Resenha - A Nod And A Wink - Camel

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar Correções  

9


A maneira mais simples de descrever o som do "A Nod And A Wink" aos que não ouviram o novo trabalho desta lenda do Rock Progressivo inglês (ou mesmo para quem deixou de acompanhar o grupo há alguns anos) é compará-lo ao "Division Bell", dos seus conterrâneos do PINK FLOYD, pois, como se não bastasse alguns arranjos e solos de guitarra que nos remetem diretamente ao "Division...", ainda por cima o timbre vocal de Mr.Latimer está soando bastante similar ao de Mr.Gilmour.

Tal comparação, entretanto, é de fato uma grande injustiça, pois embora realmente lembre em vários momentos o citado disco de Gilmour & Cia., uma audição mais atenta vai revelar que a conhecida sonoridade "camelística" continua presente na maioria dos temas.

publicidade

Por outro lado, é certo que para a maioria das pessoas o nome PINK FLOYD se trate de uma referência no Progressivo, mas para alguns apreciadores do estilo, o CAMEL possui tantas ou até mais credenciais no quesito - há até quem diga que o PF não é praticante do gênero!

Evidentemente o fato de ser "histórico" não confere imunidade artística a ninguém - muito pelo contrário, na maior parte dos casos isto se torna um fardo difícil ou até mesmo impossível de se carregar, pois a cobrança pela superação dos limites não é algo imputado somente a esportistas...

publicidade

E é natural que comparado a clássicos como "The Snowgoose" e "Moonmadness", este álbum realmente deixe um bocado a desejar, afinal visto sob o prisma da inovação, que é, de acordo com alguns, o objetivo máximo do Progressivo (=progredir), este novo CD não traz absolutamente nada de novo.

Mas vale lembrar que o CAMEL nunca foi exatamente uma banda inovadora, em todos (pelo menos na maioria) de seus álbuns, os ingredientes sempre foram os mesmos: teclado "sinfônico", bateria com levadas quase jazzísticas e composições que aliam uma boa dose de melodia e bom gosto.

publicidade

A única faixa que foge um pouco ao padrão é "Fox Hill", que, de acordo com a opinião de algumas pessoas, lembra bastante a estrutura rítmica de "Harold The Barrel", do GENESIS, opinião que pessoalmente não compartilho, mas enfim...

"Dedicated to Peter Bardens (1945-2002)"

Faixas:
A Nod And A Wink
Simple Pleasures
A Boy’s Life
Fox Hill
The Miller’s Tale
Squigely Fair
For Today
Total time: 55:44

publicidade

Músicos:
Andy Latimer (guitars, flute, keyboards, vocals)
Guy LeBlanc (keyboards, backing vocals)
Colin Bass (bass, backing vocals)
Denis Clement e Terry Carleton (drums, percussion)

Website oficial: www.camelproductions.com.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rock: os 10 guitarristas mais subestimados da históriaRock
Os 10 guitarristas mais subestimados da história

Rock Progressivo: Os 15 maiores guitarristas do gêneroRock Progressivo
Os 15 maiores guitarristas do gênero


Led Zeppelin: A controvérsia sobre as origens do nome da bandaLed Zeppelin
A controvérsia sobre as origens do nome da banda

Death Metal: as 10 melhores bandas de acordo com a AOLDeath Metal
As 10 melhores bandas de acordo com a AOL


Sobre Marcos A. M. Cruz

Fanático por rock setentista.

Mais matérias de Marcos A. M. Cruz no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin