Nocturnal Breed: velocidade, sujeira e rebelião

Resenha - Fields Of Rot - Nocturnal Breed

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


O Nocturnal Breed está de volta! Com uma trajetória que começou na Noruega em 1996 e tendo passado pelas suas fileiras músicos do Dimmu Borgir, Covenant e outras feras já conhecidas pelo público underground, a banda simplesmente sumiu em 2000. O retorno se deu no ano passado ao liberar seu quarto álbum de estúdio, "Fields Of Rot", que está chegando agora ao mercado brasileiro numa grande iniciativa da Kill Again Records.

Andreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída

Grande iniciativa, pois este pode ser considerado como um dos mais potentes trabalhos de Thrash Metal do ano de seu lançamento. Groove ou modernices? Pode esquecer... Curtas e direto ao ponto, suas 10 canções possuem tal velocidade, sujeira e rebelião que, mesmo com toda uma grossa veia Thrash, curiosamente o Nocturnal Breed também consegue imprimir um sentimento de rock'n'roll - dos quintos dos infernos, naturalmente - que tantas outras bandas do estilo não possuem.

Muitos considerarão grande vantagem "Fields Of Rot" não se parecer em nada com as chamadas bandas de Retro-Thrash que têm aparecido com freqüência por aí. Suas origens estão lá no passado, mas tudo possui uma fúria que é digna dos dias atuais. Falar em fúria e não mencionar a interpretação do vocalista S.A. Destroyer (ok, não há muita criatividade em seus pseudônimos...) seria um erro. O cara dá um show de loucura à parte, berrando e urrando de forma assustadoramente contagiante.

As melhores canções? Bom, leia o 'tracklist' no final do texto. Elas estão todas lá! Mas "Iron Bitch" se distingue pela clara homenagem ao Motorhead, que faria até o velho casca-grossa do Lemmy se engasgar de emoção. Apenas para finalizar, o Nocturnal Breed é bem conhecido por soltar algumas strippers (oba!) em cima dos palcos enquanto toca. Bom, se elas tirarem suas roupas tão rápido quanto é a música da banda...

Formação:
S.A. Destroyer - voz e baixo
B. Hellion - guitarra
A.E. Rattlehead - guitarra
Tex Terror - bateria

Nocturnal Breed - Fields Of Rot
(2007 / Agonia Records - 2008 / Kill Again Records - nacional)

01. Wicked, Vicious & Violent
02. Fields Of Rot
03. Too Damned To Conquer
04. Manskinner
05. In Sickness And In Hell
06. Invasion Of The Body-Thrashers
07. Iron Bitch
08. Code Of Conduct
09. The Dead
10. Scything Harrow

Homepage: www.nocturnalbreed.no




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Nocturnal Breed"


Andreas Kisser: Eloy Casagrande talvez não seja humanoAndreas Kisser
"Eloy Casagrande talvez não seja humano"

Slipknot: Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saídaSlipknot
Joey Jordison revela o verdadeiro motivo de sua saída


Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336