Matérias Mais Lidas

imagemPaul Di'Anno detona Regis Tadeu após vídeo em que critica seu encontro com Iron Maiden

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemA banda de forró que uniu Nenhum de Nós, Legião, Titãs e Paralamas na mesma música

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemEncontro entre Paul Di'Anno e Steve Harris resultou em "algo que será discutido"

imagemMorre Alan White, baterista do Yes e que gravou a clássica "Imagine", de John Lennon

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi


Resenha - Roorback - Sepultura

Por Thiago Sarkis
Em 02/12/03

Nota: 8

Desde a saída de Max Cavalera, os membros do Sepultura encaram, a cada novo lançamento, uma sinuca de bico. A banda traz algumas experiências novas por um lado, mas por outro tenta manter as raízes tão glorificadas.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

"Against" é um atraso pra discografia do grupo, "Nation" demonstrou melhoras e trouxe coisas bem novas, inesperadas. Em 2003, com "Roorback", constatamos parte do experimental do álbum predecessor e um pouco da fase antiga, de "Arise" (1991), por exemplo.

Andreas Kisser realiza suas melhores execuções desde a chegada de Derrick Green. As produções e sonoridades modernas não o fazem investir tanto em solos e bases trabalhadas como em "Chaos A. D." (1993) ou "Beneath The Remains" (1989), já virou rotina. De qualquer maneira, ele avança retrocedendo, em algumas passagens, àquilo que fazia nos discos citados.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sem irrupção tribal, ressalva a "As It Is", Igor Cavalera perde bastante no seu campo de criação e distancia-se do centro máximo de atenções. Suste, todavia, seu lugar de grande baterista, atuando bem.

Há um sentido político efetivo nas letras, as quais, em sua maioria, foram escritas pela dupla Kisser / Green. Isto influi absolutamente nas interpretações do vocalista, geralmente com bons resultados.

Boas letras, execução e produção competentes. Tudo para ser um álbum devastador, mas falta em "Roorback" algo que talvez seja encontrado nas dúvidas dos integrantes do conjunto entre satisfazerem a demanda dos fãs e das gravadoras ou transformarem o som do Sepultura. Uma faca de dois gumes com vestígios excelentes como "Activist", "Urge", "Mind War", "Corrupted", porém com apagões constantes de um quarteto que parece impor a si mesmo a necessidade de provar capacidade e talento, ou manter-se como thrasher ou extremo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Nada disso é preciso. A história deles fala por si só. "Roorback" é bom, e até melhor em quesitos técnicos do que "Nation", mas soa menos autêntico e entusiasmado.

Site Oficial: http://www.sepultura.com.br

Formação:
Derrick Green (Vocais)
Andreas Kisser (Guitarra)
Paulo Jr. (Baixo)
Igor Cavalera (Bateria)

Lançado no exterior pela SPV / Steamhammer – 2003
Lançado no Brasil por uma gravadora à qual mandamos um sonoro FUCK OFF!


Outras resenhas de Roorback - Sepultura

Resenha - Roorback - Sepultura

Resenha - Roorback - Sepultura

Resenha - Roorback - Sepultura

Resenha - Roorback - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis.