Resenha - Attack Of The Dragons - Tribute to Queen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Marcos A. M. Cruz
Enviar Correções  

7


Uma das coisas que os fãs do Queen na década de 70 mais prezavam era a suposta fidelidade da banda aos "princípios roqueiros", princípios estes resumidos na expressão "No synthesizers" - não nos esqueçamos que a fusão rock e eletrônica é algo um tanto quanto recente, e na época a idéia que se tinha é que era impossível uma coisa coabitar pacificamente com a outra.

publicidade

Esses fãs "radicais" começaram a torcer o nariz para o Queen a partir do "The Game", de 1980, no qual a banda resolveu capitular, rendendo-se aos tais sintetizadores. Daí em diante, embora tenha angariado novos fãs, alguns debandaram, alegando que Freddie Mercury & Cia. haviam abandonado os tais "princípios roqueiros", tendo se vendido ao "comercialismo barato".

publicidade

Cumpre notar que tal radicalismo, se analisado de forma imparcial, não tinha razão de ser, afinal desde o primeiro álbum o Queen mesclou pop, ópera, glitter, música de cabaré e muitas outras coisas ao rock; nada mais natural que, com o passar do tempo, e já sem nenhum campo a ser explorado, resolvessem "modernizar" sua sonoridade, aderindo aos tais sintetizadores, bastante em voga durante a década de 80.

publicidade

Bem, se você, caro leitor, se encaixa no time dos que acham que a banda deveria ter encerrado atividades depois do "Live Killers", ou na melhor das hipóteses do "The Game", passe longe deste tributo; mas se ao contrário, você consegue "digerir" com naturalidade o que os fãs chamariam de "evolução natural das coisas", vale a pena arriscar uma escutada neste tributo feito por bandas iniciantes, a maioria absoluta delas totalmente desconhecidas para este que vos escreve (aonde está escrito que resenhista musical - detesto a palavra "crítico" - NECESSITA conhecer tudo?) :oP

publicidade

Não que seja algo totalmente calcado na eletrônica - mas como era de se prever, a maioria das faixas soam muito "modernas", e justamente por este fato, não se deve esperar nada parecido com os clássicos produzidos pelo Queen na década de 70.

Até aí, tudo "dentro dos conformes", pois o objetivo deste tributo é justamente a releitura dos tais "clássicos" com um enfoque mais atual. Porém, o que realmente deixa um pouco a desejar é a forma como isso foi conduzido por algumas bandas. Há algumas (poucas) exceções, notadamente o Hotrod Otis, que faz uma releitura interessante de "Another One Bites The Dust" e do Seasons of the Wolf, que literalmente "engana" o ouvinte, com uma introdução aparentando se tratar de uma versão totalmente eletrônica, usando e abusando dos tais sintetizadores - mas eis que, cerca de um minuto após, emendam uma versão quase "Heavy-Metal" de "We Will Rock You" (em minha opinião BEM MELHOR que aquela que anda rolando nas rádios, apesar da participação de Mr. Brian May...)

publicidade

Em contrapartida, há algumas coisas meio "xaroposas" no meio, tal como a versão de Marci Geller para "You're My Best Friend", que embora executada de forma correta, soa um tanto quanto piegas - definitivamente a praia de Mrs.Geller não é o rock, embora possua uma voz agradável; e por final a versão "a capella" de "Bohemian Rhapsody" feita pelo pessoal do Maybebop - a idéia é interessante, mas a execução deixou um bocadinho a desejar, transparecendo para o ouvinte um certo "desleixo"...

publicidade

De qualquer forma, considerando-se a proposta do trabalho, se o nobre leitor tiver "ouvidos abertos", vale a pena dar uma arriscada.

Material Cedido por:
Adrenalize Records
http://www.adrenalize.it
i[email protected]

publicidade


WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin