RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Stamp

Brainchild: magia das guitarras com intrumentos de sopro

Resenha - Healing Of The Lunatic Owl - Brainchild

Por Leonardo M. Brauna
Postado em 03 de janeiro de 2013

Nota: 8

Pouco se sabe sobre essa espetacular banda de 'Jazz Rock' e 'Progressive Rock' que em 1970 lançou o seu "filho único", "Healing Of The Lunatic Owl". Antes de ouvi-lo pela primeira vez na casa do meu brother e "garimpeiro musical", Victor Hugo Severo, pensava não existir algo que aproximava tanto a magia das guitarras com os instrumentos de sopro tornando tudo tão simples e maravilhoso. Vamos aos fatos comprovados por BRAINCHILD!

Os britânicos começam "queimar lenha" com "Autobiography" e de cara já expõem a sua proposta com os metais surgindo de mancinho acompanhados de uma guitarra sem efeitos distorcidos que geram a base para a música. A parada para a parte cadenciada é magnânima e os solos de Trompete e Saxofone enriquecem mais ainda o conteúdo.

A faixa título vem em seguida com uma execução voltada quase 100% para o 'Jazz' e com uma batida ritmada que lembra até mesmo a nossa 'Bossa Nova'. É uma música que lhe deixa relaxado após um dia intenso de trabalho, por exemplo.

A terceira faixa, "Hide From The Dawn", é outra das que acalmam a alma, tem um som de baixo muito definido e a guitarra segue o tom da canção junto com o vocalista. Um exemplo perfeito de entrosamento e magia. Se quiser ouvi-la inteira, é melhor que não esteja sonolento.

Outra das minhas preferidas é "She's Learning", essa música tem um acompanhamento "tímido" de um órgão "Hammond" e isso é o que me chama mais atenção, pois sou um grande apreciador desse "monstrengo". Essa música até que poderia ter servido para trilha sonora em seriados de ação dos anos 70. Perfeita!

"A Time For A Place" é a de maior duração e a técnica aplicada para essa execução empolga os ouvidos mais fechados, aqui atabaques, baixo, guitarra, metais, o grande Harmmond B3 e principalmente as viradas "lunáticas" de bateria fazem a festa sem precedentes.

Em "Two Bad Days" temos mais um show de sopros com belíssima interpretação do vocalista que também se encarrega das passagens de baixo fazendo a harmonia necessária para os companheiros mostrarem a segunda parte da arte.

"Sadness Of A Moment" como o próprio título sugere, é uma faixa que beira a "tristeza". É tocada com muita calmaria só com voz, violão e flauta. Um bom momento para quem procura tranqüilidade e um veneno para quem sofre a "dor de cotovelo".

O "Grand Finale" fica por conta de "To B". Um 'Jazz instrumental' que foi escolhido para "fechar as cortinas" desse espetáculo. Assim a banda termina o seu "unigênito" deixando esse grande registro cheio de maravilhas musicais que você, se ainda não conhece, deve procurar e abrir 2013 com extremo bom gosto. Até a próxima!

Lançamento:
A & M Records (1970);
Second Harvest (remasterizado: 2008).

Line Up:
HARVEY COLES – baixo, vocal;
BILL EDWRDS – guitarra, vocal;
DAVE MULLER – bateria;
CHRIS JENNIGS – órgão, piano;
BRIAN WILSHAW – saxofone, flauta;
LLOYD WILLIAMS – trompete.

Track List:
01 - Autobiography 3:47
02 - Healing Of The Lunatic Owl 5:22
03 - Hide From The Dawn 7:13
04 - She's Learning 4:24
05 - A Time For A Place 9:18
06 - Two Bad Days 4:08
07 - Sadness Of A Moment 4:18
08 - To B 4:01

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Summer Breeze


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Leonardo M. Brauna

Leonardo M. Brauna é cearense de Maracanaú e desde adolescente vive a cultura do Rock/Metal. Além do Whiplash, o redator escreve para a revista Roadie Crew e é assessor de imprensa da Roadie Metal. A sua dedicação se define na busca constante por boas novidades e tesouros ainda obscuros.
Mais matérias de Leonardo M. Brauna.