Resenha - System Has Failed - Megadeth

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Júlio César Tortoro Ribeiro
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


(Sum - nacional)
3000 acessosMegadeth: cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica5000 acessosMotörhead: em 1995, Lemmy comenta versão do Sepultura

Depois de anunciar o fim do Megadeth, em 2002, devido a inúmeros problemas, como danos em seu braço e contratempos com integrantes da banda, Dave Mustaine recomeçou seu trabalho para voltar à cena. Inicialmente, The System Has Failed seria um trabalho solo do guitarrista e vocalista, mas acabou saindo sob alcunha da grupo e com músicos contratados para as gravações, todos tocando da maneira como Mustaine idealizou na hora de compor. O resultado de tudo isso é uma coleção de algumas das melhores músicas que o líder do Megadeth já escreveu.

Mustaine contou com o guitarrista Chris Poland, integrante original da banda e que gravou os álbuns Killing is My Bussiness... And Business is Good! (1985) e Peace Sells... But Who's Buyng? (1986); o baterista Vinnie Colaiuta, experiente músico de jazz e fusion; e o baixista Jimmy Lee Sloas. A junção de tantos bons músicos juntos, tocando um material de primeira, não poderia dar em outra coisa que não fosse um ótimo álbum, um dos melhores do Megadeth. Enfim, a banda apresentou um trabalho que consegue agradar do começo ao fim, trazendo originalidade, bom gosto, peso, solos alucinantes e letras sarcásticas.

Uma comparação com a consagrada formação que gravou Rust in Peace (1990), Countdown to Extinction (1992), Youthnasia (1994) e Cryptic Writings (1997) é inevitável. Marty Friedman (guitarra), Dave Ellefson (baixo) e Nick Menza (bateria) fizeram falta? Sim, músicos que compoem e tocam muito bem são raros atualmente, mas Mustaine superou tudo isso com escolhas acertadas e músicas poderosas, como há tempos a banda não gravava. Muito se especulou sobre um retorno ao speed/thrash metal da fase So Far, So Good... So What! (1988) e Rust in Peace, mas isso não aconteceu. Ele reuniu elementos antigos e adicionou novas sonoridades a eles [N. do E.: além de Mustaine, obviamente, o Megadeth sairá em turnê com Menza, o ex-King Diamond Glen Drover na guitarra e o ex-Iced Earth James MacDonough no baixo].

A mescla de elementos clássicos do Megadeth com novas idéias é o maior atrativo do álbum. Blackmail the Universe poderia facilmente estar em So Far, So Good... So What!, ou seja, tem guitarras despejando riffs palhetados, baixo veloz e bateria rápida com dois bumbos e variações. Ótima faixa de abertura, mostrando toda a qualidade dos músicos, principalmente dos menos conhecidos do público metal, Sloas e Colaiuta, que formam uma cozinha impecável tamanha precisão e peso. Primeiro single do álbum, Die Dead Enough vem com uma pegada caracteristica do Megadeth pós-Youthnasia e lembra um pouco Angry Again. Estão lá a cadência na bateria, harmonias vocais e de guitarras bem encaixadas, refrão certeiro e teclados ao fundo. Aliás, talvez o maior diferencial de The System Has Failed seja a adição dos teclados fazendo cama em algumas canções. Destaque absoluto ainda para o dueto fenomenal entre Poland e Mustaine, com solos fantásticos.

Kick the Chair, primeira música mostrada ao público antes do lançamento, leva o ouvinte diretamente aos tempos de Rust in Piece. Velocidade, peso, guitarras dobradas executando harmonias diferentes... E o que Colaiuta faz durante toda a canção é covardia: com técnica precisa nos bumbos, variações na condução e alternância de tempos, ele rouba a cena. A música em questão é o tema central do álbum, que fala sobre injustiça e indignação. The Scorpion diminui a rotação e arrisca na parte experimental. Tem groove no baixo e guitarras marcadas e cadenciadas abrindo espaço para um ótimo trabalho de métricas vocais. Uma fusão dos três últimos álbuns da banda, com a adição dos teclados e efeitos ao fundo que criam uma ótima textura sonora. O refrão é excelente.

