Resenha - Chinese Democracy - Guns N' Roses

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Gregory e Rafael Tavares, Tradução
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

David Fricke, da Rolling Stone norte-americana, assinou uma resenha do novo trabalho do GUNS N' ROSES, "Chinese Democracy", cuja tradução segue abaixo (adaptado de textos publicados no GunnersBrasil.com e no Perfect Crime, este último traduzido por Bruno Do Amaral aka Voodoochild):

5000 acessosChester Bennington: Slash comenta a morte do vocalista5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1984

Avaliação: 4/5

Vamos direto ao assunto: o primeiro álbum de músicas novas e originais do GUNS N' ROSES desde a primeira admnistração de um Bush é um disco de hard-rock ótimo, audacioso, atordoante e descompromissado. Em outras palavras, soa muito parecido com o GUNS N' ROSES que você conhece. Às vezes, é o quinteto de punho cerrado que fez uma tempestade perfeita em 1987 no “Appetite For Destruction”; mais comumente é o destrinchado pelos CDs maximizados de 1991, “Use Your Illusion” I e II, mas aqui é comprimido em um único disco convulsivo de guitarras super-fritadoras, fanfarras orquestrais, eletrônica hip-hop, um coro de tabernáculo metálico e Axl Rose cantando ainda viril como uma sirene enferrujada.

Se Rose alguma vez teve um momento de dúvida sobre o que “Chinese Democracy” lhe custou em tempo (13 anos), dinheiro (14 estúdios estão listados nos créditos) e contagem de corpos - incluindo a saída de cada membro fundador da banda - ele não deixou espaço para isso nessas 14 músicas. "Eu aposto que você está pensando que estou fazendo tudo isso pela minha saúde", diz Rose entre as guitarras bombeando saturação em "I.R.S.", uma das várias referências no álbum sobre o que ele sabe que as pessoas pensam dele: esse Rose, agora com 46 anos, passou o último terço de sua vida saindo dos trilhos. Mas quando ele diz, "Tudo é possível / Ninguém consegue me deter" não se trata de mera estupidez, mas apenas um bom e velho "vai se foder" típico do rock & roll, algo que fez a fama dele e de sua banda.

Outra coisa que Axl transmite em “Chinese Democracy” é que "limitações são para idiotas". Há muita força de guitarra na frase que abre a primeira faixa, "Chinese Democracy", no fuzz-infernal-arenoso de "Rhiad And The Bedouins" e tudo muda em "Street of Dreams", uma música cheia de angústia. Mas o que Slash e Izzy Stradlin costumavam fazer com duas guitarras, agora leva uma parede delas. Em uma das faixas, Rose tem cinco caras - Robin Finck, Buckethead, Paul Tobias, Ron "Bumblefoot" Thal e Richard Foruts, fazendo riffs e solos. E não é brincadeira. Eu ainda acho que a selvagem e superestufada "Oh My God" - uma antiga música do "Chinese Democracy" usada para a trilha sonora do filme de 1999, "Fim dos Dias", supera qualquer coisa no álbum de covers de 1993, “The Spaghetti Incident?”

Muitas dessas músicas têm múltiplas personalidades, como se Rose continuasse tentando se aproximar de uma ponte e decidisse, "Mas que diabos, elas são todas boas". "Better" começa com o que soa como uma mensagem de voz hip-hop - uma guitarra severamente distorcida, bateria eletrônica e um Rose perto do falsete ("No one ever told me when/ I was alone/ They just thought I'd know better") - antes de entrar na pegada Sunset Strip. "If The World" traz Buckethead tocando um violão sobre uma base estilo de filmes, enquanto Rose mostra que ainda segura um bom volume e boa respiração - parte vítima de tortura, parte jato gritante - como nenhum outro cantor de rock.

E tem muito acontecendo em "There Was A Time" - cordas e Mellotron, um forte coro, os overdubs melódicos da voz de Rose, guitarras com wah-wah e um final falso (mais coro) - é fácil de acreditar que Rose passou a maior parte da década passada trabalhando sozinho nesse arranjo. Nunca chega a ser uma bagunça, é mais como uma mistura barulhenta de más memórias e lições difíceis. Nas primeiras linhas, Rose volta a um início como o seu - "Vidros quebrados e cigarros/ Escritas na parede/ Era a barganha no verão/ E eu achava que eu tinha tudo" - então entram pilhas de coisas com a orquestra e as guitarras. No final, há uma grande mistura de ter ou não saudade ("Se eu pudesse voltar no tempo... Mas eu não quero saber disso agora"). Se esse é o GUNS N' ROSES que Rose andava ouvindo na sua cabeça durante todo esse tempo, é óbvio o porquê das duas guitarras, baixo e bateria nunca seriam o suficiente.

