Matérias Mais Lidas

Sepultura: Iggor explica como criou bateria de Refuse/Resist, unindo metal e sambaSepultura
Iggor explica como criou bateria de "Refuse/Resist", unindo metal e samba

Loudwire: o pior álbum de 25 grandes bandas de rock e heavy metal, por Joe DivitaLoudwire
O pior álbum de 25 grandes bandas de rock e heavy metal, por Joe Divita

Yngwie Malmsteen: guitarrista anuncia novo álbum Parabellum e libera single; ouçaYngwie Malmsteen
Guitarrista anuncia novo álbum "Parabellum" e libera single; ouça

Ozzy Osbourne: Clufetos diz que não foi fácil deixar Rob Zombie para tocar com o MadmanOzzy Osbourne
Clufetos diz que não foi fácil deixar Rob Zombie para tocar com o Madman

Dragonforce: cena metal nega a existência do racismo, segundo Herman LiDragonforce
Cena metal nega a existência do racismo, segundo Herman Li

Alice In Chains: para Nancy Wilson era óbvio que Layne perderia a luta contra as drogasAlice In Chains
Para Nancy Wilson era óbvio que Layne perderia a luta contra as drogas

Slipknot: o que Clown pensa sobre os Beatles?Slipknot
O que Clown pensa sobre os Beatles?

Iron Maiden: por que Paul Di'Anno adotava visual tão diferente de outros do metalIron Maiden
Por que Paul Di'Anno adotava visual tão diferente de outros do metal

Cannibal Corpse: Corpsegrinder diz qual é o vocalista que mais o influenciouCannibal Corpse
Corpsegrinder diz qual é o vocalista que mais o influenciou

Anthrax: Scott Ian diz que ficou louco de ciúmes quando ouviu Metallica a primeira vezAnthrax
Scott Ian diz que ficou "louco de ciúmes" quando ouviu Metallica a primeira vez

Pensilvânia: do rock and roll ao death metal, 10 grandes bandas que surgiram no estadoPensilvânia
Do rock and roll ao death metal, 10 grandes bandas que surgiram no estado

Raimundos: Canisso reforça que Digão surtou pois chama até João Gordo de pela sacoRaimundos
Canisso reforça que Digão surtou pois "chama até João Gordo de pela saco"

Nightwish: Tuomas admite que pensou em acabar com a banda após Marko Hietala sairNightwish
Tuomas admite que pensou em acabar com a banda após Marko Hietala sair

Alter Bridge: a postura de Eddie Van Halen ao ir a show da banda, segundo MylesAlter Bridge
A postura de Eddie Van Halen ao ir a show da banda, segundo Myles

Inglaterra: 25 grandes bandas de rock e metal que não são de LondresInglaterra
25 grandes bandas de rock e metal que não são de Londres


Korzus
Edu Falaschi - Vera Cruz
Pentral

A história do órgão Hammond e das caixas Leslie

Por Rick Prevallet / Allan Gordon
Em 15/07/08

Embora o órgão Hammond tenha sido criado no início dos anos 30, seu conceito básico foi idealizado muitos anos antes. Laurens Hammond desenvolveu seu instrumento musical baseado no design do "Cahill Telharmonium". O Telharmonium produzia seu som através do movimento de rodas de tom metálicas ("metal tone wheels") em frente a bobinas magnéticas. Assim que a superfície irregular da roda passava perto do magneto, era produzida uma corrente elétrica variável. Uma das desvantagens do Telharmonium era o tamanho do gerador de tons: alguns vagões de carga (!) eram necessários para movê-lo.

Tradução e edição: Rodrigo Werneck; Fotos: Rick Prevallet

Órgão Hammond B3
Órgão Hammond B3

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Laurens havia desenvolvido um motor síncrono entre os anos 20 e 30, e o usou com sucesso numa linha de relógios elétricos. Um motor síncrono mantém a sua velocidade de rotação constante usando como referência a freqüência de sua fonte de alimentação AC. Se a fonte consegue manter uma freqüência constante de 50 (ou 60) Hz, então o motor irá sempre girar na velocidade correta. Esse processo permitia ao "relógio Hammond" trabalhar de forma bastante precisa.