Se me perguntassem o que aconteceria ao juntar Tornado of Souls com Trust, responderia Tears in a Vail. Não apenas a melhor música do álbum, mas também uma das melhores do Megadeth! A letra fala do fim da banda de uma forma bem particular, os riffs cavalgados acompanhados da bateria e do baixo e trabalhados em tempos diversificados, variações ao decorrer da música, que começa cadenciada e quebrada até se tornar rápida e alucinante, os certeiros solos de Poland e Mustaine... Enfim, tudo somando pontos para Mustaine.

I Know Jack, introdução para Back in the Day, é uma mistura de Iron Maiden com Megadeth, ou seja, guitarras gêmeas acompanhadas da bateria e baixo speed/thrash e capitaneadas pelos vocais de Mustaine. Something I'm Not e Truth Be Told compartilham caracteristicas mais modernas, seguindo a linha do mediano The World Needs a Hero (2001), porém com mais força e consistência. Vale ressaltar que Mustaine usa muito bem as influências new metal em Truth Be Told, com groove no refrão que depois abre espaço para uma parte bem veloz, com direito a pedal duplo do magnifico Colaiuta.

Já Of Mice and Man deixa um pouco a desejar, soando como uma versão mais fraca de Use the Man (de Cryptic Writings). Tem um solo bem legal de Poland, mas nada que justifique sua presença em meio a um álbum tão bom. Shadow of Deth é uma marcha muito interessante, com solos de Mustaine e letras bem sacadas. Na verdade, uma breve introdução para My Kingdom, que encerra de The System Has Failed com os elementos que fizeram deste álbum um trabalho tão especial: letras excelentes, guitarras afiadas e cozinha indefectível. Tomara que não seja o último registro do Megadeth!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de System Has Failed - Megadeth

2029 acessosMegadeth: 10 anos do renascimento com "The System Has Failed"4842 acessosMegadeth: o retorno de um Big 42826 acessosResenha - System Has Failed - Megadeth4121 acessosResenha - System has Failed - Megadeth

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

MegadethMegadeth
Cinco vezes onde a banda foi melhor que o Metallica

2678 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa496 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo3487 acessosMetallica: e se James Hetfield cantasse no Megadeth?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

MegadethMegadeth
Ellefson: "Eu usava muita droga, e isso ajudava um pouco!"

Lars UlrichLars Ulrich
Atrito entre Metallica e Megadeth nunca existiu?

O Metal continua relevante?O Metal continua relevante?
As melhores músicas lançadas recentemente

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

MotörheadMotörhead
Em 1995, Lemmy comenta versão do Sepultura

Musos do Rock e Heavy MetalMusos do Rock e Heavy Metal
Agora é a vez das garotas!

Marilyn MansonMarilyn Manson
"Sou o monstro do Lago Ness! Sou o Bicho Papão!"

5000 acessosDiscórdia: alguns dos maiores insultos entre artistas5000 acessosSuzi Quatro: a importância da linda baixista para o rock5000 acessosAs I Lay Dying: Banda cristã explica a proximidade com o Behemoth5000 acessosMetal: dez álbuns provam que 1986 foi o ano do Thrash5000 acessosTaylor Hawkins: ele diz qual banda matou o glam metal oitentista5000 acessosPitty: O Rock precisa ocupar a mídia sem fazer papel de rídiculo

Sobre Júlio César Tortoro Ribeiro

Paulistano fanático por música e lutas, não sou jornalista, mas sempre gostei de escrever como Hobby, e por isso mantenho um blog totalmente amador chamado Its Electric no qual discorro sobre esses assuntos. Sou contra o radicalismo e apóio quem como eu ainda compra material das bandas e escreve sobre as mesmas por puro gosto.

Mais matérias de Júlio César Tortoro Ribeiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online