Resenha - Holy Land - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Donzela
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Holy Land é um álbum conceitual. Dentre os CDs do Angra, é o preferido de André Matos. Ele se destaca por conter um tema meio que regional, típico brasileiro. Para confeccionar o disco, os integrantes se enfurnaram numa fazenda no interior de São Paulo. Um dos trabalhos que mais exigiu dos integrantes, pregou baladas do Metal como Make Believe e, Notinhg to Say, além da clássica Carolina IV (na minha opinião uma dos melhores do Angra).
1676 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons5000 acessosGarimpeiro das Galáxias: Beldades globais e sua paixão pelo rock

Faixa 01 - Crossing: Crossing, a introdução, é a única música do CD que não é composta pelo Angra, e sim, pelo compositor italiano G.P. da Palestina.

Faixa 02 - Nothing To Say: Nothing To Say é como se fosse a Carry On do álbum Angels Cry, é uma música pesada, rápida e traz difíceis riffs de guitarra.

Faixa 03 - Silence and Distance: Essa música é inteiramente composta por André Matos. Tem o início lento apenas com um piano ao fundo, e a voz inconfundível de Matos. Repentinamente ela ganha peso e um vocal mais agressivo. Pra mim, o único problema desta música é ao refrão que tem um rítimo muito chato.

Faixa 04 – Carolina IV: Já começa chamando a atenção pelo nome, e também é um tanto redundante (faixa 4, Carolina IV). E venha a percussão e o coro formado por André Matos, Rafael Bittencourt e Kiko Loureriro, que excepcionalmente cantam em português, mas é quase que imperceptível. Logo entra o nosso querido vocalista cantando com uma entonação perfeita. Pouco tempo depois, a música se torna rápida, inciando-se com guitarras e baixo mais acelerados, e assim o refrão inesquecível. Mais ou menos no meio da música surge um rápido solo de baixo que logo é seguido por percussões mais vistosas. Assim a música segue ficando cada vez mais lenta e calma até que chegam o violino e o piano, mas logo o silêncio é quebrado pela batida forte da bateria de Ricardo Confessori e dos dinâmicos solos de Kiko e Rafael. André volta a cantar e a música se encerra com os coros e as batidas do início da música.

Faixa 05 – Holy Land: Faixa-título do álbum, é bem regional. Tem início com o piano de André tocando uma música típica de capoeira que se segue com um ótimo desempenho vocálico do músico. A faixa também segue um recurso utilizado pela banda, o que chamamos “Progressivo”. Mas logo depois ela se acalma de novo, e assim se alterna mais uma vez. Seu fim se dá com tambores.

Faixa 06 – The Shaman: “Nervosinha” e rápida, com refrões rápidos. A música meio que para na metade e é inserido um trecho de uma obra retirada do álbum “Música Popular do Norte Nª4” , que se eu não me engano é de autoria de um músico regional brasileiro chamado Marcus Pereira.

Faixa 07 – Make Believe: É conhecida como uma das grandes baladas do Metal nacional e do próprio Angra. Pra se ter uma idéia do sucesso, na época produziram um clipe (que particularmente eu não gostei) e passou um número significativo de vezes na MTV Brasil. A música não é merecedora do clipe. É bem diferente das músicas compostas pela banda até o momento. Nela, André mostra que merece ser considerado um dos melhores cantores do estilo, e também desempenha um dos seus melhores falsetes.

Faixa 08 – Z.I.T.O: Existem vários boatos sobre o que quer dizer Z.I.T.O. Um dos mais interessantes que eu soube até o momento era de que Z.I.T.O seria um pacto entre os integrantes do Angra. Bem, desde a criação da música nada se soube a respeito do verdadeiro significado, que pelo ou menos tivesse vindo da boca de algum dos caras. Z.I.T.O é uma música de rítimo rápido, refrão marcante e traz um ótimo solo de guitarra.

Faixa 09 – Deep Blue: A tradução do título da música é AZUL PROFUNDO. Provavelmente refere-se ao mar... (óbvio). Também é fácil de perceber que é uma faixa progressiva. André cantando e violino e piano ao fundo. A música ganha força repentina e logo se acalma, volta a se enfurecer e se acalma de novo, desta vez com canto lírico e em seguida, ganha força e se alia á voz de Matos novamente, um solo de guitarra pra não perder o costume e se encerra calma.

Faixa 10 – Lullaby for Lúcifer: Uma música não muito demorada e sem variações. Um violão “melodramático” abre a música junto á sons de ondas e pássaros. Ela é toda calma. Uma música interessante.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Holy Land - Angra

5000 acessosAngra: Um álbum diversificado, magnífico e instigante5000 acessosResenha - Holy Land - Angra5000 acessosTradução - Holy Land - Angra

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

AngraAngra
Banda reage à tragédia com Adrenaline Mob

1676 acessosAngra: Os primórdios de Angel's Cry antes da Demo Reaching Horizons874 acessosAngra: mais um vídeo das gravações do novo álbum1842 acessosBlind Guardian e Rhapsody: Como seria Hansi e Lione cantando juntos?2566 acessosAngra: Uma rara versão acústica de "Carry On" com Andre Matos0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Angra"

MegadethMegadeth
A importância da música brasileira em Kiko Loureiro

AngraAngra
Influências que a banda carrega em seus álbuns

AngraAngra
Rafael Bittencourt fala de racismo, carnaval e Megadeth

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Angra"

CamisetasCamisetas
Beldades globais e sua paixão pelo rock

Iron MaidenIron Maiden
Uma releitura de "The Trooper" pelo Cine

Mick JaggerMick Jagger
Em cerimônia na escola do filho em São Paulo

5000 acessosGosto Musical: artistas falam do que devia ser banido para sempre5000 acessosFotos de Infância: Lemmy Kilmister, do Motorhead5000 acessosOs dez maiores picaretas da música internacional5000 acessosBlack Sabbath: pouco importa se Deus está vivo ou morto5000 acessosJoe Satriani: "Kirk Hammett foi um ótimo aluno"5000 acessosGuns N' Roses: qual a porcentagem de Axl, Slash e Duff no butim?

Sobre Donzela

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online