Resenha - From The Cradle To The Stage - Rage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 9


20 anos de história. 25 álbuns no currículo - incluindo aí vários EP's, lançamentos especiais e sendo 17 desses de estúdio. Seria Peter "Peavy" Wagner um workaholic? Melhor: quantos workaholics deste nível existem?

Rage: banda divulga detalhes do novo álbum e nova música; confiraDave Mustaine: "há bandas cujo nome me ofende"

Seja lá qual for este número, Peter sabe muito bem como comemorar duas décadas de trabalho pesado. Voltar a Bochum, cidade alemã que o viu nascer com o Avenger, lotar o clube Zeche (pequeno, porém bastante acolhedor) e desfilar alguns de seus maiores clássicos em duas antológicas horas. "Orgy Of Destruction", título assaz sintomático, dá início ao show com duas pedradas encantadoras: "War Of Worlds" e "Great Old Ones", completando a mesma tríade de abertura de seu último álbum, "Soundchaser". A nova formação, há 5 anos junta, consegue reunir brilhantemente o thrash/speed do início de carreira com a veia mais melódica (trazendo os refrães grudentos desta, claro) experimentada durante a década de 90. E o Rage é, sem dúvida, a banda que melhor consegue agregar as duas coisas, tirando melodias surpreendentes da composição mais pesada possível.

Se em estúdio já fascinam, a potência que adquirem ao vivo é recompensadora. Victor Smolski supre perfeitamente a ausência de qualquer dupla de guitarristas predecessores, sendo incrivelmente rápido, preciso e habilidoso, indo desde harmônicos a lá Malmsteen (e a influência do sueco é notável) até riffs da melhor escola thrash oitentista. Seu solo, a propósito, trabalha muito bem suas diversas influências, fazendo valer (e muito) os 6 minutos de duração. Falando em instrumental, a seqüência de "Unity", soberba, com o vôo solo de Mike Terrana na bateria, abusando de malabarismos, brincadeiras e usando todo o kit, acredite, não cansa.

Em termos técnicos, a operação das câmeras não é tão profissional quanto deveria. Por vezes têm-se a impressão de um certo amadorismo no ar, como se você ou eu pudesse fazer a mesma coisa. Os ângulos são óbvios (porque não uma câmera sob a bateria de Mike? ou uma vista "aérea" melhor?) e certas posições incomodam. Isto deixa as duas horas de duração do show perigosamente enfadonhas num certo momento. O tamanho diminuto do clube Zeche deve ter impedido um trabalho mais abrangente, mas não é desculpa para a falta de inteligência.
Todavia, não há nada que a atuação deste power trio e a qualidade de suas composições, muito acima da média, não compensem. "Sent By The Devil", "Enough Is Enough", "Soundchaser", "Don't Fear The Winter" e "Higher Than The Sky" (com seu refrão entoado quatro músicas antes de sua execução!) provam o momento sublime em que vivem.

Se a gravação é meio tosca, o mesmo não se pode dizer da produção do DVD. Altamente cuidadosa, apresentando um show gráfico em telas e menus, o conteúdo do segundo disco é profissionalíssimo A começar pelo documentário "20 Years Of Rage", quase cinematográfico, com Peavy contando minuciosamente detalhes da história da banda, divida em partes e sendo entremeada por vídeos e fotos raras, além de depoimentos dos outros músicos. Ainda temos mais dois documentários em estúdio, não menos interessantes, making off de um show da banda e uma seqüência fantástica de vídeo clips. Desde "Down By Law", de 1987, até "Down", de 2002, destacando-se "True Face In Everyone" e o medley com a orquestra em "Língua Mortis". Neste ínterim podemos ver o quanto a música do Rage passou por várias fases e principalmente a profunda mudança na voz de Peavy. Saindo do tradicional speed oitentista, onde abusava dos agudos, tão tradicionais na época (lembrando personalidades tão díspares quanto King Diamond e Jimmy Brown, do Deliverance) até a voz quase completamente grave dos tempos atuais. Independente da ênfase, Peavy é ótimo, como cantor, compositor, líder e baixista. Desde segundo disquinho, a se lamentar somente a ausência de uma legenda em português, que pode atrapalhar quem tem dificuldade com a língua britânica.

"From The Cradle To The Stage - 20th Anniversary" transpira uma banda gigantesca em musicalidade e competência mas incompreensivelmente tímida em fama e adoração. Fazendo shows com os do Live N' Louder e lançando material deste gabarito eles têm tudo, e muito mais do que o suficiente, para mudar este quadro. Indispensável para headbangers. Rage On!

Hellion Records - 2005.


Outras resenhas de From The Cradle To The Stage - Rage

Rage: a comemoração dos vinte anos de carreiraResenha - From The Cradle To The Stage - RageResenha - From The Cradle To The Stage - RageResenha - From The Cradle To The Stage - RageResenha - From The Cradle To The Stage - Rage




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rage"


Rage: banda divulga detalhes do novo álbum e nova música; confira

Hard Rock: As bandas do gênero que ficaram para trásHard Rock
As bandas do gênero que ficaram para trás

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"

1988: 99 discos de rock e metal lançados há 30 anos1988
99 discos de rock e metal lançados há 30 anos


Dave Mustaine: há bandas cujo nome me ofendeDave Mustaine
"há bandas cujo nome me ofende"

Fotos de Infância: Dave Mustaine, do MegadethFotos de Infância
Dave Mustaine, do Megadeth

Fotos de Infância: Skid RowFotos de Infância
Skid Row

Buckethead: uma rara imagem do guitarrista sem a máscaraBuckethead
Uma rara imagem do guitarrista sem a máscara

Dane-se Bruce Dickinson: Simone Simons no metrô é muito melhorDane-se Bruce Dickinson
Simone Simons no metrô é muito melhor

Iron Maiden: os set-lists desde os primórdios até 2013Iron Maiden
Os set-lists desde os primórdios até 2013

Wasp: por que Lemmy nao queria Chris Holmes no Motörhead?Wasp
Por que Lemmy nao queria Chris Holmes no Motörhead?


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336