Andre Matos: a obra-prima do Angra e o seu testamento musical

Resenha - Holy Land - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ricardo Seelig, Fonte: Collectors Room
Enviar Correções  

publicidade

A morte de Andre Matos teve um impacto gigantesco no heavy metal nacional. Repentina e inesperada, sua perda ainda não foi dimensionada, apesar da enorme dor que causou em fãs, amigos, colegas e todos que tiveram contato com a sua obra em mais de trinta anos de carreira. E a maior obra-prima de toda essa trajetória, aclamada em consenso tanto pelo público como pela crítica, é Holy Land.

Andre Matos: segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira soloOverkill: mandando recado ao Avenged Sevenfold

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Segundo álbum do Angra, Holy Land foi lançado em 23 de março de 1996 e sucedeu Angels Cry (1993), a igualmente ótima estreia da banda. Os dois discos são bastante distintos entre si. Enquanto o debut apresentou um metal melódico alinhado à escola alemã e influenciado tanto pelo Helloween quanto pelo Iron Maiden, em Holy Land o Angra entrou de cabeça na música brasileira, trabalhando um álbum conceitual que discorre sobre o Brasil de 1500, ano em que o país foi descoberto pelos portugueses. Tanto as letras como as músicas seguem essa abordagem, trazendo para o heavy metal elementos da rica musicalidade brasileira. E o Angra faz isso de uma maneira mais profunda e erudita que outra banda contemporânea e conterrânea, o Sepultura, fez naquele mesmo ano no igualmente clássico Roots. Os discos tiveram um intervalo de um mês entre seus lançamentos, mostrando que ambas os grupos estavam alinhados, mesmo que inconscientemente.

A principal diferença entre Holy Land e Roots vem do background dos músicos. Enquanto os irmãos Cavalera construíram sua carreira dentro de gêneros mais extremos como death e thrash metal, os músicos do Angra vieram de conservatórios e escolas de música e eram influenciados pelo lado mais erudito do metal, além de trazerem também aspectos de gêneros mais complexos como o prog e o jazz. Mas havia um fator determinante nessa mistura toda, e ele era Andre Matos. Desde cedo, o vocalista sempre dividiu a paixão pelo heavy metal em pé de igualdade com o amor pela música clássica. Os álbuns com o Viper – Soldiers of Sunrise (1987) e Theatre of Fate (1989) – já mostravam isso, mas foi no Angra que Andre intensificou essa união entre os dois gêneros.

https://1.bp.blogspot.com/-lJu2rsSRUhc/XQGKN9ek6gI/AAAAAAABO...

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Para compor o álbum, o Angra se mudou durante quatro meses para um sítio no interior de São Paulo, onde o clima bucólico e calmo, em contraste com a correria predominante em uma metrópole como a capital paulista, cidade natal do quinteto, proporcionou um contato mais intenso não apenas com a natureza do local, mas com as próprias raízes histórias que todos nós, brasileiros, compartilhamos. A abertura de Holy Land é um exemplo dessa atmosfera e do encontro entre o erudito e o popular, apresentando em "Crossing" uma missa concebida pelo compositor renascentista italiano Giovanni Pierluigi da Palestrina, que viveu entre 1525 e 1594 e exerceu enorme ascendência sobre como a música sacra foi desenvolvida pela Igreja Católica.

Esse início com "Crossing" revela as intenções do Angra em Holy Land. "Nothing to Say", que vem a seguir, é ao lado de "Z.I.T.O." a única faixa a conversar de maneira mais harmônica com Angels Cry. Ambas são power metal com doses elevadas de melodia, sendo que "Nothing to Say" traz ainda batidas de samba em seu trecho inicial. Um dos maiores clássicos do Angra, presença obrigatória em shows tanto da banda quanto dos projetos futuros de Andre. Aqui já se percebem as melodias inspiradas na música brasileira, que ficam claras no trecho central, cujo andamento quebrado e os elementos eruditos mostram o nível técnico absurdo que a banda vivia na época.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Uma característica forte em Holy Land é a alternância de climas. São frequentes as introduções, as passagens e as composições mais calmas, todas elas tendo como protagonista Andre Matos e seu piano. O trecho inicial de "Silence and Distance" revela uma melodia que vai se desdobrando de maneira ascendente até desembocar em uma composição mid-tempo e que traz o Angra explorando um caminho até então inédito em sua carreira. A ponte antes do refrão, com uma melodia vocal inspiradíssima, e os solos entregues por Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt são um dos um dos grandes momentos do disco.

