Resenha - Arcade Fire - Funeral

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Paulo Finatto Jr.
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Quem conferiu a turnê do The Strokes em 2005 pelo Brasil, certamente surpreendeu-se com aquele bando de malucos que fizeram a abertura do show. Poucos, muito poucos por sinal, deviam conhecer naquele momento algo sobre a carreira do Arcade Fire, banda que vem do Canadá. "Funeral" é o seu álbum de estréia, e a base de todo o trabalho que aqueles doidos vem desenvolvendo desde o seu lançamento oficial em 2005.

Iron Maiden: em 1985, show "secreto" com Adrian no vocalVegetarianismo: Nomes do Rock e do Metal que não comem carne

Infelizmente, "Funeral" só pode ser encontrado por aqui em versão importada, o que varia muito o seu preço. Mas procurando em lojas especializadas, você pode encontrá-lo com um preço bastante aceitável. Vendo o CD, o que já chama bastante a atenção é o fato de o grupo contar com nada menos que sete integrantes. Isso que a banda não executa nenhuma vertente mais complexa do rock, é simplesmente rock n' roll anos sessenta e setenta com uma acentuação para a música alternativa, e para o que especialistas tendem a denominar de Indie Rock. Win Butler é o principal vocalista, além de tocar ao vivo baixo e um pouco de guitarra. Régine Chassagne é a voz feminina da banda, mas que também toca teclado, acordeão (um instrumento que se ouve em todas as faixas) e até bateria. Richard Parry e Tim Kingsbury fazem a dupla que se revezam somente nos instrumentos de corda: guitarra e baixo; Will Butler fica com a percussão essencialmente, mas se deslocando para o teclado e guitarra. Sarah Neufeld é membro fixo no violino e Jeremy Gara investe pouquíssimo na guitarra, e fica quase todo o tempo na bateria. Enfim, uma macaquice generalizada que poderia fazer da banda algo totalmente inútil e sem aspiração para a qualidade. Mas a coisa funciona muito pelo contrário. São todos exímios músicos, com bastante carisma, criatividade e vontade em cima do palco. E tudo está registrado aqui em "Funeral".

Tenho a nítida certeza que estamos diante de um promissor nome do rock atual. Chega de copiar fórmulas de sucesso, e sim investir em uma personalidade totalmente própria. Essa é, certamente, a maior ambição do Arcade Fire, que mesmo se lançando no mercado recentemente, conseguiu compenetrar suas qualidades em um disco muito bem produzido e recheado de composições legais. Algo que vemos desde a emotiva "Neighborhood #1 (Tunnels)", passando pela mais animada e cativante "Neighborhood #2 (Laika)". E é fazendo esse tipo de rock mais animado que a banda acerta realmente a mão, o que iremos comprovar mais a seguir, com "Neighborhood #3 (Power Out)". Apesar de preferir esse tipo de composição, "Crown of Love" e "Wake Up", que são duas baladas, merecem destaque em uma análise mais profunda, já que os toques de acordeão e os violinos se encaixam muito bem com o estilo da banda. Por fim, a melhor música de todas - "Rebbelion (Lies)" - voltando ao clima mais animado e cativante do disco.

"Funeral" trabalha ao todo com diversos e diferentes estilos dentro do rock, e talvez seja por isso uma das melhores coisas que veio até mim nos últimos tempos. Os canadenses do Arcade Fire estão trilhando pelo caminho certo, buscando o seu merecido espaço, jogando limpo e com a sua própria invenção criativa dentro do rock. Banda totalmente propícia a alcançar vôos mais altos, e, sinceramente, acho que você precisa urgentemente conhecer esse grupo. É algo novo, diferente, e especialmente, muito bom. Revelação de 2005 segundo a Bizz! e são poucos seus concorrentes para esse mesmo prêmio em 2006. Pelo menos até agora.

Site oficial: www.arcadefire.com

Line-up:
Win Butler (vocal/guitarra/baixo);
Régine Chassagne (vocal/teclado/acordeão/bateria);
Richard Parry (guitarra/baixo);
Tim Kingsbury (guitarra/baixo);
Will Butler (guitarra/baixo/percussão);
Sarah Neufeld (violino);
Jeremy Gara (guitarra/bateria).

Track-list:
01. Neighborhood #1 (Tunnels)
02. Neighborhood #2 (Laika)
03. Une Annee Sans Lumiere
04. Neighborhood #3 (Power Out)
05. Neighborhood #4 (7 Kettles)
06. Crown of Love
07. Wake Up
08. Haiti
09. Rebellion (Lies)
10. The Blackseat




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Arcade Fire"


Preços: quanto custa para contratar a sua banda favoritaPreços
Quanto custa para contratar a sua banda favorita


Iron Maiden: em 1985, show secreto com Adrian no vocalIron Maiden
Em 1985, show "secreto" com Adrian no vocal

Vegetarianismo: Nomes do Rock e do Metal que não comem carneVegetarianismo
Nomes do Rock e do Metal que não comem carne

Motorhead: a gafe nazista de Lemmy em NurembergMotorhead
A gafe nazista de Lemmy em Nuremberg

Heavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gêneroHeavy Metal
Nove ótimas músicas suaves do gênero

AC/DC: Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vidaAC/DC
"Chuck Berry foi o maior babaca que já vi na vida"

Anos 90: em vídeo, 10 músicas de Rock que marcaram a décadaAnos 90
Em vídeo, 10 músicas de Rock que marcaram a década

Doom Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloDoom Metal
Os dez trabalhos essenciais do estilo


Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre Paulo Finatto Jr.

Mais matérias de Paulo Finatto Jr. no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336