Hammurabi: Thrash Metal bruto com certo quê de Death

Resenha - Extinction Root - Hammurabi

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar Correções  

10


O Thrash Metal é uma das vertentes do Metal que vive para causar, além do impacto sonoro, certa estupefação nos detratores e fãs do estilo, já que as surpresas que surge dentro de suas amplas fronteiras são algo quase que inimaginável. Sejam bandas adeptas das tendências mais modernas, ou das mais conservadoras, muitas vezes, damos de cara com produções dignas de nota não apenas pela musicalidade de bom gosto, mas o conjunto da obra, que chega a padrões absurdos de qualidade.

Chris Cornell: jornalista foi a último show e percebeu algo errado

Ave, Satan!: As dez melhores músicas sobre o Inferno

E o quarteto mineiro HAMMURABI é mais uma das mais belas surpresas que se pode ouvir nos últimos tempos, já que seu esforço e garra nessa batalha culmina neste excelente CD, o álbum ‘The Extinction Root’, que saiu no Brasil no final de 2010 pela Cogumelo Records, mas que tem sua versão ‘overseas’ lançada pela Relapse Records, já que a banda opta por fazer um Thrash Metal bruto com certo ‘q’ de Death, que remete ao que vimos na virada dos 80 para os 90 em BH, pois é bem feito e com várias nuances bem incomuns ao estilo, mas que encaixam harmoniosamente na música da banda.

Ao olhar a arte do CD, é impossível não ficar surpreso pelo alto nível da produção, bem cuidada ao extremo e com bom gosto, e quando se coloca o disquinho para rolar, a sensação que vem a mente é ‘encontrei uma jóia rara’, e não, este que vos escreve não está exagerando, mas sendo extremamente realista, pois a produção sonora é coisa de primeiro mundo, ou como nós, cariocas, dizemos, é algo totalmente ‘another level’, e ao mesmo tempo, ela ressalta a musicalidade brutal do quarteto.

Os vocais oscilam entre um gutural bem feito com urros mais agudos, e nos momentos mais amenos, nos traz uma certa similaridade à um Peter Tagtgren mais agressivo e rasgado, com ótima dicção; as guitarras abusam em fazer bases agressivas e bem feitas, bem como solos numa escola bem Hanneman/Blomqvist, ou seja, são aqueles tradicionais do estilo, mas com noções melódicas, sem aquele recurso batido de ‘guitarra-sendo-quebrada-em-mil-pedaços’ eu muitos usam para esconder falta de criatividade; e a cozinha é peso-pesada, variando bastante entre momentos rápidos ou mais cadenciados.

Não é algo fácil destacar esta ou aquela faixa, uma vez que o CD todo é nivelado por cima. Após ‘Obliteration of Makind’, uma introdução instrumental, vem ‘The Extiction Root’, bem brutal e variada, que tem um momento ameno com belas guitarras. ‘Blessed by Hate’, de estava em seu Websingle de mesmo nome do ano passado, que é intensa, bem trabalhada e com riffs e solos empolgantes à lá SLAYER fase ‘Haunting the Chapel’/‘Hell Awaits’. ‘Despair and Anguish’ é bem chapante, e tem um trabalho de bateria absurdo; com forte emoção e melodias bem feitas em seu início, entra ‘Highway of Death’, para depois de virar um autêntico massacre ‘uptempo’, cadenciada, para deixar o pescoço doído, bem como ‘Oil, Smoke and Blood’, esta um pouco mais na linha antiga do ANTHRAX. Já ‘Madness is to Live in this World’ faz o coração bater com força, isso é, se ele não sair pela boca, pois tamanha brutalidade empolga. ‘A Land Forgotten in Hell’, a faixa mais longa do CD, nasceu para ser clássico, pois é uma faixa bem feita demais, e sob a cadência e agressividade, estão harmonias bem pensadas, e os vocais variam muito, sem deixarem de ser agressivos.

Em ‘Global Disease’, a velocidade moderada é a tônica, com duos de guitarra que logo chama a atenção, e muito, muito, mas muito peso. Fechando, em outra exibição de gala das guitarras e base rítmica, temos ‘...And the Soul of the Planet is Gone’, com grandes vocalizações.

Para quem conhece o HAMMURABI e esperava o CD, é óbvio que não vai se decepcionar, e quem conhecer a partir de agora, terá uma das melhores surpresas do ano, com toda certeza.
Extremante recomendado!

Formação:
Daniel Lucas – Vocais e baixo
Wagner Oliveira - Guitarras
Danilo Henrique – Guitarras e Backing Vocals
Críslei Rodrigo – Bateria

Tracklist:

01. Obliteration of Mankind (instrumental)
02. The Extinction Root
03. Blessed by Hate
04. Despair and Anguish
05. Highway of Death
06. Oil, Smoke and Blood
07. Madness is to Live in This World
08. A Land Forgotten
09. Global Diseade
10. ...And the Soul of the Planet in Gone

Contatos:

http://www.hammurabi.com.br
http://www.myspace.com/hammurabibrasil


Outras resenhas de Extinction Root - Hammurabi

Resenha - Extinction Root - Hammurabi

Resenha - Extinction Root - Hammurabi




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Chris Cornell: jornalista foi a último show e percebeu algo erradoChris Cornell
Jornalista foi a último show e percebeu algo errado

Ave, Satan!: As dez melhores músicas sobre o InfernoAve, Satan!
As dez melhores músicas sobre o Inferno


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin adWhipDin