A principal tour de force de Holy Land vem a seguir, nos mais de dez minutos de "Carolina IV". Desde a primeira vez que ouvi, ela se tornou uma das minhas favoritas do universo musical da banda. "Carolina IV" talvez seja o principal exemplo da musicalidade da formação clássica do Angra, transitando de maneira absolutamente brilhante pelo metal, música clássica, latina, brasileira e africana, além de conter lindos coros que saúdam a deusa Iemanjá em sua parte inicial e arrepiantes arranjos vocais em todo o seu desenvolvimento. Outro ponto lindo é a citação à "Bebê", composição do genial Hermeto Pascoal, aqui reinterpretada pelo quinteto. O longo trecho instrumental na parte central é não menos que sensacional, unindo diversos gêneros musicais e soando como uma espécie de metáfora sonora das múltiplas raízes que construíram não apenas a música brasileira, mas também a cultura do nosso país e a nossa identidade como seres humanos.

https://1.bp.blogspot.com/-yDtx1oDHUkg/XQGKS5ah_JI/AAAAAAABO...

A canção que batiza o disco é outro dos pontos altos. Iniciando com uma melodia tradicional das rodas de capoeira interpretada por Andre no piano, evolui calmamente sobre uma base farta de instrumentos característicos da música brasileira como percussão, berimbau, flauta e outros. A parte inicial conta com uma das interpretações vocais mais incríveis de Andre Matos, com um timbre ligeiramente diferente do tradicional. As linhas vocais conduzem a melodia, que explode com o peso das guitarras, mas jamais deixa de lado a sonoridade fortemente inspirada pela música brasileira. Uma aula de composição, onde novamente se percebem citações à clássicos nacionais e que é uma das maiores criações do Angra e de Matos.

O disco segue com "The Shaman", música de onde Andre, Luis Mariutti e Ricardo Confessori tiraram o nome da banda que montariam após deixar o Angra, em 2000. As harmonias são destaque, junto com a percussão e o piano, que conduzem a faixa. O trecho central conta com uma espécie de interlúdio que caminha pela world music e traz falas em dialetos indígenas, além de um arranjo que intensifica o clima tribal.

A balada "Make Believe" foi um dos maiores hits do disco, e se transformou, com o passar dos anos, em um dos grandes clássicos do Angra. Não à toa, foi tocada por Rafael Bittencourt em frente aos fãs no dia da morte de Andre Matos, em uma elegia arrepiante para o vocalista. Belíssima, a música é um dos exemplos da marcante musicalidade da banda e da capacidade dos músicos em transitar por sonoridades variadas, seja o mais puro e acelerado power metal ou a mais doce canção de amor.

E é justamente o power metal na mais clássica acepção do termo que o Angra apresenta a seguir com "Z.I.T.O.". Música feita sob medida para os fãs do primeiro disco – cujo título é inclusive citado na letra -, trata-se de uma composição repleta de energia e melodia, além de linhas vocais pra lá de inspiradas e um refrão grudento. Mesmo com o pé no fundo o Angra conseguiu entregar doses incríveis de emoção, aspecto esse que ficou ainda mais evidente após a partida de Andre. Os solos são outro ponto alto, com Kiko e Rafael mostrando o entrosamento quase celestial que sempre tiveram.

A atmosfera luz e sombra de Holy Land é reafirmada em "Deep Blue", uma música extremamente contemplativa e onde Andre Matos mostra o quanto era um compositor acima da média. Aliás, vale citar que quatro das onze faixas do disco são músicas compostas exclusivamente pelo vocalista – além de "Deep Blue", mais "Silence and Distance", "Holy Land" e "The Shaman". Na verdade, a única a não contar com a sua participação é a acústica "Lullaby for Lucifer", criação da dupla Loureiro e Bittencourt.

https://1.bp.blogspot.com/-9V33PLJ_6Ds/XQGKXU6zK5I/AAAAAAABO...

Holy Land é um dos melhores trabalhos do Angra, uma banda que possui uma discografia repleta de ótimos discos. A estreia com Angels Cry (1993) alterou parâmetros no metal brasileiro e mostrou ao mundo uma banda acima da média. Rebirth (2001) deixou claro que havia vida após a partida do vocalista, baixista e baterista e é um exemplo inspirador de reconstrução. Temple of Shadows (2004) é um dos melhores álbuns de power metal de todos os tempos, e Omni (2018) demonstrou que a banda ainda tem muito a dizer. No entanto, Holy Land é o disco mais corajoso, inovador e, porque não, criativo do Angra. Um marco na história da música brasileira e um álbum sem igual no heavy metal mundial, com uma dedicação e inspiração nas composições traduzida em músicas atemporais e com uma dose enorme de originalidade. Passados mais de vinte anos de seu lançamento, continua soando atual e não envelheceu nem um pouquinho.

Aqui está a obra-prima da carreira de Andre Matos, seja com o Angra ou com todas as outras bandas com quem trabalhou. Um testamento musical impressionante e que merece ser revisitado por quem já o conhece, ou apresentado a quem nunca o ouviu.


Outras resenhas de Holy Land - Angra

Resenha - Holy Land - AngraResenha - Holy Land - Angra

Resenha - Holy Land - AngraResenha - Holy Land - Angra

Resenha - Holy Land - AngraResenha - Holy Land - Angra



Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Andre Matos: segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira soloAndre Matos
Segunda parte de documentário comenta Shaman e carreira solo

Andre Matos: Novo site oficial do fã-clube é divulgado

Angra: Kiko Loureiro e Marcelo Barbosa fazem live sobre racismo na música hoje (11)Angra
Kiko Loureiro e Marcelo Barbosa fazem live sobre racismo na música hoje (11)

Kiko Loureiro: veja a capa de Open Source, o novo álbum solo do guitarristaKiko Loureiro
Veja a capa de Open Source, o novo álbum solo do guitarrista

Aliquid: Confira vídeo de "Angels Cry" em homenagem a Andre Matos

Andre Matos: Gus Monsanto e Fleesh homenageiam o vocalistaAndre Matos
Gus Monsanto e Fleesh homenageiam o vocalista

Andre Matos: um ano sem o inesquecível e genial maestroAndre Matos
Um ano sem o inesquecível e genial maestro

Andre Matos: Documentário revela seu lado mais humano fora dos palcos; assistaAndre Matos
Documentário revela seu lado mais humano fora dos palcos; assista

Andre Matos: Luis Mariutti homenageia vocalista com fotos e vídeo emocionanteAndre Matos
Luis Mariutti homenageia vocalista com fotos e vídeo emocionante

Andre Matos: o adeus ao maestroAndre Matos
O adeus ao maestro


Kiko Loureiro: guitarrista ensina a tocar seu riff mais copiadoKiko Loureiro
Guitarrista ensina a tocar seu riff mais copiado

Scream Blog Gore: Copa do Brasil - E se os times fossem bandas?Scream Blog Gore
Copa do Brasil - E se os times fossem bandas?


Overkill: mandando recado ao Avenged SevenfoldOverkill
Mandando recado ao Avenged Sevenfold

Ozzy Osbourne: Sharon conta como o Madman tentou assassiná-laOzzy Osbourne
Sharon conta como o Madman tentou assassiná-la


Sobre Ricardo Seelig

Ricardo Seelig é editor da Collectors Room - www.collectorsroom.com.br - e colabora com o Whiplash.Net desde 2004.

Mais matérias de Ricardo Seelig no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280 Cli336x280