Resenha - Roorback - Sepultura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Desde a saída de Max Cavalera, os membros do Sepultura encaram, a cada novo lançamento, uma sinuca de bico. A banda traz algumas experiências novas por um lado, mas por outro tenta manter as raízes tão glorificadas.

Sepultura: duas drum cam de Eloy Casagrande no Rock in RioMetallica: a lista de exigências da banda em 1983

"Against" é um atraso pra discografia do grupo, "Nation" demonstrou melhoras e trouxe coisas bem novas, inesperadas. Em 2003, com "Roorback", constatamos parte do experimental do álbum predecessor e um pouco da fase antiga, de "Arise" (1991), por exemplo.

Andreas Kisser realiza suas melhores execuções desde a chegada de Derrick Green. As produções e sonoridades modernas não o fazem investir tanto em solos e bases trabalhadas como em "Chaos A. D." (1993) ou "Beneath The Remains" (1989), já virou rotina. De qualquer maneira, ele avança retrocedendo, em algumas passagens, àquilo que fazia nos discos citados.

Sem irrupção tribal, ressalva a "As It Is", Igor Cavalera perde bastante no seu campo de criação e distancia-se do centro máximo de atenções. Suste, todavia, seu lugar de grande baterista, atuando bem.

Há um sentido político efetivo nas letras, as quais, em sua maioria, foram escritas pela dupla Kisser / Green. Isto influi absolutamente nas interpretações do vocalista, geralmente com bons resultados.

Boas letras, execução e produção competentes. Tudo para ser um álbum devastador, mas falta em "Roorback" algo que talvez seja encontrado nas dúvidas dos integrantes do conjunto entre satisfazerem a demanda dos fãs e das gravadoras ou transformarem o som do Sepultura. Uma faca de dois gumes com vestígios excelentes como "Activist", "Urge", "Mind War", "Corrupted", porém com apagões constantes de um quarteto que parece impor a si mesmo a necessidade de provar capacidade e talento, ou manter-se como thrasher ou extremo.

Nada disso é preciso. A história deles fala por si só. "Roorback" é bom, e até melhor em quesitos técnicos do que "Nation", mas soa menos autêntico e entusiasmado.

Site Oficial: http://www.sepultura.com.br

Formação:
Derrick Green (Vocais)
Andreas Kisser (Guitarra)
Paulo Jr. (Baixo)
Igor Cavalera (Bateria)

Lançado no exterior pela SPV / Steamhammer - 2003
Lançado no Brasil por uma gravadora à qual mandamos um sonoro FUCK OFF!


Outras resenhas de Roorback - Sepultura

Sepultura: álbum traz a banda focada em sua música

Sepultura: Roorback deve ser ouvido sem preconceitoSepultura
"Roorback" deve ser ouvido sem preconceito

Resenha - Roorback - SepulturaResenha - Roorback - Sepultura




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Sepultura"


Sepultura: duas drum cam de Eloy Casagrande no Rock in Rio

Sepultura: novo álbum Quadra é conceitual e Andreas Kisser explica ideiaSepultura
Novo álbum Quadra é conceitual e Andreas Kisser explica ideia

Sepultura: banda mostrou a capa do álbum Quadra durante show no Rock in RioSepultura
Banda mostrou a capa do álbum Quadra durante show no Rock in Rio

Sepultura: no Rock in Rio, música nova e homenagem a Andre Matos; vídeosSepultura
No Rock in Rio, música nova e homenagem a Andre Matos; vídeos

Rock in Rio 2019: horários do dia do metal passam por pequena alteraçãoRock in Rio 2019
Horários do "dia do metal" passam por pequena alteração

Sepultura: Amilcar Christófaro substitui Eloy Casagrande durante show em festivalSepultura
Amilcar Christófaro substitui Eloy Casagrande durante show em festival

Sepultura: gravações do novo álbum já foram concluídas pela bandaSepultura
Gravações do novo álbum já foram concluídas pela banda

Sepultura: Faleceu pai de Eloy Casagrande

Sepultura: Andreas Kisser usará guitarra com cores do movimento LGBT no Rock in RioSepultura
Andreas Kisser usará guitarra com cores do movimento LGBT no Rock in Rio

Em 02/09/1993: Sepultura lançava o clássico "Chaos A.D."

Sepultura: novo álbum já tem nome, diz Andreas KisserSepultura
Novo álbum já tem nome, diz Andreas Kisser

Petbrick: ouça novo single de projeto experimental de Iggor Cavalera

Nomes científicos: espécie em tributo ao Dio e outras homenagensNomes científicos
Espécie em tributo ao Dio e outras homenagens

Sepultura: Max relembra a tour da banda na Indonésia em 1992Sepultura
Max relembra a tour da banda na Indonésia em 1992

Slayer: sem eles, não haveria Sepultura, diz Andreas ao comentar aposentadoriaSlayer
"sem eles, não haveria Sepultura", diz Andreas ao comentar aposentadoria


Metallica: a lista de exigências da banda em 1983Metallica
A lista de exigências da banda em 1983

Ódio musical: os artistas mais detestados em lista da SpinnerÓdio musical
Os artistas mais detestados em lista da Spinner

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1988Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1988

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1987Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1987

A7X: Curiosidades sobre a banda que talvez você não saibaA7X
Curiosidades sobre a banda que talvez você não saiba

Heavy Metal: top 10 músicas instrumentais com foco em guitarrasHeavy Metal
Top 10 músicas instrumentais com foco em guitarras

Watchmojo: os 10 clipes mais ridículos dos 80'sWatchmojo
Os 10 clipes mais ridículos dos 80's


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336