Destrage: De saco cheio com a mesmice do mainstream

Resenha - King Is Fat'N'Old - Destrage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 8

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


A Coroner Records está atuando há pouco tempo no mercado, mas já se tornou um nome relevante em se tratando de Heavy Metal modernoso. Ok, há várias bandas similares em seu cast, mas certamente o Destrage está entre as mais criativas... De origem italiana e na ativa desde 2005, foi com o bom "Urban Being" (09) que o grupo chegou ao público, mas é com o sucessor "The King Is Fat'N'Old" que sua proposta está mais estabilizada e, como tal, funcionando melhor.
5000 acessosOficina G3: Juninho Afram critica líderes evangélicos por ódio5000 acessosSlash: Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

O próprio título "The King Is Fat'N'Old" já mostra como o Destrage está de saco cheio com a mesmice que ronda a cena musical mainstream... Os caras certamente tocam Heavy Metal dos mais virulentos, mas de um jeito todo especial. Excesso de melodias e outros tantos arranjos que beiram o lado extremo do estilo, tudo amparado por vocalizações impiedosamente urradas, gritadas ou singelas lhe parece coisa do tal Metalcore? Heh, vai sonhando...!

O que diferencia o Destrage de grande parte do rebanho é a forma como as estruturas das canções são quebradas, quase ao limite. É claro que a estabilidade de sua formação ajuda em muito para que as ideias (malucas) fluam de forma mais natural, tanto que em "The King Is Fat'N'Old" os italianos estão um pouco mais contidos em suas experimentações, chegando a um equilíbrio coerente e que possibilita uma melhor degustação de sua proposta. Um bom exemplo fica por conta de "Jade's Place", muito agressiva e, quem diria, com passagens dançantes. Eu sei, parece cruel, mas... Tá, é cruel, mas tudo é alucinante e funciona muito bem.

Progressivão e ousado, são necessárias muitas audições para melhor sacar tantos detalhes – em especial o oferecido pelas guitarras – aparentemente aleatórios e muitas vezes tão sutis. O Destrage é mais um dos nomes que tem como objetivo não se dobrar ao convencional, e o faz sem soar forçado. E é essa a atitude que vai empurrando a Arte, seja lá qual seu segmento, a novos níveis. Esqueça os rótulos, mas fica a recomendação de não se esquecer de conferir esta cacofonia italiana! Aposto que metade dos leitores ficará perplexa...

Contato:
http://www.destrage.com
http://www.myspace.com/destrage

Formação:
Paolo Colavolpe - voz
Matteo Di Gioia - guitarra
Ralph Salati - guitarra
Gabriel Pignata - baixo
Federico Paulovich - bateria

Destrage - The King Is Fat'N'Old
(2010 / Coroner Records - importado)

01. Double Yeah
02. Twice The Price
03. Jade's Place
04. Neverending Mary
05. Back Door Epoque
06. Smell You Later Fishy Bitch
07. Collateral Pleasure
08. Home Made Chili Delicious Italian Beef
09. Tip Of The Day
10. Panda Vs Koala
11. Wayout

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Urban Being - Destrage"

Oficina G3Oficina G3
Juninho Afram critica líderes evangélicos por ódio

SlashSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

Marty FriedmanMarty Friedman
"Não percam seu tempo com música instrumental"

5000 acessosMustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?5000 acessosBateristas: os trinta mais ricos do mundo5000 acessosAC/DC: os últimos dias do vocalista Bon Scott5000 acessosAerosmith: Tyler acha que Kiss é banda de história em quadrinhos4873 acessosJustin Bieber: popstar cultua Marilyn Manson e não teme Satã5000 acessosAngra: Bittencourt lamenta que Andre Matos tenha recusado convite

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online