Resenha - Once - Nightwish

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Clóvis Eduardo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


(Universal - nacional)
797 acessosTarja Turunen: trazendo novamente ao Brasil uma boa turnê solo5000 acessosGhost: "O riff mais Heavy Metal que já existiu"

O novo álbum do Nightwish vinha gerando uma grande expectativa desde o fim de 2003. Não à toa, pois a banda finlandesa caiu no gosto da galera, há algum é sensação no heavy metal e precisava mostrar mais serviço para agradar aos fãs. O tecladista, líder e principal compositor Tuomas Holopainen apresenta um trabalho muito bem feito e, apesar de os discos anteriores - principalmente Wishmaster (2000) e Century Child (2002) - possuírem boas músicas, o que faz a diferença em Once é um instrumental ainda mais elaborado e a participação de uma orquestra sinfônica em todas as músicas.

O resultado final é muito agradável. Com os teclados em cima das usuais bases, o grande mérito de Holopainen é mesmo no campo das composições. Tarja Turunen, por sua vez, mantém o alto nível e é encantadora a maneira como emposta sua voz em alguns momentos, como em Dark Chest of Wonders, faixa que abre o CD. Outros momentos em que a linda vocalista rouba a cena são Creek Mary's Blood e Ghost Love Score, nesta com a ajuda de um coral que faz da música de dez minutos a mais bonita de Once.

Além dos destaques óbvios, Emmpu Vuorinen está mais notável no novo trabalho. Seus solos estão ficando melhores e o som da guitarra ficou mais à frente e, diga-se de passagem, com uma afinação muito mais agressiva. Siren é um belo exemplo da performance perfeita de Vuorinen. O batera Jukka Nevalainen continua firme, apesar de limitado, e a maneira como usa a caixa, erguendo bastante o braço, é uma marca inconfundível, podendo ser conferida no vídeo clipe de Nemo.

Once apresenta um repertório bem variado. Kuolema Tekee Taiteilijan é uma balada em finlandês, daquelas de sentar e ficar ouvindo Tarja em seus belos momentos líricos, mas é totalmente adversa a Planet Hell, uma música forte na qual quem mais se destaca é o baixista Marco Hientala, com um timbre de voz mais grave e forte. Seu trabalho vocal é muito bom.

Wish I Had an Angel talvez seja a faixa mais delicada de ser analisada, já que sua base eletrônica não engana até mesmo o mais ignorante no quesito percussão - eu mesmo, por exemplo. Qualquer um saca de primeira que não se trata de bateria e, para os mais puristas, certamente caiu muito mal. Sem contar, é claro, de que estamos diante de um ponto baixo num álbum de muitas qualidades.

Resumindo, em Once percebemos que o Nightwish está com mais feeling, principalmente nos momentos em que orquestra e banda estão a todo vapor. Quer uma amostra: ao fim da faixa Nemo, primeiro single do disco, aumente o volume e perceba quão poderosa ficou a sonoridade do novo álbum do quinteto finlandês. Vale a pena conferir.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Once - Nightwish

2890 acessosNightwish: O fim de uma era com o "Once"1781 acessosResenha - Once - Nightwish2581 acessosResenha - Once - Nightwish3970 acessosResenha - Once - Nightwish5000 acessosTradução - Once - Nightwish

Tarja TurunenTarja Turunen
Trazendo novamente ao Brasil uma boa turnê solo

1020 acessosTarja Turunen: Como foi a apresentação da cantora em São Paulo1295 acessosMarcio Guerra: A performance de Falaschi e Tarja no RIR 2011769 acessosRio Rock City: Quando o vocalista novo dá certo?1918 acessosRio Rock City: O Power Metal morreu?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Nightwish"

NightwishNightwish
Nos usar como inspiração ok, mas copiar não, diz Floor

Tarja TurunenTarja Turunen
A agressão de um fã durante show no México em 2000

Alissa White-GluzAlissa White-Gluz
Floor Jansen manda muito bem toda noite

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Nightwish"

GhostGhost
"O riff mais Heavy Metal que já existiu"

CascavelletesCascavelletes
Uma inadequada "Eu Quis Comer Você" no Clube da Criança

TatuagensTatuagens
Homenagens à banda Helloween na pele dos fãs

5000 acessosReligião: os rockstars que se converteram5000 acessosFodástico: veja Kerry King em comercial para a Jagermeister5000 acessosCorey Taylor: "Scott Weiland é um preguiçoso de merda"5000 acessosMonsters of Rock: o que o festival nos ensina sobre preconceito5000 acessosOzzy Osbourne: pedindo stripper em casamento no réveillon4404 acessosRichie Faulkner: ao invés do Judas Priest, ele poderia ter ido para o Iron Maiden?

Sobre Clóvis Eduardo

Clóvis Eduardo Cuco é catarinense, jornalista e metaleiro.

Mais matérias de Clóvis Eduardo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online