Silêncio do Caos: Sangrando vitalidade e energia em EP

Resenha - Thrown Into the Silence - Silêncio do Caos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos Garcia
Enviar Correções  

8


O Metalcore é uma vertente que vive entre dois fogos todos os dias: o de uma inquisição por parte de um público um pouco mais conservador, e outra o de idólatras do estilo. Seja como for, o estilo veio e está consolidando sua posição a cada dia, amem ou odeiem, pois seja no exterior ou aqui, surgem cada vez mais e mais bandas adeptas do estilo, umas muito boas e inovadoras, outras nem tanto. E no primeiro grupo, pode ser colocado o SILÊNCIO DO CAOS, mais uma boa banda das terras do RJ, mais precisamente da cidade serrana de Teresópolis, tão afetada pelas chuvas em janeiro último.

Chris Cornell: jornalista foi a último show e percebeu algo errado

Ave, Satan!: As dez melhores músicas sobre o Inferno

Não satisfeitos com os limites sonoros do estilo, eles vão buscar no Thrash e no Death Metal elementos que usam em sua música, que é um pouco menos trampada que a maioria dos grandes nomes do estilo, mas em compensação, sangra vitalidade e energia em seu som agressivo, e este EP, chamado "Thrown Into the Silence", é um ótimo início de uma carreira que tende a ir bem longe.

A arte é simples, mas eficiente no que toca a proposta da banda, e a sonora é muito boa (feita pela própria banda). E quando o som começa a sair pelos falantes, sai da frente, pois apesar das melodias bem encaixadas, a música do quinteto é uma autêntica saraivada vigorosa e agressiva de riffs agressivos e ganchudos, berros rasgados, e bases rítmicas bem trabalhadas e extremas.

Começando o EP, temos ‘Comes Fire Now’, onde as bases de guitarras são bem chapadas e rascantes, embora usem e abusem de riffs bem estruturados melodicamente falando, e com um vocal para lá de esganiçado e agressivo; ‘Tumor’ segue o mesmo estilo, embora desta vez fique mais evidente a força da cozinha baixo/bateria da banda, que é bem variada; Em ‘Blood Awakening’, um pouco menos veloz que as anteriores, as variações são algo extremamente notável, que levam o ouvinte a ficar empolgado e começar a balançar a cabeça, em especial pelo ótimo refrão; Cadenciada como a anterior, começa ‘Nocturnal Hunter’, onde as mudanças de andamento entre os refrões são muito boas, com um trabalho muito bom por parte das guitarras, especialmente no solo; e para fechar, ‘Silêncio do Caos’, uma faixa bem sacada, vigorosa, onde a letra está em português, que nos shows causará muito bangin’ por parte da audiência e cujo solo está em uma escola extremamente ‘Hannemaniana’.

Um início muito bom, e esperamos que a banda venha em breve com um álbum, para o deleite dos fãs não só de Metalcore, mas de Metal em geral.

João Valentim – Vocal
Dino Gomes – Guitarras
Willian Passos – Guitarras
Diego Camilo – Baixo e vocal
Gabriel Souza – Bateria

Tracklist:

01. Come Fire Now
02. Tumor
03. Bloody Awakening
04. Nocturnal Hunter
05. Silêncio do Caos

Contatos:
http://www.myspace.com/silenciodocaos
http://www.fotolog.com/silenciodocaos
[email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Chris Cornell: jornalista foi a último show e percebeu algo erradoChris Cornell
Jornalista foi a último show e percebeu algo errado

Ave, Satan!: As dez melhores músicas sobre o InfernoAve, Satan!
As dez melhores músicas sobre o Inferno


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin