Hammerfall: optando pelo caminho da burocracia

Resenha - Threshold - Hammerfall

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Glauco Silva
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 5


É triste constatar que o Hammerfall virou, basicamente, uma banda chata: cada nota e ritmo que eles tocam é tão previsível quanto a alvorada. Com o passar dos anos, o inicialmente entusiasmado projeto do Jesper Strömblad (In Flames) optou pelo caminho da burocracia - ou preguiça: já acharam o caminho das pedras, agora não se arriscam a desviar dele nem um milímetro.

Vícios: As 10 melhores músicas sobre drogasMetal contra o câncer: festival aceita "cabelo" como ingresso

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Apesar da excelente técnica individual dos membros, parece que algo (medo? gravadora? produção?) impede os caras de alçarem vôos mais criativos. Talento e potencial eles têm de sobra, mas parece aquele time que só joga na retranca - vira um jogo de resultados, feio pra cacete e com raríssimos lances memoráveis. Triste...

Não que o CD seja ruim, ele até tem seus momentos - notadamente, a melodia grudenta (no bom sentido) de "The Fire Burns Forever", o peso avassalador de "Titan", as letras um tanto sombrias e o único destaque, ironicamente, uma faixa onde o Joacim Cans não abre a boca, a excelente instrumental "Reign Of The Hammer". Nada pior que instrumentais que servem pra lustrar o ego do músico, mas essa envereda pela trilha da música em si, como os bons medalhões heavy dos anos 80.

Aliás, o que mais estranhei, desde a primeira audição, foi o tom em que o Cans está cantando... chega a ser quase estridente, nada a ver com a voz e técnica que o consagraram, ou o que demonstra ao vivo - como os fãs brazucas já tiveram o prazer de presenciar. Acho que o ataque que ele sofreu há uns tempos o marcou mais do que aparentava...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

No mais, são clichês em cima de clichês (principalmente nas letras, mais batidas que caipirinha), e ficam devendo um álbum decente... "Rebel Inside" é horrivelmente comercial, "Natural High" e "Shadow Empire" ficam em cima do velho esquema riff / ponte / refrão "ô-ô-ô" (que o brasileiro, de modo geral, adora) / solo / acabou. Cinco marmanjos que dominam seus instrumentos podem - e, aliás, devem - fazer muito mais que isso.

E mais: se querem se espelhar tanto em heróis dos anos 80, deviam tomar como exemplo a ousadia de um Maiden no (fenomenal) "Somewhere In Time", Priest do (horrível) "Turbo", ou Helloween do (razoável) "Pink Bubbles Go Ape": manter a identidade, sem medo de arriscar novos caminhos.

Fica pra próxima!


Outras resenhas de Threshold - Hammerfall

Hammerfall: Sempre cultuando o poder do Heavy MetalResenha - Threshold - Hammerfall



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Hammerfall"


Metal Injection: 20 álbuns que completam 20 anos em 2017Metal Injection
20 álbuns que completam 20 anos em 2017

Power Metal: os dez álbuns essenciais do gêneroPower Metal
Os dez álbuns essenciais do gênero


Vícios: As 10 melhores músicas sobre drogasVícios
As 10 melhores músicas sobre drogas

Metal contra o câncer: festival aceita cabelo como ingressoMetal contra o câncer
Festival aceita "cabelo" como ingresso


Sobre Glauco Silva

36 anos, solteiro, estudou Linguística e Engenharia de Alimentos na UNICAMP. Tem sua sobrevivência (CDs, cigarro e cerveja) garantida no trabalho em uma multinacional. Iniciado no Metal em 1988, é baixista/vocal do LACONIST (Death Metal) e acredita fielmente que o SARCÓFAGO é a melhor banda do universo.

Mais informações sobre Glauco Silva

Mais matérias de Glauco Silva no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280