Resenha - Never a Dull Moment - Tommy Lee

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

5


O que aconteceu ao batera do Motley Crue? Depois de sair da banda, Tommy Lee só deu matéria para a mídia. Primeiro se separou e se reconciliou com sua ex-mulher, Pamela Anderson, depois lançou um cd fraco com o Methods of Mayhem, sendo vaiado em diversos shows e festivais, e ainda sofreu com duas acusações: de que um garoto teria morrido afogado em sua piscina numa festa, e que teria transmitido Hepatite C para Pamela Anderson. Ambas acusações ainda não foram confirmadas e Tommy partiu para um cd solo, que era anunciado em revistas como um cd de Rock and Roll... no mínimo muitos fãs do Motley ficaram curiosos.

Deep Purple: o riff de "Smoke on the Water" foi criado por Tom Jobim?

Psicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia Eller

Mas Lee decepciona. "Never a Dull Moment" é um cd que, com boa vontade, pode ser considerado como new metal. De longe é bem superior ao primeiro cd solo de Lee, mas ainda assim fica aquém do que se espera de um cd de rock. Faixas como "Afterglow", "Ashamed" e "Face to Face" são nitidamente influenciadas por bandas como Slipknot e Korn, com guitarras sintetizadas, muito peso (isso o cd tem) e efeitos vocais.

Apesar de ter dado um toque mais new metal, os fragmentos do Rap/Rock que Lee fez no Methods of Mayhem continuam vivos, como nas músicas "Body Architects", "Fame 02", e "Higher" com Lee tentando fazer um pseudo Rock/Rap, meio como que ressuscitando o finado Body Count, que Ice-T teve a boa idéia de enterrar, após 2 cd’s sem força e expressão. Os melhores momentos ficam justamente para músicas que fogem desse contexto, como as baladas "Hold me Down" (que lembra de longe o grunge de bandas como Pearl Jam e Stone Temple Pilots), a bela "Blue", com um show de melodia e vocais inspirados, e faixas que, apesar de estranhas, conseguem passar algo empolgante (em parte), como a pesada "Sunday" e a agressiva "People So Strange", aonde as guitarras realmente apresentam um bom trabalho, sendo a melhor do cd.

Tommy Lee: ame ou odeie. O cara, que na época do Motley dava show no comando das baquetas, aqui parece não conseguir acertar o alvo. Acho que em breve Mr. Nikki Sixx vai receber um telefonema, o que vocês acham?

Lançado no Brasil pela Universal Music.




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Motley Crue: A primeira impressão de Tommy Lee sobre o Rio de JaneiroMotley Crue
A primeira impressão de Tommy Lee sobre o Rio de Janeiro

Layne Staley: ele mudou nome do meio graças a Tommy LeeLayne Staley
Ele mudou nome do meio graças a Tommy Lee


Deep Purple: o riff de Smoke on the Water foi criado por Tom Jobim?Deep Purple
O riff de "Smoke on the Water" foi criado por Tom Jobim?

Psicografia: uma suposta carta do espírito de Cássia EllerPsicografia
Uma suposta carta do espírito de Cássia Eller


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin