Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagem"Éramos nós contra o mundo" relembra Bill Ward, sobre o início do Black Sabbath

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"

imagemAC/DC: Angus Young conta como é para ele o antes, o durante e o depois de um show

imagemDave Mustaine cutuca Kiss e bandas "preguiçosas" que usam playbacks

imagemMax Cavalera diz quais foram os dois discos mais difíceis que já gravou

imagemIggor Cavalera diz que reunião da formação clássica do Sepultura seria incrível, mas...

imagemRush: Geddy Lee comenta as dificuldades da gravação de "Hemispheres"

imagemA categórica opinião de Dave Mustaine sobre religião "abusiva e falsa" de sua mãe


Stamp

DarkTower: banda original da cena extrema nacional

Resenha - Lord ov the VastLands - DarkTower

Por Marcos Garcia
Em 29/09/10

O Metal Brasileiro é rico de Norte a Sul, e isso é fato histórico confirmado, já que nosso país é capaz de gerar bandas tão boas, e muitas vezes, melhores que as do exterior, tamanha a capacidade de inovação que o brasileiro tem, melhorada ainda mais com as facilidades tecnológicas dos dias de hoje, com a internet permitindo maior alcance de público, com os computadores e softwares usados em estúdio para gravar. E aí entra o fator brasileiro: o músico é quem faz a música e a executa, e nisso, o Brasil está bem servido. E uma das bandas mais originais da cena extrema nacional é justamente esta: DARKTOWER.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Mesmo sendo rotulada por muitos como Black Metal, a banda é rica musicalmente, lançando mão de vários elementos de outras subdivisões, até mesmo de algumas coisinhas de fora do Metal, o que torna seu trabalho único, e extremamente de bom gosto, e é o que podemos conferir ao pôr seu single "Lord of the Vast Lands" para ouvir.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Apresentação visual extremamente esmerada e bela, permitindo ao ouvinte captar a essência do que está ouvindo, fora a produção musical estar bem acima da média, permitindo a audição perfeita de cada instrumento sem embolar, mas pesada e agressiva. O detalhe interessante é que a própria banda fez toda a produção, tanto a sonora (a mixagem e a masterização foram feitas pelo guitarrista Niccollo e pelo baixista Hanged) quanto a visual (concebida e dirigida pelo baterista Argos).

Abrindo o single, temos a faixa-título, "Lord of the Vast Lands", onde o vocal de Galf vai do rasgado ao gutural com extrema naturalidade, usando também sua voz normal em vários momentos, e o andamento não tão rápido mostra a pegada pesada, conjunta e variada da cozinha de Argos e Hanged, e Niccollo mostra riffs bem agressivos e variados, mas em vários momentos apela para levadas Thrash. Sem querer fazer comparações, está numa linha à lá KEEP OF KALESSIN. "The Mightiest Being" vem em seguida, mostrando mais e mais variações, ora melodiosa, ora agressiva, ora rápida, ora mais cadenciada, e prende o ouvinte, que não consegue deixar de ouvir a música do início ao fim. Encerrando o single, temos uma música mais longa, "Creatures of Moonlight", com seus quase 8 minutos, que inicia bem cadenciada, mas logo vira uma música rápida e com excelentes harmonias na guitarra, indo do Thrash, Death e Black a momentos de Metal Tradicional e Música Clássica, fora Argos mostrar extrema técnica nas baquetas e bumbos, Hanged mostrar que não é só um baixista ‘feijão com arroz’, e Galf mostrar que não é uma promessa, mas um dos melhores vocalistas do Metal Extremo brasileiro, sem sombra de dúvidas. Pode-se dizer que é uma canção tão cheia de variações de andamento e nuances que o melhor é ouvir com calma.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Um ótimo aperitivo para o CD que deve estar chegando entre o final deste ano e o início de 2011.

See the Rise, guys!!!!

Tracklist:
01. Lord ov the VastLands
02. The Mightiest Being
03. Creatures of the Moonlight

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia.