Resenha - Move - Freak Kitchen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

10


Por mais que 90% das rádios e televisões tentem nos provar o contrário, tenha a certeza de que em termos de rock e metal, passamos por um momento fantástico, sem precedentes. A quantidade de conjuntos de altíssima qualidade é impressionante e em fases assim, o ápice surge quando os ouvidos se aguçam e reagem às ondas sonoras como possibilidades de mudanças radicais, numa absurda originalidade. É o sinal dos grandes expoentes que deixarão para gerações futuras as marcas desta época fecunda. "Move", o novo e melhor trabalho do Freak Kitchen, é um exemplo deste ‘escrito que não se apaga’.

publicidade

Da antiga formação restou apenas o líder e idealizador do projeto, o genial Mattias IA Eklundh. Acompanhando-o agora estão os excelentes Christer Örtefors e Björn Fryklund, no baixo e na bateria respectivamente.

Um freak trio que alcançou um dos propósitos mais almejados por qualquer banda: impor uma sonoridade própria e destacável. Repletos de influências, eles souberam maravilhosamente desorganizá-las e alcançaram a unicidade de um camaleão. Mudam as cores, mantêm-se os mesmos, e não se repetem. É ouvir pra crer.

publicidade

A figura principal é IA Eklundh, quem definitivamente criou uma nova via, numa revolução silenciosa tanto no toque da guitarra, quanto em seu som. Porém, o silêncio deve cessar em breve. Pessoas como Steve Vai já vislumbram a majestade do virtuose sueco.

Com letras fortíssimas, implicadas em contestações a ordens políticas e questões sociais, músicas como "Propaganda Pie", "Humiliation Song", "Razor Flowers" e "Maggots Of Corruption" são chocantes por melodias soberbas no baixo, temas de guitarra permeando a selvageria de Zakk Wylde (dez vezes mais técnico), o experimentalismo e humor de Frank Zappa, e solos inimagináveis, funcionando numa mente ultra-ativa, efervescente, convulsiva, desafiadora de ‘leis’ e criações anteriores.

publicidade

"Move" é um disco genioso e genial, seja qual for o aspecto analisado. E mesmo assim, bem acessível e capaz de barrar e talvez até invadir o poderio indutivo e certamente mal-intencionado de boa parte dos meios televisivos e radiofônicos.

Site Oficial: http://www.freakkitchen.com

Formação:
Mattias IA Eklundh (Vocais – Guitarras)
Christer Örtefors (Baixo – Backing Vocals – Vocais principais em "Razor Flowers")
Björn Fryklund (Bateria – Percussão)

publicidade

Material cedido por:
Thunderstruck Productions - http://www.thunderstruck.net
TSP BOX 474, 6000
KOLDING, DENMARK
Email: [email protected]




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Megadeth: O recadinho provocante da vocalista do HuntressMegadeth
O recadinho provocante da vocalista do Huntress

Slayer: assista Ivete Sangalo cantando Dead Skin MaskSlayer
Assista Ivete Sangalo cantando "Dead Skin Mask"


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin