Matérias Mais Lidas

Angra: Ex-integrantes foram convidados para turnê dos 20 anos de RebirthAngra
Ex-integrantes foram convidados para turnê dos 20 anos de "Rebirth"

AC/DC: Cliff Williams explica por que faz linhas de baixo tão simplesAC/DC
Cliff Williams explica por que faz linhas de baixo tão simples

Guns N' Roses: por que Izzy Stradlin saiu da banda, segundo Gilby ClarkeGuns N' Roses
Por que Izzy Stradlin saiu da banda, segundo Gilby Clarke

Ian Paice: Ritchie Blackmore apresentou pra ele o maior guitarrista de todos os temposIan Paice
Ritchie Blackmore apresentou pra ele o maior guitarrista de todos os tempos

Vocalistas: 12 velhinhos que ainda mandam muito bem ao vivoVocalistas
12 "velhinhos" que ainda mandam muito bem ao vivo

Loudwire: O melhor álbum de thrash metal de cada ano desde 1983Loudwire
O melhor álbum de thrash metal de cada ano desde 1983

Steve Hackett: ele diz que compositor do século 19 inventou o heavy metalSteve Hackett
Ele diz que compositor do século 19 inventou o heavy metal

Johnny Depp: a banda que poderia ter desbancado o GunsJohnny Depp
A banda que poderia ter desbancado o Guns

Nervosa: Entrar para a banda foi a realização de um sonho, diz Diva SatanicaNervosa
"Entrar para a banda foi a realização de um sonho", diz Diva Satanica

uDiscover Music: Os 30 maiores cantores de rock progressivouDiscover Music
Os 30 maiores cantores de rock progressivo

AC/DC: monge budista grava cover inusitado de Thunderstruck, com direito a meditaçãoAC/DC
Monge budista grava cover inusitado de "Thunderstruck", com direito a meditação

Eloy Casagrande: baterista quebra tudo tocando The Heretic Anthem, do SlipknotEloy Casagrande
Baterista quebra tudo tocando The Heretic Anthem, do Slipknot

Doug Aldrich: explicando as diferenças entre Dio, David Coverdale e Glenn HughesDoug Aldrich
Explicando as diferenças entre Dio, David Coverdale e Glenn Hughes

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

Guns N' Roses: Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagemGuns N' Roses
Axl entendia que as coisas mudaram, mas Slash tinha virado um personagem


Matérias Recomendadas

Os mais feios: Gene Simmons, Lemmy Kilmister, Alex Van Halen...Os mais feios
Gene Simmons, Lemmy Kilmister, Alex Van Halen...

Rock e Heavy Metal: E se as capas dos álbuns fossem honestas?Rock e Heavy Metal
E se as capas dos álbuns fossem honestas?

Iron Maiden: O que a equipe consome quando vai a um pub?Iron Maiden
O que a equipe consome quando vai a um pub?

Sexo: como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?Sexo
Como se comportam os fãs de cada vertente de Metal?

Solos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NMESolos de guitarra
Lista dos 50 melhores segundo a NME

Tunecore
Dead Daisies

Gotthard: A ausência de Steve é sentida mas não prejudica

Resenha - Firebirth - Gotthard

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Igor Miranda, Fonte: Van do Halen
Enviar Correções  

8


O falecimento de Steve Lee, num acidente de motocicleta em outubro de 2010, foi um baque para os fãs do Gotthard. O mundo do Rock perdia um grande vocalista, talentoso compositor e carismático frontman. Passado o estado de luto, a grande questão era se a banda iria continuar sem um de seus criadores. O correto seria acabar com o conjunto ou prosseguir com um novo vocalista?

O guitarrista Leo Leoni, co-fundador do grupo, decidiu continuar com um novo vocalista e os integrantes que já estavam na formação: o guitarrista Freddy Scherer, o baixista Marc Lynn e o baterista Hena Habegger. Para ocupar a vaga de peso deixada por Lee, o jovem Nic Maeder foi convocado e seu batismo de fogo é "Firebirth", nono disco de estúdio. Ao fim da audição desse registro, é possível concluir que Leoni fez a decisão certa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

