The Sweethearts: rock de calcinha, com pegada e sem frescura

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando Pinnas, Fonte: Megaphone Tabloid
Enviar correções  |  Ver Acessos

A matéria abaixo foi publicada originalmente no Jornal Megaphone, edição de 21 de janeiro de 2010.

Dimebag Darrell: guitarra de Van Halen num caixão do KissHistória do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos

No início dos anos 60, o pioneirismo de nomes como The Shirelles, considerada a primeira banda feminina a se aventurar pelos caminhos do rhythm and blues, soul e esbarrando no rock and roll, mesmo se tratando de um grupo vocal, e um pouco mais tarde a explosão de Janis Joplin no universo - até então predominantemente masculino - do rock, abriu precedentes para que as mulheres quebrassem as barreiras do preconceito durante os 'anos dourados'.

Em 1963 Janis trabalhava como cantora folk, e um ano mais tarde Suzie Quatro formava sua primeira banda: Suzi Soul And The Pleasure Seekers. Poderíamos citar centenas de exemplos de garotas que decidiram fazer 'coisa de homem'. E provaram que também sabiam fazer muito bem, e em alguns casos, até melhor.

Quase sempre relegadas ao segundo plano, as bandas femininas vem conquistando certo espaço no universo do rock. Diferente do que acontece no mundo pop e dance. Prerrogativa machista ou questão cultural? Não importa. O fato é que elas estão aí: no palco ou no público, tem mulher fazendo rock!

A banda itapirense The Sweethearts é formada por Camilla Job (vocal), Raphaela Pereira da Cruz Bonatti (guitarra), Krys Freitas (baixo) e Lívia Cremasco Tellini (bateria). A história do nascimento da girl group não é muito diferente da grande maioria dos 'contos de bastidores': um grupo de amigos que se conhecem, ouvem e curtem o mesmo som e decidem tocar. Não fosse por serem mulheres, talvez até passassem despercebidas.

Basicamente, tudo começou na capital paulista, a partir dos encontros semanais de Raphaela e Lívia, que cursam faculdade na metrópole. As duas já se conheciam de outrora no campo musical, quando Raphaela tocava com a banda Little Cherry e Lívia com a Never Dolls.

Daí em diante, tudo fluiu de forma descomplicada. "A gente se reunia uma vez por semana para tocar algumas músicas, e depois de um tempo fui apresentada à Camilla, que sugeriu a Krys para assumir o posto de baixista, e a partir daí passamos a ensaiar todos os finais de semana", contou Raphaela ao MEGAPHONE.

Segundo a guitarrista, o nome The Sweethearts foi sugerido por uma amiga paulistana, Luísa Modesto, que deveria atuar na segunda guitarra da banda, o que acabou não acontecendo devido à distância entre Itapira e São Paulo. "Ela não poderia ficar viajando para Itapira sempre que fossemos ensaiar".

Com um repertório findado em três 'instâncias' do rock (alternative, indie e punk), as meninas mandam brasa no palco, com interpretações de nomes como Hole, Nirvana, Garbage, Ramones, The Distillers, entre outros, a banda fez sua primeira apresentação oficial em um rock bar de Mogi Mirim. "Antes disso já havíamos nos apresentado de forma não oficial, a famosa canja, em um bar daqui de Itapira".

A união deu certo e a banda passou a ser convidada para diversos eventos, apresentando-se em diversas casas e eventos de Itapira e Região. "Ainda não temos uma música inteira de nossa autoria pronta, mas existem os projetos fazermos músicas próprias", frisou a guitarrista, dando dicas de que algo autoral poderá surgir.

Raphaela contou que a banda nunca sofreu nenhum tipo de preconceito pelo fato de ser formada exclusivamente por mulheres. "Não que eu saiba (risos)", e afirma que o grupo não tem caráter feminista. "Defendemos as mulheres no rock n' roll, apenas isso. Não somos radicais", ressaltou.

Ao menos, no que depender do público que costuma acompanhar as apresentações da The Sweethearts, a história dessas quatro meninas que se fazem presente no cenário rock municipal e regional deve ir longe. "Não posso falar pela maioria do público que já assistiu aos nossos shows, mas temos um pequeno público fiel que sempre está nos elogiando", discursou Raphaela. Em coro, a banda finalizou a entrevista ao melhor estilo 'abrindo show e metendo fogo na galera': "One, two, three, FOUR! Let's rock!".

* Matéria completa no site www.portalmegaphone.com.br



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção MatériasTodas as matérias sobre "Sweethearts"


Dimebag Darrell: guitarra de Van Halen num caixão do KissDimebag Darrell
Guitarra de Van Halen num caixão do Kiss

História do rock: Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatosHistória do rock
Sexo bizarro, drogas, mortes e outros boatos


Sobre Fernando Pinnas

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.