Lynyrd Skynyrd: a grande roda ainda gira

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Paulo Severo da Costa
Enviar correções  |  Comentários  | 


Pense em filmes como “Paris, Texas”, “A Encruzilhada”, “Quase Famosos” assistidos com o som no mute. Pense em “Easy Rider” e suas lisérgicas cenas no deserto com o Bolero de RAVEL ao invés de STEPPENWOLF ao fundo, nas antigas propagandas daquela famosa marca de cigarro tocando funk carioca no lugar de clássicos como “Breaking all The Rules” ou “Don´t Stop Believing” .
1385 acessosLynyrd Skynyrd: banda processa ex-baterista e quer impedir filme5000 acessosHair Metal: Os maiores cabelos da história do rock pesado

Travou? SCHOPENHAUER já dizia que a única coisa realmente libertária nessa vidinha mais ou menos daqui de baixo, é a expressão artística - a construção de nossos paraísos artificiais aqui na terra. Desde que os BEATLES descobriram que não podiam estar em todos os lugares ao mesmo tempo e inventaram o videoclipe com “Help”, o rock n´roll assumiu o papel de ilustrar um pouco aquela vontade latente de dar um chute na bunda do chefe, comprar uma garrafa de tequila e sair por aí dirigindo por uma estrada esburacada - imaginando a Rota 66 como o próprio purgatório da monotonia do dia a dia.

Fato é que toda banda que se preze teve seu hit “cinematográfico –libertário”, na melhor esteira da esquizofrenia interativa e casual entre som e imagem: dirija a vinte por hora ouvindo “Dreams “ do VAN HALEN ou se sinta deprimido em um boteco ouvindo “Lick It Up” se puder. Se a música é a religião elétrica - como dizia o diácono HENDRIX – os botequeiros sulistas do LYNYRD SKYNYRD são o Concílio de Trento, o conclave episcopal do rock n´roll.

“Se pronuncia Lĕh-'nérd 'Skin-'nérd” era o aviso contido no título da primeira epístola de 1973. Se imagem e som formam uma amálgama do consciente coletivo, os caras de Jacksonville, Flórida, mostram que as cores do pântano de sua terra natal podem se tornar uma ilustração atraente para ouvintes do Nepal ou da Etiópia com a mesma facilidade; mostrou que porres, diversão, terça- feiras que se vão e pássaros que não se engaiolam fácil estão espalhados em cada pedaço longíquo desse mundão esquisito.

Faixas como “Poison Whiskey”, “Needle and the Spoon”, “That Smell”, apesar de indicarem que uma estranha luz no painel se acendia naqueles insólitos anos, mostraram a diversão e o desprendimento dignos de um filme de TERENCE HILL e BUD SPENCER; os lamentos de “Simple Man” e “Freebird” parecem colados na mesma placenta de grandes panorâmicas de velhos filmes de LEE VAN CLEEF ou CLINT EASTWOOD; a energia de petardos como “Gimme Three Steps” ou o cover encampado de “Call me The Breezze” seriam a coloração perfeita para as surreais perseguições de carros dos filmes de BURT REYNOLDS nos anos setenta.

Em uma das cenas do filme “Con Air” enquanto prisioneiros escutavam “Sweet Home Alabama” e a aeronave começa a cair, uma das personagens diz em tom irônico: “Morreremos ouvindo a música de uma banda que morreu em um acidente de avião”. Morreram, ressurgiram e continuam por aí. São como os filmes: perdem um pouco de cor, mas continuam eternos.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Lynyrd SkynyrdLynyrd Skynyrd
Banda processa ex-baterista e quer impedir filme

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Lynyrd Skynyrd"

Lynyrd SkynyrdLynyrd Skynyrd
A história da espetacular "Simple Man"

Lynyrd SkynyrdLynyrd Skynyrd
A história e curiosidades de "Sweet Home Alabama"

Lynyrd SkynyrdLynyrd Skynyrd
Versões inusitadas da clássica "Sweet Home Alabama"

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Lynyrd Skynyrd"

Hair MetalHair Metal
Os maiores cabelos da história do rock pesado

Judas PriestJudas Priest
A bizarra semelhança de Ian Hill e Stênio Garcia

Black MetalBlack Metal
O cotidiano fascinante dos fãs adolescentes

5000 acessosMetal: você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 15000 acessosAs histórias por trás de 11 capas clássicas5000 acessosMötley Crüe: a ousada tattoo de modelo paulista em tributo à banda4382 acessos2000 a 2002: 10 shows/turnês pouco comentados4887 acessosRob Halford: "Eu não morro sem trabalhar com Lady Gaga antes"1533 acessosMetal Temple: Rob Halford eleito vocalista dos sonhos

Sobre Paulo Severo da Costa

Paulo Severo da Costa é ensaísta, professor universitário e doente por rock n´roll. Adora críticas, mas não dá a mínima pra elas. Email para contato: joaopsevero@bol.com.br.

Mais matérias de Paulo Severo da Costa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online