Resenha - Purpendicular - Deep Purple

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rossano Agostini
Enviar correções  |  Ver Acessos


Mesmo os fãs mais fiéis já não acreditavam no futuro do Deep Purple; uma das maiores formações da história do rock, cujo ego de seus integrantes - principalmente de Ritchie Blackmore (G) e Ian Gillan (V) - sempre foi tão grande quanto a sua importância para a música. A formação clássica (com os dois, mais Jon Lord (K), Roger Glover (B) e Ian Paice (D)) se separou pela primeira vez em 1973 e reuniu-se novamente em 1983 no excelente LP "Perfect Strangers".

Zakk Wylde: o riff que ele queria ter criado - e a música que ele nunca conseguiu tocarStoner Rock: Um guia básico para o estilo

Porém, desse disco em diante, o Purple só conseguiu provar o que todos já sabiam: que as picuinhas entre Gillan e Blackmore estavam dilacerando a criatividade do grupo, o que culminou com a saída de Gillan, em 1988, e uma sucessão de discos cada vez mais fracos.

Apoiado pelos outros integrantes, Gillan volta e, dessa vez, Blackmore é quem abandona o barco. E, após uma tentativa com Joe Satriani, finalmente seu substituto é escolhido: Steve Morse (ex-Dixie Dregs e Kansas).

E, com essa formação - Gillan, Glover, Lord, Paice e Morse, a banda grava um dos melhores discos de sua carreira: "Purpendicular". O álbum remete o ouvinte diretamente aos bons tempos de "In Rock" e "Machine Head" e, de certa forma, resgata a auto estima da banda.

O disco já começa com um riff de guitarra em "Ted The Mechanic", provando que Morse não foi escolhido à toa. Os destaques vão p/ as baladas, como a fenomenal "Sometimes I Feel Like Screaming" (que já é um clássico) e a despojada, mas não menos empolgante "The Aviator". O Deep Purple roqueiro aparece nas eficientes "Hey Cisco" e "Somebody Stole My Guitar". Até aquela velha gaitinha de boca ressurge com força na última faixa do album, a bluseira "The Purpendicular Waltz".

Tudo bem que o deus Blackmore deu no pé, que Gillan não berra mais como antigamente e que Ian Paice está a cara do Elton John. Apenas ouça o CD no volume máximo e compare com as bandas da atualidade. Apenas isso.


Outras resenhas de Purpendicular - Deep Purple

Resenha - Purpendicular - Deep Purple




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Deep Purple"


Zakk Wylde: o riff que ele queria ter criado - e a música que ele nunca conseguiu tocarZakk Wylde
O riff que ele queria ter criado - e a música que ele nunca conseguiu tocar

Regis Tadeu: Deep Purple, os plágios do Black Sabbath e muito maisHeavy Lero 134: Whitesnake por Gastão e Clemente (vídeo)Entrevista: Martin Popoff, a máquina de escrever do rock/metal

Grandes covers: cinco versões para a clássica Smoke On The Water,Grandes covers
Cinco versões para a clássica "Smoke On The Water",

Europe: nome da banda surgiu com inspiração no Deep PurpleEurope
Nome da banda surgiu com inspiração no Deep Purple

Deep Purple: banda morreria se Blackmore não saísse, diz GillanDeep Purple
"banda morreria se Blackmore não saísse", diz Gillan

Inspiração: bandas que adotaram títulos de músicas como nomeInspiração
Bandas que adotaram títulos de músicas como nome


Stoner Rock: Um guia básico para o estiloStoner Rock
Um guia básico para o estilo

Tarja Turunen: vocalista reprova cover do Children Of Bodom no The VoiceTarja Turunen
Vocalista reprova cover do Children Of Bodom no The Voice


Sobre Rossano Agostini

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336