Resenha - Once - Nightwish

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Depois do apenas regular "Century Child" o Nightwish aposta em mudanças na sonoridade e tenta aproveitar a onda crescente de sucesso que cerca a banda desde o primeiro álbum. Este "Once" mostra o inegável talento de Tuomas Holopainen (K) como compositor e a já conhecida competência do resto do time de músicos. É claro que Tarja Turunen merece considerações à parte.
1467 acessosTarja Turunen: trazendo novamente ao Brasil uma boa turnê solo5000 acessosRicardo Confessori: "Iron Maiden, aposenta logo!"

A abertura é feita com a climática "Dark Chest of Wonders". Cheia de variações e com um clima que chega a lembrar um pouco a também fantástica "Progenies of Apocalypse" do último disco do Dimmu Borgir. "Wish I Had an Angel" (que já tem um clip circulando por aí) tem como principal destaque o peso das guitarras de Emppu Vuorinen e os poderosos vocais de Marco Hietala. "Nemo" é o primeiro single do disco e é uma música calma, mesmo para os padrões do Nightwish. É, seguramente, a melhor performance de Tarja no disco e traz um grande trabalho de orquestração.

O disco contou com a participação de uma orquestra e corais, o que contribuiu muito para a criação de melodias realmente impressionantes. Em "Planet Hell", por exemplo, há um clima meio "O Senhor dos Anéis" graças à presença dos corais no início da faixa, que logo ganha um peso absurdo e um duelo de vozes entre Tarja e Marco que lembra os melhores momentos do maravilhoso Oceanborn (1999). Outra faixa em que se nota uma evolução musical gigantesca da banda é "The Siren". Com um clima meio dark, complementado pelo uso de instrumentos exóticos, como cítaras, esta é fortíssima candidata a melhor faixa do disco.

O grande problema do disco é a repetição. O Nightwish pecou pelo excesso desta vez. Se em Century Child faltou intensidade, pode-se dizer que em Once falta inventividade. A banda repete a mesma fórmula à exaustão. Tudo soa gótico demais e as músicas, em geral, são guiadas pela mesma batida reta de Jukka Nevalainen e as mesmas linhas de baixo, mais ou menos como outras bandas escandinavas têm feito ultimamente (o HIM é o maior exemplo desta fórmula, mas com eles, a proposta é justamente ser assim). É interessante, sem dúvida, mas não há como não se aborrecer lá pela sexta ou sétima faixa. Não é que não exista variação ou que o disco seja chato. Acontece que para uma banda que criou coisas como "She is my Sin" ou "The Sacrament of Wilderness" não há como se esperar menos que um disco repleto de idéias. A faixa que eu, pessoalmente mais gostei, foi a belíssima balada "Higher Than Hope". Apesar do clima meio Disneylândia que a letra deixa passar, trata-se de uma música que conseguiu ficar fora do esquema predominante no resto do disco e, apesar de trazer alguns elementos freqüentes em músicas do Nightwish (como, por exemplo, uma narração, que, neste caso, soa meio deslocada) consegue desvencilhar-se do modelo adotado em Once. Outro destaque inegável é a também lindíssima "Kuolema Tekee Taiteilijan", onde só se ouve a voz de Tarja, acompanhada pela orquestra e pelos teclados de Tuomas.

Para fechar essa história, não é um disco ruim como Century Child, mas também não pode ser considerada a redenção da banda, que ainda deve um bom trabalho há, pelo menos, quatro anos, desde que ganhou vida o excelente Wishmaster.

Tracklist:
01. Dark Chest Of Wonders
02. Wish I had An Angel
03. Nemo
04. Planet Hell
05. Creek Mary's Blood
06. The Siren
07. Dead Gardens
08. Romanticide
09. Ghost Love Score
10. Kuolema Tekee Taiteilijan
11. Higher Than Hope

http://www.nightwish.com

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Once - Nightwish

2912 acessosNightwish: O fim de uma era com o "Once"2964 acessosResenha - Once - Nightwish1786 acessosResenha - Once - Nightwish3975 acessosResenha - Once - Nightwish5000 acessosTradução - Once - Nightwish

Tarja TurunenTarja Turunen
Trazendo novamente ao Brasil uma boa turnê solo

1224 acessosTarja Turunen: Como foi a apresentação da cantora em São Paulo1405 acessosMarcio Guerra: A performance de Falaschi e Tarja no RIR 2011885 acessosRio Rock City: Quando o vocalista novo dá certo?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nightwish"

NightwishNightwish
Por que a Anette foi tão criticada pelos fãs?

NightwishNightwish
"Encontros com fãs são luxo, não obrigação", diz Floor

Metal sinfônicoMetal sinfônico
Os 10 melhores segundo o TeamRock

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish"

Ricardo ConfessoriRicardo Confessori
"Iron Maiden, aposenta logo!"

MegadethMegadeth
"Magia negra arruinou minha vida", diz Mustaine

GhostGhost
De quais bandas brasileiras eles gostam?

5000 acessosMuito antes do Led Zeppelin: A origem da guitarra gêmea5000 acessosÁlbuns: Mike Portnoy revela os seus 10 favoritos5000 acessosBlack Sabbath: O acidente que tirou as pontas dos dedos de Iommi5000 acessosResenha - Discografia comentada - Death5000 acessosMike Portnoy: lista pessoal dos melhores de 20155000 acessosPhil Anselmo: 5 discos essenciais em sua coleção

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online