At Vance: mantendo o nível do grupo em alta

Resenha - VII - At Vance

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Dehò
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Depois de fazer nome contando com vocalistas como Oliver Hartmann, que esteve na fundação em 1998, e Mats Levén, com passagem pelo Malmsteen, o At Vance segue firme com seu Power Metal e chega ao seu sétimo álbum de estúdio com o "criativo" título: "VII". Tudo bem, nem o nome do disco nem o som que os suecos fazem são um oceano de criatividade, mas não se pode desmerecer o trabalho que o guitarrista Olaf Lenk conseguiu ao lado do novo vocalista Rick Altzi (também do Frequency, Sandalinas e Thunderstone, ex- Treasure Land), mantendo o nível do grupo em alta.

Roadrunner: os álbuns mais desprezados de todos os temposVH1: os 100 melhores álbuns de rock segundo a emissora

O curioso do novo disco é a grande influência de uma banda que pouco tempo tem de estrada - apesar dos experientes integrantes -, os compatriotas alemães do Masterplan. A característica fica forte principalmente pelas linhas de voz de Altzi, que rapidamente remetem a nomes como Jorn Lande e David Coverdale. Apesar de preencher uma lacuna difícil, Altzi se sai bem na posição que estava com o renomado Levén.

Além do Power/Melódico, outra faceta forte trazida por Lenk é a da música clássica, como acontece, por exemplo, com Malmsteen. O guitarrista provou mais um pouco do seu lado egocêntrico (que teria motivado a saída de Hartmann após quatro discos). Desta vez, ele assina todos os intrumentos: baixo, bateria e teclados, além de fazer backing vocals e de ter produzido o play. E o resultado de todo este trabalho, tendo como companheiro apenas Altzi, foi muito bom.

O álbum começa com a cara típica do At Vance em "Breaking the Night". Bateria acelerada, riffs matadores e virtuosos, além de linhas muito boas de voz. Altzi tem um timbre matador, que consegue misturar as partes mais belas com outras bem rasgadas, como acontece nesta faixa. A exemplo desta, aparecem mais adiante a curtinha e agressiva "Truth", "Golden Leaves", com a velocidade elevada, e a intensa "Cold As Ice", mostrando o talento de Lenk nas seis cordas.

Há também momentos que vão mais para o Hard Rock, como em "Friendly Fire", com uma letra interessantes sobre guerras, ou "Answer Me", cheia de emoção. Aliás, a última faixa "Lost In Your Love" é daquelas em que o romantismo chega àquele ponto que é quase embaraçoso - isso não significa que a música não seja bonita!

No fim das contas, "VII" é mais um bom disco do At Vance. Não há invenções ou riscos tomados, mas para quem curte aquele tradicional Power Metal, terá suas necessidades supridas, já que Lenk e Altzi esbanjam talento - hoje a banda está completa com o baixista Manuel Walther (ex-Purple Haze) e o baterista Alex Landenburg (Annihilator). Mas, para quem procura algo novo no estilo, o melhor é seguir procurando.

Formação no CD:
Rick Altzi - vocal
Olaf Lenk - guitarra, baixo, teclado, bateria e produção

Track List:
1. Breaking The Night
2. Shiver
3. Cold As Ice
4. Victory
5. Friendly Fire
6. Golden Leaves
7. Answer Me
8. Shine
9. Truth
10. Lost In Your Love

Lançamento nacional - AFM Records / Rock Brigade / Laser Company


Outras resenhas de VII - At Vance

At Vance: reciclando boas idéias que deram certo




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "At Vance"


Roadrunner: os álbuns mais desprezados de todos os temposRoadrunner
Os álbuns mais desprezados de todos os tempos

VH1: os 100 melhores álbuns de rock segundo a emissoraVH1
Os 100 melhores álbuns de rock segundo a emissora


Sobre Maurício Dehò

Nascido em 1986, é mais um "maidenmaníaco". Iniciou-se no metal ao som da chuva e dos sinos de "Black Sabbath", aos 11 anos, em Jundiaí/SP. Hoje morando em São Paulo, formou-se em jornalismo pela PUC e é repórter de esportes, sem deixar de lado o amor pela música (e tentando fazer dela um segundo emprego!). Desde meados de 2007, também colabora para a Roadie Crew. Tratando-se do duo rock/metal, é eclético, ouvindo do hard rock ao metal mais extremo: Maiden, Sabbath, Kiss, Bon Jovi, Sepultura, Dimmu Borgir, Megadeth, Slayer e muitas, muitas outras. E é de um quarteto básico que espera viver: jornalismo, esporte, música e amor (da eterna namorada Carol).

Mais matérias de Maurício Dehò no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336