Coldworker: Dinamismo sem conspurcar o Metal extremo

Resenha - Doomsayer's Call - Coldworker

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Ainda que tenha iniciado a carreira em 2006 de forma relativamente discreta, foi com o lançamento de seu segundo álbum, “Rotting Paradise” (08), que o sueco Coldworker passou a ser bastante comentado na cena do Heavy Metal extremo. Assim, muitos aguardavam ansiosamente pelo novo disco, “The Doomsayer's Call”, que inclusive está aportando no mercado brasileiro através da iniciativa da Shinigami Records.
5000 acessosRonnie James Dio: "Ozzy não canta como eu, Gillan ou Rob"5000 acessosCafé com Ócio: 15 melhores discos do Metal Nacional - 2000 a 2010

E as expectativas acerca de “The Doomsayer's Call” tinham total fundamento... Com uma execução impecável, é perceptível a preocupação dos músicos em explorar formas para destilar boas doses do sempre importante dinamismo, mas sem nunca conspurcar os valores fundamentais do Heavy Metal extremo, que são levados na mais alta conta pelo underground. Ou seja, os caras continuam agressivos até o osso.

Neste sentido, são várias as faixas que atingiram este objetivo em meio às estruturas esmagadoras do Grindcore e Death Metal. O Coldworker trabalha muito bem, seja na velocidade absurda, seja no groove, ou ambas as características em uma mesma composição, resultando em vários destaques como a abertura “A New Era”, a excelente “The Reprobate”, “Monochrome Existence” e “The Walls Of Eryx”.

Ainda assim, mesmo com a infinidade de riffs criativos dos afiadíssimos Bertilsson e Schröder, e de um Anders Jakobson (Nasum) que muda os tempos de suas batidas com uma facilidade invejável, alguns poderão considerar a audição de “The Doomsayer's Call” por vezes não muito estimulante. E esta é uma sensação compreensível, em especial pela atuação unidimensional do vocalista Joel Fornbrant e os ritmos acelerados que são predominantes ao longo dos 45 minutos de audição.

Com uma produção moderna e que define perfeitamente cada instrumento em meio a tanta pancadaria, o Coldworker não está fazendo nada de particularmente novo, mas consegue misturar suas influências de maneira muito inteligente. Ok, algumas comparações serão inevitáveis, mas os caras são bons, tanto que este disco poderá cair nas graças dos admiradores do Napalm Death, Cannibal Corpse, Malevolent Creation, Suffocation ou Nasum. Um belo terceiro álbum!

Contato:
http://www.coldworker.com/
http://www.myspace.com/coldworker

Formação:
Joel Fornbrant - voz
Anders Bertilsson - guitarra
Daniel Schröder - guitarra
Oskar Pålsson - baixo
Anders Jakobson - bateria

Coldworker - The Doomsayer's Call
(2012 / Shinigami Records – nacional)

01. A New Era
02. The Reprobate
03. The Glass Envelope
04. Flesh World
05. Murderous
06. Pessimist
07. Monochrome Existence
08. Vacuum Fields
09. Living Is Suffering
10. The Walls Of Eryx
11. Violent Society
12. Becoming The Stench
13. The Phantom Carriage

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Doomsayer's Call - Coldworker

167 acessosColdworker: Death influenciado por Entombed e Dismember466 acessosColdworker: Mais uma boa banda buscando seu espaço224 acessosColdworker: Death Metal/Grindcore brutal e arregaçador

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Cold Worker"

Ronnie James DioRonnie James Dio
"Ozzy não canta como eu, Ian Gillan ou Rob Halford!"

Café com ÓcioCafé com Ócio
Os melhores discos do Metal Nacional de 2000 a 2010

Rock BrasileiroRock Brasileiro
Uma lista das 10 maiores bandas

5000 acessosMotorhead: Lemmy e o direito de morrer como quiser5000 acessosGuns N' Roses: Slash e DJ Ashba, as semelhanças5000 acessosKurt Cobain: filha presta tocante homenagem ao pai, que faria 50 anos hoje5000 acessosGuitarristas: os 10 maiores de todos os tempos segundo a Time3303 acessosSitra Ahra: Música, Fibonacci e o Diabo1520 acessosMetal Temple: Rob Halford eleito vocalista dos sonhos

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online