

"Faith", o segundo registro, é de uma estranheza ímpar- ao contrário da acessibilidade de "A Forest" do seu antecessor, por exemplo- o que se ouve aqui mistura doses de experimentalismo como o walking bass no instrumento de seis cordas conduzido pro SMITH em "The Holy hour" com a pegada absolutamente pós -punk de "Primary" que nem de longe remetem ao comercialismo ( nesse caso, no bom sentido) de "Boys Don´t Cry" ou da futura "In Between days". O disco que já foi tachado por um crítico de "desprovido de coração ou alma" evita qualquer espécie de esperança e uma faixa como "Funeral Party" é, proporcionalmente à sua leveza, depressiva de dar dó. A tempo, a faixa título, na opinião desse resenhista é a mais inspirada e linda das faixas da banda até o final daquela década.

Lançado no mesmo ano do clássico "Mask" do BAUHAUS, "Faith", em um contexto geral, pode não estar no mesmo nível de seu antecessor e predecessor, respectivamente. Entretanto, faço das palavras da Allmusic as minhas sobre o álbum: "Um registro deprimente, certamente, mas também um dos álbuns mais subestimados e belos do The Cure ".

Track List:
1. "The Holy Hour" – 4:25
2. "Primary" – 3:35
3. "Other Voices" – 4:28
4. "All Cats Are Grey" – 5:28
5. "The Funeral Party" – 4:14
6. "Doubt" – 3:11
7. "The Drowning Man" – 4:50
8. "Faith" – 6:43




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Behemoth: banda anuncia EP e divulga improvável cover de música do The Cure

Mulheres: 10 músicas que ajudarão a conquistá-lasMulheres
10 músicas que ajudarão a conquistá-las

Hall da Fama: doze bandas que deveriam estar ali mas não estãoHall da Fama
Doze bandas que deveriam estar ali mas não estão


Fotos de Infância: Arch EnemyFotos de Infância
Arch Enemy

Fotos de Infância: Dave Mustaine, do MegadethFotos de Infância
Dave Mustaine, do Megadeth


Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n'roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: [email protected]

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin