Matérias Mais Lidas

imagemA bizarra exigência de Ace Frehley para participar da última turnê do Kiss

imagemVital, o ex-Paralamas que virou nome de música e depois foi pro Heavy Metal

imagemEngenheiros do Hawaii e as tretas com Titãs, Lulu Santos, Lobão e outros

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemMax Cavalera revela como "selou a paz" com Tom Araya, vocalista do Slayer

imagem"Stranger Things" traz cena com "Master of Puppets", do Metallica

imagemO álbum do The Who que Roger Daltrey achou "uma m*rda completa

imagemLobão explica porquê todo sertanejo gostaria, no fundo, de ser roqueiro

imagemO grave problema do refrão de "Eagle Fly Free", segundo Fabio Lione

imagemEdu Falaschi descobriu que seu primo famoso tem mais seguidores que ele no Instagram

imagemAndreas Kisser conta quais os dez álbuns que mudaram a sua vida

imagemAlice Cooper diz que em sua equipe "todo mundo é tratado como a banda"

imagemPink Floyd: Gilmour nega alegação de Waters sobre "A Momentary Lapse of Reason"

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemGregório Duvivier: "Perto de Chico Buarque, Bob Dylan é uma espécie de Renato Russo!"


Airbourne 2022

Resenha - Arcade Fire - Funeral

Por Paulo Finatto Jr.
Em 02/03/06

Nota: 9

Quem conferiu a turnê do The Strokes em 2005 pelo Brasil, certamente surpreendeu-se com aquele bando de malucos que fizeram a abertura do show. Poucos, muito poucos por sinal, deviam conhecer naquele momento algo sobre a carreira do Arcade Fire, banda que vem do Canadá. "Funeral" é o seu álbum de estréia, e a base de todo o trabalho que aqueles doidos vem desenvolvendo desde o seu lançamento oficial em 2005.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Infelizmente, "Funeral" só pode ser encontrado por aqui em versão importada, o que varia muito o seu preço. Mas procurando em lojas especializadas, você pode encontrá-lo com um preço bastante aceitável. Vendo o CD, o que já chama bastante a atenção é o fato de o grupo contar com nada menos que sete integrantes. Isso que a banda não executa nenhuma vertente mais complexa do rock, é simplesmente rock n' roll anos sessenta e setenta com uma acentuação para a música alternativa, e para o que especialistas tendem a denominar de Indie Rock. Win Butler é o principal vocalista, além de tocar ao vivo baixo e um pouco de guitarra. Régine Chassagne é a voz feminina da banda, mas que também toca teclado, acordeão (um instrumento que se ouve em todas as faixas) e até bateria. Richard Parry e Tim Kingsbury fazem a dupla que se revezam somente nos instrumentos de corda: guitarra e baixo; Will Butler fica com a percussão essencialmente, mas se deslocando para o teclado e guitarra. Sarah Neufeld é membro fixo no violino e Jeremy Gara investe pouquíssimo na guitarra, e fica quase todo o tempo na bateria. Enfim, uma macaquice generalizada que poderia fazer da banda algo totalmente inútil e sem aspiração para a qualidade. Mas a coisa funciona muito pelo contrário. São todos exímios músicos, com bastante carisma, criatividade e vontade em cima do palco. E tudo está registrado aqui em "Funeral".

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Tenho a nítida certeza que estamos diante de um promissor nome do rock atual. Chega de copiar fórmulas de sucesso, e sim investir em uma personalidade totalmente própria. Essa é, certamente, a maior ambição do Arcade Fire, que mesmo se lançando no mercado recentemente, conseguiu compenetrar suas qualidades em um disco muito bem produzido e recheado de composições legais. Algo que vemos desde a emotiva "Neighborhood #1 (Tunnels)", passando pela mais animada e cativante "Neighborhood #2 (Laika)". E é fazendo esse tipo de rock mais animado que a banda acerta realmente a mão, o que iremos comprovar mais a seguir, com "Neighborhood #3 (Power Out)". Apesar de preferir esse tipo de composição, "Crown of Love" e "Wake Up", que são duas baladas, merecem destaque em uma análise mais profunda, já que os toques de acordeão e os violinos se encaixam muito bem com o estilo da banda. Por fim, a melhor música de todas - "Rebbelion (Lies)" - voltando ao clima mais animado e cativante do disco.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

"Funeral" trabalha ao todo com diversos e diferentes estilos dentro do rock, e talvez seja por isso uma das melhores coisas que veio até mim nos últimos tempos. Os canadenses do Arcade Fire estão trilhando pelo caminho certo, buscando o seu merecido espaço, jogando limpo e com a sua própria invenção criativa dentro do rock. Banda totalmente propícia a alcançar vôos mais altos, e, sinceramente, acho que você precisa urgentemente conhecer esse grupo. É algo novo, diferente, e especialmente, muito bom. Revelação de 2005 segundo a Bizz! e são poucos seus concorrentes para esse mesmo prêmio em 2006. Pelo menos até agora.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Site oficial: www.arcadefire.com

Line-up:
Win Butler (vocal/guitarra/baixo);
Régine Chassagne (vocal/teclado/acordeão/bateria);
Richard Parry (guitarra/baixo);
Tim Kingsbury (guitarra/baixo);
Will Butler (guitarra/baixo/percussão);
Sarah Neufeld (violino);
Jeremy Gara (guitarra/bateria).

Track-list:
01. Neighborhood #1 (Tunnels)
02. Neighborhood #2 (Laika)
03. Une Annee Sans Lumiere
04. Neighborhood #3 (Power Out)
05. Neighborhood #4 (7 Kettles)
06. Crown of Love
07. Wake Up
08. Haiti
09. Rebellion (Lies)
10. The Blackseat

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre

Mais matérias de Paulo Finatto Jr..