Seria estranho se ele pensasse que o GUNS N' ROSES é uma banda como a que gravou "Welcome To The Jungle" e "Sweet Child O'Mine", "Used To Love Her" e "Civil War". Os volumosos créditos que vem com “Chinese Democracy” certamente mostram o motivo. Meu favorito: "Sugestões de arranjo iniciais: Youth em 'Madagascar'". Rose pega a grande fatia - "Letras e Melodias por Axl Rose" - mas compartilha linhas inteiras de música com outros músicos em todas as faixas menos uma. O baixista Tommy Stinson toca em quase todas as músicas e o tecladista Dizzy Reed, o único sobrevivente da formação dos 'Illusions', faz as honras de um piano ao estilo Elton John em "Street of Dreams".

Mas Rose ainda canta bastante sobre o poder, e entra numa briga ainda maior, como a "Democracia Chinesa". Em "Madagascar", que Rose tocou ao vivo por alguns anos, ele coloca trechos do discurso do Dr. Martin Luther King, "I Have A Dream", e diálogos do filme "Cool Hand Luke". No final do álbum, na intitulada "Prostitute", Rose passa de um tenor quase que conversando para uma bomba prestes a explodir, para uma barreira de cinco guitarras, orquestrações e um rugido: "Pergunte a si mesmo/ Por que eu escolheria/ Me prostituir/ Para viver com fortuna e vergonha". Para ele, a longa marcha até “Chinese Democracy” não foi de paranóia e controle. Foi de dizer "não vou" quando todos diziam "você deve". Você poderá debater qual outro disco de rock é tão extremo e auto-indulgente. Na verdade, a coisa mais rock & roll que existe em “Chinese Democracy” é que ele não está nem aí se você pensa nisso.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Chinese Democracy - Guns N' Roses

5000 acessosGuns N' Roses: era de se esperar que fosse no mínimo genial5000 acessosGuns N' Roses: se este disco for o melhor de Axl Rose...5000 acessosGuns N' Roses: qualidade irregular e sem identidade musical5000 acessos"Chinese Democracy": análise de faixa-a-faixa do álbum5000 acessosTradução - Chinese Democracy - Guns N' Roses

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Chester BenningtonChester Bennington
Slash comenta a morte do vocalista

1712 acessosGuns N' Roses: os 30 anos de Appetite na capa da nova Kerrang!2624 acessosWagner Nascimento: Tocar como o Slash?? Muito fácil!!0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Guns N' Roses"

Zakk WyldeZakk Wylde
"Axl Rose é o ultimo dos grandes frontmen"

Guns N RosesGuns N' Roses
Existe material inédito da formação clássica, diz ex-baixista

Guns N RosesGuns N' Roses
Pobreza, sexo, drogas e Rock n' Roll em nova biografia

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Guns N' Roses"

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1984

Duff McKaganDuff McKagan
3 litros de vodka, 3 gramas e meio de cocaína, e mais...

Legião UrbanaLegião Urbana
O dia em que Renato calou a plateia do Programa Livre

5000 acessosMusic Radar: Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos5000 acessosSlipknot: banda trolla repórter da Multishow antes de show no RIR5000 acessosSimone Simons: "Rammstein me faz querer mexer a bunda"5000 acessosIron Maiden: "Eddie precisa de um quiroprático"5000 acessosThe Voice Brasil: candidato arrebenta com Queen e vai pra final5000 acessosHistória do Rock

Sobre Gregory

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Gregory no Whiplash.Net.

Sobre Rafael Tavares

Nascido em 1987, descobri o rock and roll já cedo, aos 6 anos de idade, quando ouvi "I Don't Care About You" com o Guns N' Roses em algum momento de 1993. De lá pra cá minha paixão pela música pesada e, especialmente pelo Guns N' Roses (que estará para sempre marcado em minha pele, alma e coração) cresceu exponencialmente. Sebastian Bach me fez querer virar cantor e o resto é história. Produtor fonográfico, formado em Letras e professor. Tão diversificado quanto o Rock and Roll, essa é minha vida, esse é meu clube. =D

Mais informações sobre Rafael Tavares

Mais matérias de Rafael Tavares no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online