Derek & the Dominos: documento de momento histórico

Resenha - Layla Sessions: 20th Anniversary Edition - Derek & the Dominos

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 10


"Layla & Other Assorted Love Songs" é, ao mesmo tempo, um álbum fundamental e uma declaração de amor sem igual. Completamente apaixonado por Pattie Boyd, esposa de seu chapa de longa data George Harrison, Eric Clapton tentou, por muito tempo e em vão, lutar contra o que sentia, mas não conseguiu. Ele precisava se expressar, colocar para fora o que o seu coração dizia, e o resultado está neste disco.

Guitarristas: você consegue identificar todos nesta imagem?CD vs Vinil: não diga que o som do vinil é melhor - porque não é

A começar pela capa, que mostra um buquê de flores, e tendo como alicerce principal a canção que batiza o álbum, "Layla & Other Assorted Love Songs" é um trabalho extremamente emocional, doloroso em muitos momentos, mas que, talvez justamente por causa disso, acabou se transformando em um dos melhores momentos da carreira de Eric Clapton.

Acompanhado por aquela que pode ser classificada como a melhor banda que já esteve ao seu lado (Bobby Whitlock no teclado e vocal, Carl Radle no baixo e Jim Gordon na bateria), Clapton ainda contou nesse disco com a participação especialíssima de Duane Allman. Isso fez com que, mesmo inconscientemente, as performances tanto de Clapton quanto de Allman estejam entre as melhores da carreira de ambos, em uma competição sadia que gerou alguns dos solos mais marcantes da dupla.

O repertório original mantém a sua força mesmo após quase quarenta anos do seu lançamento. Basta ouvir canções como "Layla", a linda "Bell Bottom Blues", "Keep on Growing", "Tell the Truth", os solos faiscantes de "Why Does Love Got to Be So Sad" ou a versão para "Little Wing" de Hendrix para que isso fique evidente.

Não bastasse toda essa qualidade, "Layla & Other Assorted Love Songs" ganhou uma versão absolutamente obrigatória, lançada em comemoração aos vinte anos do lançamento original do disco. Se você encontrá-la, não pense duas vezes: compre, porque o que você irá ouvir vai além de qualquer análise a respeito.

Dividida em três discos, o primeiro traz o álbum original, enquanto o segundo é focado em outtakes e o terceiro em jams. No disco dois os destaques são duas versões alternativas para "Have You Ever Loved a Woman", variando entre uma mais acelerada e outra mais lenta, deixando clara as experimentações que o grupo fez até chegar à versão final. Outros momentos altos estão nas três versões para o blues acústico "Mean Old World", onde Clapton e Duane estraçalham nos violões, e nas duas longas jams sobre o tema de "Tell The Truth".

Mas o filé desta edição comemorativa é o disco três. Nele estão cinco jams da banda, variando entre vinte e doze minutos de duração. Nelas percebe-se o quanto a química entre o grupo, e principalmente entre Eric Clapton e Duane Allman, beirava o transcendental. Os dois passeiam por temas inspirados, levando um ao outro a limites cada vez mais altos, em uma cumplicidade absurda. Ouvir os caminhos traçados por Clapton e Duane nestas jams é um alimento para o espírito de qualquer fã de música. A impressão que dá é que, se deixassem, os dois passariam dias e dias tocando e improvisando juntos, tamanha é a energia que emana destas faixas.

Se "Layla & Other Assorted Love Songs" já era um álbum obrigatório, essa versão alusiva aos vinte anos do disco é mais que isso. Um documento de um momento histórico, mostrando na intimidade toda a força do encontro entre dois dos maiores guitarristas do século XX.

Tem que ter: nunca essa frase soou tão adequada para um álbum quanto para "The Layla Sessions: 20th Anniversary Edition".

CD1
1. I Looked Away
2. Bell Bottom Blues
3. Keep on Growing
4. Nobody Knows You When You're Down and Out
5. I Am Yours
6. Anyday
7. Key to the Highway
8. Tell the Truth
9. Why Does Love Got to Be So Sad
10. Have You Ever Loved a Woman
11. Little Wing
12. It's Too Late
13. Layla
14. Thorn Tree in the Garden

CD2
1. Have You Ever Loved a Woman (alternate master 1)
2. Have You Ever Loved a Woman (alternate master 2)
3. Tell the Truth (jam 1)
4. Tell the Truth (jam 2)
5. Mean Old World (reharsal)
6. Mean Old World (band version)
7. Mean Old World (duet version)
8. (When Things Go Wrong) It Hurts Me Too (jam)
9. Tender Love (incomplete master)
10. It's Too Late (alternate master)

CD3
1. Jam I
2. Jam II
3. Jam III
4. Jam IV
5. Jam V




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Derek And The Dominos"


Guitarristas: você consegue identificar todos nesta imagem?Guitarristas
Você consegue identificar todos nesta imagem?

CD vs Vinil: não diga que o som do vinil é melhor - porque não éCD vs Vinil
Não diga que o som do vinil é melhor - porque não é

Olavo de Carvalho: Segundo ele, o Heavy Metal emburreceOlavo de Carvalho
Segundo ele, o Heavy Metal emburrece

Courtney Love: Essa música é sobre minha vagina, sabia?Courtney Love
"Essa música é sobre minha vagina, sabia?"

Rock Stars: como se pareceriam alguns se não tivessem morridoRock Stars
Como se pareceriam alguns se não tivessem morrido

Slayer: filha de Tom Araya defende o pai da acusação de homofobiaSlayer
Filha de Tom Araya defende o pai da acusação de homofobia

Megadeth: Steve Harris abriu meus olhos, diz David EllefsonMegadeth
"Steve Harris abriu meus olhos", diz David Ellefson


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336