Testament: Banda permanece fiel ao Thrash Metal.

Resenha - Dark Roots Of Earth - Testament

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por João Paulo Linhares Gonçalves
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Quatro anos se passaram desde que o excelente "The Formation Of Damnation" foi lançado. A banda se recuperou de tempos sinistros, com mudanças muito grandes de formação - em especial no começo dos anos 2000, quando enfrentaram também um câncer do vocalista Chuck Billy. Mas, felizmente, a banda se recuperou completamente, inclusive com o retorno dos membros originais Greg Christian e Alex Skolnick. Com as turnês de reunião sendo um sucesso completo, a banda partiu pro estúdio e registrou um grande petardo, o álbum já citado anteriormente.

Testament: Alex Skolnick tocará hino dos EUA em partida da NBAPaula Fernandes: aos 19 anos ela ia em shows de Black Metal

Mais turnês, diversas participações nos tradicionais festivais europeus, e a banda, ano passado, finalmente voltou ao estúdio, para gravar mais um disco, o décimo na carreira da banda. Só que enfrentaram mais uma vez um problema de formação: Paul Bostaph não entrou em estúdio, e acabou fora da banda (Bostaph tem algum problema - ele já entrou e saiu do Slayer umas duas vezes e igualmente no Testament...). Para seu lugar, eles se reuniram com um nome do passado: o baterista Gene Hoglan, que gravou com a banda o álbum "Demonic" (Hoglan também já tocou no Dark Angel, Death e Fear Factory. Currículo de respeito!).

Este novo álbum não se trata de nenhuma repetição do álbum anterior - nem mesmo considero uma continuação. Também não revive algum disco do passado. A banda fez seu trabalho focada no presente e com muita qualidade. Escutando o disco o que percebemos é que a banda permanece fiel, de modo geral, ao thrash metal, com riffs rápidos e cortantes de Eric Peterson, e grandes solos de Alex Skolnick. A cozinha com Greg Christian e Gene Hoglan segura as pontas e acaba também se sobressaindo. Chuck Billy continua um grande vocalista, um dos melhores do gênero, e sua performance é grandiosa. Musicalmente, a banda nos trouxe um disco que conseguiu combinar o peso monstruoso, já característico da banda, com uma melodiosidade incrível, resultando em mais um álbum de destaque da banda.

O álbum abre com "Rise Up", riff arrasador no melhor estilo rascante, e já mostra que a banda não veio pra brincadeira - uma arrasa-quarteirão logo de cara, para não restarem dúvidas de que se trata de um grande disco de thrash. "Native Blood", o segundo single do disco, traz um estilo de peso forte, mas ainda assim com melodias cativantes, uma musicalidade incrível - destaque para os vocais de Chuck Billy, cada vez melhores. As melodias continuam presentes na faixa-título, uma canção moderada que vai crescendo em intensidade, até atingir o clímax no belo refrão. "True American Hate", primeiro single do disco, é outra arrasa-quarteirão de primeira, talvez a melhor do álbum, e o blog já havia falado sobre ela em post que analisou ela e novo single do Kiss, "Hell Or Hallelujah" (leia este post aqui). Curioso notar que esta e a próxima canção tem créditos nas letras do primeiríssimo vocalista da banda, quando ela ainda se chamava Legacy, Steve Souza, ex-Exodus.

"A Day In The Death" é uma composição em parceria com o baixista Greg Christian (a maioria das composições é de Eric Peterson, com contribuições de Alex Skolnick e letras de Chuck Billy), e o baixo, como era de se esperar, se destaca bem - uma canção forte, mas mediana em comparação aos demais petardos. "Cold Embrace" é a canção mais longa do disco, uma música mais lenta, com aqueles trechos mais pesados, a balada épica do disco, com um belíssimo solo de Skolnick, mais um grande destaque do álbum. "Man Kills Mankind" traz de volta os arrasa-quarteirões, com riffs rasgantes e galopantes. "Throne Of Thorns" começa com aqueles mais que manjados dedilhados e aos poucos o peso vai tomando conta e de repente um riffaço ultra-inspirado em Black Sabbath entra arrasando. Outra música longa do disco, mais de sete minutos de um metal de primeiríssima e um dos maiores destaques do disco também - fico entre esta e "True American Hate" como as melhores. Encerrando o álbum, temos "Last Stand For Independence", e o disco se encerra assim como começou: com riffs de primeira, velocidade, mais uma porrada de primeira.