A imponente Starlight, já lançada como single e com um videoclipe, abre o disco com muita classe. Sua melodia cativante e sua letra incrível mostram que o Gotthard ainda está vivo o suficiente para fazer, sem exageros, uma das melhores músicas de sua carreira. Give Me Real, bem melódica, dá sequência. Nic Maeder, mostra serviço com uma interpretação incrível e de bastante identidade. Não há muita diferença entre seu timbre vocal e o do mestre Steve Lee, o que mantém cerca linearidade quando se compara com o honrável trabalho passado do grupo. Remember It’s Me, também conhecida pelo público, é uma linda balada, apesar de deixar devendo um refrão mais grandioso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Em seguida, temos a hardíssima Fight, com uma levada contagiante e um refrão grudento. Aqui, Maeder se assemelha muito ao incrível Lee. Yippie Aye Yay parece alguma demo perdida do Whitesnake, talvez por sua ligação mais tênue com o Pop Rock. Não é muito marcante, mas também não desce muito o nível. Tell Me, outra excelente balada, chega a ser emocionante por mais uma grande apresentação de Maeder, além de boa construção melódica. A canção é conduzida apenas por voz, violão, piano e violino. Shine segue o clima baladesco, mas agora com instrumentos elétricos. Grudenta, a música é ideal para cair nas rádios.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

The Story’s Over tem um clima de Rock moderno, revisitado, como o Gotthard adotava já no antecessor "Need To Believe", de 2009. Nada apelativo, ainda mantém a essência do grupo. O talkbox de Leo Leoni toma conta de Right On – hora certa, pois o álbum estava ficando com poucas passagens marcantes de guitarra até então. Trata-se de um Hardão pra ser entoado em estádios. Na sequência, S.O.S. chega cheia de identidade, com um andamento diferenciado e cativante devido à sua boa cozinha e ao grandioso refrão.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Take It All Back é um Soft/Pop Rock de qualidade, com um certeiro apelo radiofônico. Mais uma vez, é incrível como a voz de Nic Maeder se assemelha com a de Steve Lee. I Can resgata o Hard safado de outrora com uma dose de velocidade, cozinha de destaque e boas passagens de guitarra. Deveria estar no miolo do CD, não no fim. O encerramento fica por conta da inspirada e emocionante balada Where Are You?, dedicada ao grande Steve Lee. A sua letra, diga-se de passagem, é um show à parte.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Seria hipócrita de minha parte afirmar que continua a mesma coisa. Não continua. A ausência de Steve Lee, principalmente no processo de composição, é sentida. Como disse, tratava-se de um sujeito muito talentoso. Mas a intenção do Gotthard não é apagar o trabalho passado, pelo contrário: acho digníssima a ideia de continuar o legado da banda e prosseguir produzindo com um também competente frontman, de voz muito semelhante ao seu falecido antecessor. Apesar de alguns (poucos) momentos descartáveis, "Firebirth" é um disco sensacional. Vale muito a audição.

01. Starlight
02. Give Me Real
03. Remember It’s Me
04. Fight
05. Yippie Aye Yay
06. Tell Me
07. Shine
08. The Story’s Over
09. Right On
10. S.O.S.
11. Take It All Back
12. I Can
13. Where Are You? (dedicated to Steve Lee)


Outras resenhas de Firebirth - Gotthard

Gotthard: Vem para mostrar a nova faceta da banda


Stamp
Como consegui viver de Rock e Heavy Metal
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal


Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rock And Roll Hall Of Fame: 10 bandas elegíveis para 2018Rock And Roll Hall Of Fame
10 bandas elegíveis para 2018

Top 10: músicas boas escondidas em discos não tão bonsTop 10
Músicas boas "escondidas" em discos não tão bons


Em vídeo: A diferença entre ser músico e ser rockstarEm vídeo
A diferença entre ser músico e ser rockstar

Slash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vícioSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício


Sobre Igor Miranda

Jornalista formado pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), com pós-graduação em Jornalismo Digital pela Universidade Estácio de Sá. Começou a escrever sobre música em 2007 e, algum tempo depois, foi cofundador do site Van do Halen. Colabora com o Whiplash.Net desde 2010. Atualmente, é editor-chefe da Petaxxon Comunicação, que gerencia o portal Cifras, Ei Nerd e outros. Mantém um site próprio 100% dedicado à música. Nas redes: @igormirandasite no Twitter, Instagram e Facebook.

Mais matérias de Igor Miranda no Whiplash.Net.