Coldworker: Death influenciado por Entombed e Dismember

Resenha - Doomsayer's Call - Coldworker

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Vitor Franceschini, Fonte: Blog Arte Metal
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Relativamente nova, a banda Coldworker surgiu em 2006 e este é o seu terceiro trabalho full-length e quinto no total (a banda também gravou dois splits). Apesar da curta carreira, a banda conta em sua formação com experientes nomes tais como Joel Fornbrant (vocal, ex-Phobos), Anders Jakobson (bateria, ex-Nasum), Daniel Schröder e Anders Bertilsson (guitarras) e Oskar Palsson (baixo, Relentless).

Galeria de fotos: 13 motivos para gostar de Rock N RollCannibal Corpse: o pescoço gigante de George Fisher

Pouco conhecido por aqui, o grupo sueco mostra em seu som um Death Metal influenciado pelos ícones compatriotas Entombed e Dismember, além de unir a isso influências do Death Metal da Flórida, ou seja, uma junção perfeita! Tudo isso produzido por, nada mais nada menos, que Dan Swanö (Opeth, Evoke).

O som praticado pelo grupo foge de inovações e não trará nada de novidade ao Metal extremo (como se precisássemos disso), mas agradará e muito o verdadeiro fã do Metal da morte. O tradicionalismo fala mais alto aqui, e com a bela produção sonora e compatível com o estilo proposto o negócio flui de maneira prazerosa.

O primeiro destaque fica para a veloz e brutal The Reprobate. A faixa é aquele típico soco na cara, com tudo veloz, vocais, riffs e cozinha. Flesh World consolará os fãs de Morbid Angel que se decepcionaram com o último trabalho dos caras. O som segue a mesma linha que os mestres americanos, com riffs intricados e ferozes, além de blast beats de dar gosto, tudo com aquela quebrada manjada, mas sempre interessante.

The Wall Of Eryx mostra o lado mais técnico da banda. O som é cadenciado durante toda a composição e, apesar disso, não soa nada 'light'. São belos e trabalhados riffs aliados a uma cozinha competentíssima e um show de interpretação de Fornbrant. Unindo o útil ao agradável, ou seja, a técnica com a selvageria, Becoming The Stench fecha a lista de destaque, que é até injusta, pois são 13 composições de alto nível.

O curioso é que quando recebi este trabalho da Shinigami Records e bati o olho na capa logo imaginei se tratar de uma banda de Death Metal melódico ou Prog Metal, ou seja, apesar de interessante, a arte feita por Pär Olofsson foge um pouco dos padrões do Death Metal tradicional. Aprovado!
http://www.coldworker.com/


Outras resenhas de Doomsayer's Call - Coldworker

Coldworker: Mais uma boa banda buscando seu espaçoColdworker: Death Metal/Grindcore brutal e arregaçadorColdworker: Dinamismo sem conspurcar o Metal extremo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Cold Worker"


Galeria de fotos: 13 motivos para gostar de Rock N RollGaleria de fotos
13 motivos para gostar de Rock N Roll

Cannibal Corpse: o pescoço gigante de George FisherCannibal Corpse
O pescoço gigante de George Fisher

Rock Cristão: as principais bandas nacionaisRock Cristão
As principais bandas nacionais

Black Sabbath: um Tony Iommi que você não conheciaBandas: Por que ninguém está indo a seus shows?Gene Simmons: "Mandei o último caixão do Kiss para Dimebag!"Dave Mustaine: "a heroína consegue derrubar qualquer um"

Sobre Vitor Franceschini

Jornalista graduado tem como principal base escrever sobre Rock e Metal, sua grande paixão. Ex-editor do finado Goredeath Zine, atual comandante do blog Arte Metal, além de colaborador de diversos veículos do underground.

Mais matérias de Vitor Franceschini no Whiplash.Net.