Gotthard: Vem para mostrar a nova faceta da banda

Resenha - Firebirth - Gotthard

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Junior Frascá
Enviar Correções  

7


O décimo disco do GOTTHARD foi antecedido por uma série de eventos que marcaram profundamente a banda, sendo o principal a fatídica morte do excelente vocalista Steve Lee, em 2010, nos Estados Unidos. E a banda, que vinha em uma grande crescente ao redor do mundo, ficou em uma encruzilhada: deixar todo o trabalho para trás, e encerrar suas atividades, ou prosseguir com um novo vocalista. E para a alegria geral de seus fãs, optaram pela segunda opção, e este "Firebirth" vem para mostrar a nova faceta da banda.

E agora já com o novo vocalista, o jovem Nic Maeder, a banda mostra que pouco mudou, apesar de Nic ter uma voz mais caricata e cheia de clichês típicos do hard rock (embora algumas partes lembre bastante o finado mestre Steve). Portanto, seguem praticando um hard rock contagiante, as vezes mais pesado, as vezes mais comercial, mesclando faixas mais rápidas e várias baladas.

publicidade

Mas o problema é que os caras não se mostram tão inspirados como outrora, e a audição do disco se mostra um pouco cansativa ao longo do tempo.

Assim, o Hard Rock típico da banda está lá, mas não traz nada de novo, e não utiliza das influências do passado da melhor maneira, sendo um disco apenas bom, o que é pouco para uma banda como o GOTTHARD. Mas que fique claro: o problema não são os vocais de Nic, que se encaixou bem na banda, e fez um ótimo trabalho, inclusive ao vivo (quem conferiu a tour da banda com o UNISONIC no Brasil pode conferir toda a capacidade do vocalista), e sim a falta de criatividade nas canções apresentadas.

publicidade

Mas é lógico que o disco tem seus bons momentos, como a pesada "Give Me Real", a ótima balada "Remember It´s Me", e "Fight", com um refrão bem cativante, dentre outras, e possui uma produção excelente, mas falta aquele "algo a mais" que encontrávamos nos lançamentos anteriores da banda, e o excesso de baladas acaba deixando a audição completa do material monótona.

publicidade

Assim, mesmo não sendo um disco ruim, "Firebirth" está bem abaixo dos clássicos da banda, inclusive dos mais recentes, como "Lipservice" e "Need to Believe", o que talvez se justifique pelos diversos problemas enfrentados pelos caras nos últimos tempos (inclusive pela falta de Steve no processo de composição do material), e que deverá ser corrigido nos próximos lançamentos, pois, com certeza, os caras podem muito mais do que isso. Torçamos.

publicidade

Firebirth - Gotthard
(2012 – Nuclear Blast - Importado)

Track List:

1. Starlight
2. Give Me Real
3. Remember It s Me
4. Fight
5. Yippie Aye Yay
6. Tell Me
7. Shine
8. The Story Is Over
9. Right on
10. S.O.S.
11. Take It All Back
12. I Can
13. Where Are You


Outras resenhas de Firebirth - Gotthard

Gotthard: A ausência de Steve é sentida mas não prejudica




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Top 10: músicas boas escondidas em discos não tão bonsTop 10
Músicas boas "escondidas" em discos não tão bons

Rock And Roll Hall Of Fame: 10 bandas elegíveis para 2018Rock And Roll Hall Of Fame
10 bandas elegíveis para 2018


Eddie Van Halen: Eruption foi um acidenteEddie Van Halen
"Eruption foi um acidente"

Guitarristas e vocalistas: os 10 melhores casamentosGuitarristas e vocalistas
Os 10 melhores "casamentos"


Sobre Junior Frascá

Junior Frascá, casado, é advogado, e apaixonado por heavy metal em todas as suas vertentes (em especial thrash, stoner, doom e power metal) desde seus 15 anos. Também é fã de filmes de terror e séries americanas, faz parte da equipe da revista digital Hell Divine e do site My Guitar, e é guitarrista da banda de metal tradicional MUD LAKE.

Mais matérias de Junior Frascá no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin