Resenha - Never a Dull Moment - Tommy Lee

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 5


O que aconteceu ao batera do Motley Crue? Depois de sair da banda, Tommy Lee só deu matéria para a mídia. Primeiro se separou e se reconciliou com sua ex-mulher, Pamela Anderson, depois lançou um cd fraco com o Methods of Mayhem, sendo vaiado em diversos shows e festivais, e ainda sofreu com duas acusações: de que um garoto teria morrido afogado em sua piscina numa festa, e que teria transmitido Hepatite C para Pamela Anderson. Ambas acusações ainda não foram confirmadas e Tommy partiu para um cd solo, que era anunciado em revistas como um cd de Rock and Roll... no mínimo muitos fãs do Motley ficaram curiosos.

Mötley Crüe: Tommy Lee posta vídeo com pênis como filtro em seu InstagramMusic Radar: Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos

Mas Lee decepciona. "Never a Dull Moment" é um cd que, com boa vontade, pode ser considerado como new metal. De longe é bem superior ao primeiro cd solo de Lee, mas ainda assim fica aquém do que se espera de um cd de rock. Faixas como "Afterglow", "Ashamed" e "Face to Face" são nitidamente influenciadas por bandas como Slipknot e Korn, com guitarras sintetizadas, muito peso (isso o cd tem) e efeitos vocais.

Apesar de ter dado um toque mais new metal, os fragmentos do Rap/Rock que Lee fez no Methods of Mayhem continuam vivos, como nas músicas "Body Architects", "Fame 02", e "Higher" com Lee tentando fazer um pseudo Rock/Rap, meio como que ressuscitando o finado Body Count, que Ice-T teve a boa idéia de enterrar, após 2 cd's sem força e expressão. Os melhores momentos ficam justamente para músicas que fogem desse contexto, como as baladas "Hold me Down" (que lembra de longe o grunge de bandas como Pearl Jam e Stone Temple Pilots), a bela "Blue", com um show de melodia e vocais inspirados, e faixas que, apesar de estranhas, conseguem passar algo empolgante (em parte), como a pesada "Sunday" e a agressiva "People So Strange", aonde as guitarras realmente apresentam um bom trabalho, sendo a melhor do cd.

Tommy Lee: ame ou odeie. O cara, que na época do Motley dava show no comando das baquetas, aqui parece não conseguir acertar o alvo. Acho que em breve Mr. Nikki Sixx vai receber um telefonema, o que vocês acham?

Lançado no Brasil pela Universal Music.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Tommylee"


Mötley Crüe: Tommy Lee posta vídeo com pênis como filtro em seu InstagramMötley Crüe
Tommy Lee posta vídeo com pênis como filtro em seu Instagram

Mötley Crüe: Tommy Lee tira uma com a cara de Donald TrumpMötley Crüe
Tommy Lee tira uma com a cara de Donald Trump

Tommy Lee: Tem de tirar a roupa para entrar em meu camarimTommy Lee
"Tem de tirar a roupa para entrar em meu camarim"

Tommy Lee: baterista zombou da habilidade de Ulrich no TwitterTommy Lee
Baterista zombou da habilidade de Ulrich no Twitter

Motley Crue: Atriz pornô comenta sua relação com Tommy LeeMotley Crue
Atriz pornô comenta sua relação com Tommy Lee


Music Radar: Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os temposMusic Radar
Os melhores álbuns de Heavy Metal de todos os tempos

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1980Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1980

Heavy Metal: cinco discos necessários dos anos setentaHeavy Metal
Cinco discos necessários dos anos setenta

Gosto duvidoso: As piores capas da história do Rock e Heavy MetalGosto duvidoso
As piores capas da história do Rock e Heavy Metal

Slash: Comentários sobre Guns, pornstars e Michael JacksonSlash
Comentários sobre Guns, pornstars e Michael Jackson

Metallica: tentamos ser acessíveis sempre, diz Lars UlrichMetallica
"tentamos ser acessíveis sempre", diz Lars Ulrich

Max Cavalera: Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!Max Cavalera
"Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.