Suffocation: álbum mescla peso e técnica absurda em dez faixas

Resenha - Pinnacle Of Bedlam - Suffocation

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Danilo Rodrigues de Moraes
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Após quatro anos finalmente será lançado o sétimo álbum de estúdio dos pais do brutal death metal, "SUFFOCATION". Neste ano pós-apocalíptico de 2013 para o deleite e longa espera dos fãs surge o magnífico "Pinnacle Of Bedlam", que mescla peso e técnica absurda em dez faixas, além de uma produção final excelente por todo o disco. O álbum é o sucessor do sangrento "Blood Oath" de 2009, que mostrou um "SUFFOCATION" mais contido que os álbuns anteriores, mas de qualidade inigualável e donos de riffs que marcaram todo o gênero, seja pela velocidade e precisão na execução ou pela complexidade na construção estrutural das músicas. No entanto, ao contrário de seu antecessor, "Pinnacle Of Bedlam" apresenta composições mais aceleradas e de cadências mais variadas, que transporta o ouvinte desde momentos de insanidade entorpecente, a momentos de pura excitação bárbara com riffs que rastejam e propagam o som da morte pelos altos falantes.

Preços: quanto custa para contratar a sua banda favoritaFreedom of Expression: o tema do Globo Repórter

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O play inicia com a faixa "Cycles Of Suffering", que de imediato é um soco na cara, começando de forma brutal sem introdução e firulas. O vocalista "Frank Mullen" imprime sua voz inconfundível nos ouvidos despreparados e prenuncia a "matança auditiva" que está por vir pelo longo da obra.

Em seguida "Purgatorial Punishment" eclode trazendo uma trilha sonora, que com certeza faria parte do playlist de qualquer jukebox infernal que se preze. Sem dúvidas "Terrance Hobbs" e "Guy Marchais", são donos de técnicas e criatividade tremendas quando se trata na construção precisa das linhas de guitarra.

"Eminent Wrath" começa com um solo rápido que remete a velocidade de quase toda a faixa. O novo baterista "Dave Culross" tem um destaque não só na faixa que acabo de citar, mas no álbum inteiro, mostrando ser dono de uma pegada absurda, já conferida anteriormente no EP "Despise The Sun".

A quarta faixa "As Grace Descends", havia sido anteriormente divulgada na internet antes do lançamento do álbum. Confesso que ao escutá-la separadamente de toda a obra, tive uma impressão levemente negativa devido ao timbre das guitarras, entretanto, ledo engano da minha parte, pois conjuntamente com toda a obra, mostrou-se mais uma excelente faixa.

Por fim um momento de calmaria com a bela introdução de "Sullen Days", que remete de alguma forma a música "Redempition" do álbum homônimo de 2006, mas que como ela culmina em mais uma ótima faixa de riffs marcantes e purulentos no melhor sentido que há.

A pancadaria continua solta na faixa que leva o nome do álbum. "Pinnacle Of Bedlam" é dona de grande cadencia e apresenta partes mais lentas, mas não menos empolgantes do que as faixas anteriores.

"My Demise" carrega um clima de tensão e paranoia por volta de seus quatro minutos, que realmente parece anunciar de modo cabal a morte conforme o título propõe.

O som que se segue pode ser o inverso de tudo o que o papa não queria ver você caro leitor escutando hoje em dia, porém o quê se comprova é que "Inversion" não inverte de maneira alguma a agressividade contida no play.

Passeamos agora pela faixa "Rapture Revocation", a banda não deixa o ânimo cair e mantém por toda música a característica única que os tornou consagrados no Brutal Death Metal, e agrada os inúmeros fãs até hoje sem soar batido e repetitivo.

Por fim o álbum se encerra com a faixa "Beginning Of Sorrow", o quê de certo modo pode ser motivo de tristeza devido à vontade de continuar escutando o trabalho da banda, todavia, tal sentimento de tristeza não ocorre, pois após conferir esse grande disco, são nos dado motivos para alegria já que no meu ponto de vista a obra não decepciona em nenhum momento.

Apesar de toda a espera desde o último trabalho, SUFFOCATION mostra o porquê são considerados um dos pioneiros do estilo e, escreveram o nome da banda no topo do death metal ! "Pinnacle Of Bedlam" é um grande trabalho e um ótimo lançamento para começar o ano, assim confirma-se todo o peso e brutalidade única que somente a banda é capaz de fazer e que influência outras tantas bandas do estilo. Para amantes do death metal "Suffocation" é uma banda de referência e indiscutível qualidade, acertando sempre de mão cheia no som que se propõem a fazer. Só nos resta aplaudir mais uma vez independente do álbum favorito de cada fã, pois o que não se pode discutir é que "SUFFOCATION" sempre soou sufocante!

Formação:
Frank Mullen - Vocal
Terrance Hobbs - Guitarra
Guy Marchais - Guitarra
Derek Boyer - Baixo
Dave Culross - Bateria


Outras resenhas de Pinnacle Of Bedlam - Suffocation

Suffocation: está entre os melhores discos da banda até o momento




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Suffocation"


Comerciais: os onze mais divertidos envolvendo Rock e MetalComerciais
Os onze mais divertidos envolvendo Rock e Metal

Loudwire: os dez melhores álbuns de metal de 1995Loudwire
Os dez melhores álbuns de metal de 1995


Preços: quanto custa para contratar a sua banda favoritaPreços
Quanto custa para contratar a sua banda favorita

Freedom of Expression: o tema do Globo RepórterFreedom of Expression
O tema do Globo Repórter


Sobre Danilo Rodrigues de Moraes

Estudante de Ciência Sociais na faculdade Unifesp. Passa o tempo lendo obras filosóficas, ou escutando o bom e velho death metal.

Mais matérias de Danilo Rodrigues de Moraes no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336