As faixas bônus se dividem entre três covers e duas versões diferentes de canções do álbum. Das covers, a que mais gostei foi a do Queen, "Dragon Attack" (canção do álbum "The Game"), ficou muito boa. A cover do Scorpions, "Animal Magnetism", trouxe um ar mais sombrio e pesado ao original e também ficou bem legal. Já a versão de "Powerslave", do Iron Maiden, ficou devendo. Chuck Billy é um grande vocalista, mas tentar cantar um grande clássico na voz de Bruce Dickinson é muito difícil. Ele tentou e não se saiu mal, mas ainda sim não curti tanto esta cover. As outras duas faixas bônus são apenas versões diferentes de canções do disco, incluindo a participação do baterista Chris Adler, do Lamb Of God, em uma delas.

Em suma, temos um trabalho de primeira do Testament, mais um na carreira destes norte-americanos que, ano após ano, vem se firmando no primeiro time de grandes bandas do heavy metal. Não vou entrar no mérito de se este disco é melhor ou pior que os demais da banda - como li em outra resenha deste disco, deixemos que o tempo passe e aos poucos o transforme no clássico que parece merecer se tornar.

Relação de músicas do álbum:
1 - "Rise Up"
2 - "Native Blood"
3 - "Dark Roots Of Earth"
4 - "True American Hate"
5 - "A Day In The Death"
6 - "Cold Embrace"
7 - "Man Kills Mankind"
8 - "Throne Of Thorns"
9 - "Last Stand For Independence"
faixas bônus:
10 - "Dragon Attack" (cover do Queen)
11 - "Animal Magnetism" (cover do Scorpions)
12 - "Powerslave" (cover do Iron Maiden)
13 - "Throne Of Thorns" (versão extendida)
14 - "A Day In The Death" (com Chris Adler, do Lamb Of God)

Alguns vídeos:
"True American Hate", vídeo com as letras:

"Native Blood", vídeo clipe do primeiro single do disco:

Acompanhe esta e outras resenhas no blog Ripando a História do Rock: http://ripandohistoriarock.blogspot.com.br/


Outras resenhas de Dark Roots Of Earth - Testament

Testament: mais um belo álbum nessa incrível carreiraTestament: O Thrash Metal nunca esteve tão forteTestament: um dos melhores ou melhor disco da grandiosa carreiraTestament: considerado um dos melhores trabalhos do grupoTestament: Banda nunca decepciona!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Testament"


Testament: Alex Skolnick tocará hino dos EUA em partida da NBA

Testament: O Metal ainda está vivo e bem diz Chuck, após show no Rock in RioTestament
"O Metal ainda está vivo e bem" diz Chuck, após show no Rock in Rio

Rock in Rio: veja vídeos do show de Chuck Billy, Torture Squad e ClaustrofobiaRock in Rio
Veja vídeos do show de Chuck Billy, Torture Squad e Claustrofobia

Rock in Rio 2019: horários do dia do metal passam por pequena alteraçãoRock in Rio 2019
Horários do "dia do metal" passam por pequena alteração

Em 30/09/1994: Testament lançava Low, sexto disco de estúdio

Testament: não se acrescenta rap ao Thrash MetalTestament
Não se acrescenta rap ao Thrash Metal

Heavy Metal: As melhores de 2012 segundo o LoudwireHeavy Metal
As melhores de 2012 segundo o Loudwire

Gene Hoglan: Ser fã do Rush influenciou sua carreiraGene Hoglan
Ser fã do Rush influenciou sua carreira


Paula Fernandes: aos 19 anos ela ia em shows de Black MetalPaula Fernandes
Aos 19 anos ela ia em shows de Black Metal

Cê tá de brincadeira, né?: quando grandes nomes vacilam"Cê tá de brincadeira, né?"
Quando grandes nomes vacilam

Chris Cornell: jornalista foi a último show e percebeu algo erradoChris Cornell
Jornalista foi a último show e percebeu algo errado

Black Sabbath: Nos separamos por causa do Live EvilBlack Sabbath
"Nos separamos por causa do Live Evil"

Metallica: os fantasticos carros de James HetfieldMetallica
Os fantasticos carros de James Hetfield

LA Weekly: as 20 piores bandas de todos os temposLA Weekly
As 20 piores bandas de todos os tempos

Slash: quais tipos de música influenciaram seus filhos?Slash
Quais tipos de música influenciaram seus filhos?


Sobre João Paulo Linhares Gonçalves

Roqueiro convicto, de carteirinha, desde os treze anos de idade. Já tive diversas bandas preferidas: de Iron Maiden, Metallica e Black Sabbath a The Who, Pink Floyd e Rolling Stones. O heavy metal sempre me atraiu muito, mas o rock praticado nos anos 60 e 70 é fascinante e estou sempre escutando. De vez em quando, dou chance ao punk, rock alternativo, blues, até ao jazz e MPB, pra variar.

Mais matérias de João Paulo Linhares Gonçalves no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336