Beast: Mais um dos que investem no Thrash Metal dos anos 80

Resenha - Of Beer and Blood - Beast

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar Correções  

8


Quando se fala na idade do Heavy Metal, poucas pessoas possuem a visão que o estilo já está na casa dos 40 anos de idade, mas este ‘tiozão’ ainda tem muita lenha para queimar, e nunca se deve desprezar a carga histórico-cultural da qual o Metal está revestido. Chega a ser quase pecaminoso alguém não olhar para trás e conhecer a longa história do estilo e suas vicissitudes, já que cada período de dez anos do Metal tem sua própria forma e características bem definidas, e isso é visto no número absurdo de bandas que buscam influências em décadas já distantes no passado, o que gera polêmicas, louvores e apupos aqui e fora do Brasil. E o BEAST é mais uma boa banda que faz referência à época, e que nos chega com seu primeiro EP, ‘Of Beer and Blood’.

Guitar World: melhores solos de guitarra de todos os temposCapas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da história

O BEAST é um quarteto vindo de Madri, Espanha, em que o guitarrista e o baixista são espanhóis, o baterista é francês, e o vocalista/guitarrista é brasileiro, é mais um dos que investe suas forças no Thrash Metal dos anos 80 mais de raiz, de por volta de 84-85, em um molde que mixa as escolas europeia (que é mais bruta) e norte-americana (mais melodiosa), ou seja, temos uma sonoridade Thrasher bem feita e com certa melodia, mas a agressividade sonora característica do Thrash da época é absurdamente abusiva.

A produção visual é bem simples e despojada, marca das bandas de início (ou alguém acredita que todas as capas da época eram bem caprichadas?), e no que tange a sonora, bem, a sonorização deixou um pouco a desejar, pois apesar de simples, está um pouco oca no que tange a bateria.

A seis faixas do EP são bem equilibradas entre si. Em ‘Beer and Blood’, a faixa de abertura, vemos aquela velocidade moderada dos 80’s, com um ótimo trabalho das duas guitarras e vocais bem ‘schmierianos’, e ‘Beware’ segue a mesma linha, e novamente as guitarras se destacam. Já em ‘Atomic Nightmare’, faixa mais longa e trabalhada do EP, temos um belo dedilhado de guitarras na abertura, para depois vir uma faixa de andamento mais lento que as anteriores, bem trabalhada e com ótimos backing vocals. ‘Thrill Killer’ já traz um andamento bem empolgante e a cozinha faz um trabalho muito legal, compactando bem a música. E em ‘Dawn of Pripyat part 1’ e ‘Dawn of Pripyat part 2’, temos duas instrumentais bem interessantes e curtas, o que evita aquele cansaço no ouvinte, sendo a primeira só em violões, e a segunda é mais voltada ao peso, com um autêntico show de baixo e bateria.

A banda é muito boa e promissora, mas é necessário um pouco de ensaio, porque há momentos em que a zaga e o meio de campo, ou seja, a base rítmica baixo/bateria e guitarras acabam se desencontrando, mas nada que altere o valor do produto final, e recomendo a todo banger viciado em Metal agressivo.

Tracklist:

01. Of Beer and Blood
02. Beware
03. Atomic Nightmare
04. Thrill Killer
05. Dawn of Pripyat part 1
06. Dawn of Pripyat part 2

Formação:
Matheus Gomes – Vocal e guitarras
Iván Rodas – Guitarras
Dani Pacheco – Baixo
Jean Tricoire – Bateria

Contatos:

http://www.myspace.com/beasthrash
http://www.facebook.com/Beast.thrash
http://www.reverbnation.com/beasthrash
[email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Guitar World: melhores solos de guitarra de todos os temposGuitar World
Melhores solos de guitarra de todos os tempos

Capas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da históriaCapas de álbuns
As mais obscuras e marcantes da história


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin