Theocracy: Aquém de seu álbum anterior

Resenha - As The World Bleeds - Theocracy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Felipe Kahan Bonato
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 7

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


O THEOCRACY libera, no final de 2011, seu terceiro álbum de inéditas intitulado “As The World Bleeds”. Apesar de trazer, na essência, o mesmo Power metal cristão de “Mirror of Souls”, seu predecessor, os americanos o fazem de forma menos inspirada.
5000 acessosGibson: as dez melhores composições épicas do rock5000 acessosBlack Sabbath: Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"

Li uma resenha radical dizendo que as letras e a harmonia soavam como EDGUY, pela temática excessivamente bem humorada (ou talvez por usar a expressão Jekyll and Hyde do livro de ficção?). Por mais polêmico que possa soar, isso poderia até trazer um diferencial à banda, se bem executado, com parcimônia. No entanto, ao ouvir “As The World Bleeds”, percebe-se o mesmo foco da maioria das bandas cristãs em suas letras, geralmente extensas, com os refrãos distantes, buscando transmitir uma mensagem. Como mudança, apenas a transposição da figura divina para a primeira pessoa, como na ótima “I Am”, a faixa longa do disco, fazendo com que se desvie do louvor e com que se aproxime mais do power metal tradicional, por assim dizer. Além disso, a banda também não alcançou a maestria que lograram em “Absolution Day”, por exemplo. Porém, criticar enfaticamente o trabalho feito em “As The World Bleeds” seria injusto.

A segunda faixa, “The Master of Storyteller”, parece trazer um pouco do andamento de cantatas cristãs ao power metal, mostrando o quão boa é essa fusão. Nesse aspecto, “The Gift of Music” é outra boa representante, sendo uma bela música, que inclusive transpassa a religiosidade, sendo um hino como “God Gave Rock n’ Roll To You II” do KISS. Algumas passagens de “Drown” e “Altar To The Unknown God” também parecem explorar esses traços de metal sinfônico, levando o Theocracy a solos ainda não tão explorados. Talvez, esse seja o grande mérito do álbum: trazer novos elementos que poderão seguir em composições mais inspiradas nos próximos álbuns. As faixas tipicamente power metal também estão presentes, como “30 Pieces of SIlver”, que mostra o bom trabalho de guitarras que, apesar do resultado do álbum, continuam se sobressaindo.

Resumindo, não é um álbum ruim. Pelo contrário, mantém o THEOCRACY entre os bons nomes do power metal cristão. Não é uma questão de terem feito algo errado. O que fizeram não esteve suficientemente à altura, faltou brio às composições e só. E é isso o que resta para alçar a banda a um grande nome do power metal em geral: um álbum ainda mais sólido e mais matador que o “Mirror of Souls”. Apesar dessa pequena queda (e estamos falando do terceiro disco da banda), inevitável pelo ótimo registro anterior, os norte americanos ainda estão no caminho certo e (seja você religioso ou não), mais do que isso, cumprem com seu objetivo de levar seu ministério adiante com um power metal muito bom, por sinal.

Integrantes:
Matt Smith – vocais
Val Allen Wood – guitarra e backings
Jonathan Hinds – guitarra e backings
Shawn Benson – bateria
Jared Oldham – baixo e backings

Faixas:
01. I AM
02. The Master Storyteller
03. Nailed
04. Hide in the Fairytale
05. The Gift of Music
06. 30 Pieces of Silver
07. Drown
08. Altar to the Unknown God
09. Light of the World
10. As the World Bleeds

Gravadora: Ulterium Records

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de As The World Bleeds - Theocracy

1810 acessosTheocracy: Power Metal Melódico com temática religiosa

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Theocracy"

Power MetalPower Metal
Conheça dez álbuns essenciais do estilo segundo About.com

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Theocracy"

GibsonGibson
As dez melhores composições épicas do rock

Black SabbathBlack Sabbath
Tony Iommi explica o segredo para tocar "Paranoid"

R.E.M.R.E.M.
Banda é dona da faixa que mais faz homem chorar

5000 acessosNuno Bettencourt: Rihanna canta muito, mas ele não quer mais tocar com ela5000 acessosSteve Vai: as 10 melhores faixas de guitarra na opinião dele5000 acessosHard Rock: as 25 melhores músicas acústicas do gênero5000 acessosMegadeth: Kiko Loureiro explica como as coisas funcionam na banda5000 acessosMad Max: inspiração em Sepultura, semelhança com Devin Townshend5000 acessosBlack Sabbath: Bill Ward não se conforma com o bumbo de Iron Man

Sobre Felipe Kahan Bonato

Felipe Kahan Bonato: Nascido em 88, há mais de 10 anos - por enquanto - escuta praticamente qualquer subgênero de rock e metal, explorando principalmente bandas mais desconhecidas. Teve contato tardio com a guitarra, seu instrumento preferido, optando então em seguir a carreira de Engenheiro de Produção e em contribuir esporadicamente com resenhas no Whiplash.

Mais matérias de Felipe Kahan Bonato no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online