Durante a Grande Depressão dos anos 30, o mercado de relógios sofreu uma queda e Laurens teve a necessidade de buscar outra aplicação para seu motor. Inicialmente desenvolveu uma mesa de bridge com distribuição automática de cartas, mas as vendas foram fracas.

As 3 rodas de tom metálicas
As 3 rodas de tom metálicas

Em 24 de abril de 1934, Laurens Hammond recebeu o número de patente 1.956.350 por um "Instrumento Musical Eletrônico". Descrevia o princípio básico de design para criar um som resultado da combinação de um número de ondas senoidais de diferentes picos/amplitudes. Em conjunto com seu motor síncrono havia uma série de engrenagens (ele era um inventor de relógios originalmente), molas, eixos-motores e rodas de tom possuindo pontos de alta em 2, 4, 8, 16, 32, 64 e 128. Quando as rodas de tom eram giradas na velocidade correta, a onda criada estava dentro de milhares de um ciclo do valor teórico de uma escala suave equivalente. Interessante observar que os tons em "lá" eram todos corretos, enquanto todas as demais notas variavam um pouco de seus "valores fundamentais". 91 rodas de tom cobriam um alcance de 32 a 5.920Hz.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os acionadores
Os acionadores

Os 91 tons eram ligados às teclas através de barras de direcionamento ("bus bars") e chaveadas por meio de uma bateria de acionadores ("keyswitches"). Cada tecla pressiona um dispositivo ("pusher") que controla 9 acionadores, um para cada barra de acoplamento. É através da constante conexão e desconexão desses acionadores que o órgão Hammond apresenta uma de suas características: o "estalido" das teclas.

O motor síncrono permitia a Laurens se vangloriar de que seu órgão nunca precisaria ser afinado, embora se a freqüência da rede elétrica tivesse uma fraca estabilidade, certamente o órgão ficaria fora do tom dos demais instrumentos, apesar de continuar em tom consigo mesmo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Houve inúmeros aprimoramentos até o mesmo começar a ser produzido. Um motor de ignição foi adicionado para substituir a manivela utilizada para trazer o gerador de tom à velocidade desejada; os teclados foram aumentados e padronizados em 61 notas, e os pedais de graves foram fixados em 25 notas.

Diz a lenda que o Sr. Hammond viajou pelo país observando órgãos de igreja e notou que na maioria dos casos os pedais mais desgastados eram os mais graves. À época, painéis radiais côncavos com pedais de 32 notas eram o padrão. Laurens imaginou que os custos para a produção em larga escala de um sistema seguindo esse padrão seriam muito altos, e então simplificou o mesmo para uma unidade radial plana de 25 notas. Em muito pouco tempo, seus pedais fora do padrão acabaram virando o novo padrão, pelo simples fato de que um grande volume de órgãos foi fabricado e enviado seguindo esse novo modelo.

O primeiro modelo fabricado, Modelo A, foi introduzido em 1935, e o de número de série 1 hoje reside no Smithsonian Museum. Todos os órgãos Hammond produzidos desde então até o meio dos anos 60 usaram exatamente esse mesmo mecanismo, com pequenas modificações. O fato de que milhares desses órgãos estão ainda em uso até hoje é um testamento da alta qualidade de seu design e perícia.

Quais as diferenças entre um órgão B3 e um C3?

Órgão Hammond C3
Órgão Hammond C3

Há 3 detalhes que diferenciam um B3 de um C3: o banco, o gabinete do órgão em si, e os pedais de grave do B3, que possuem um descanso para calcanhar fixado. Os componentes eletro-mecânicos são exatamente os mesmos. Normalmente o que ocorria era o seguinte: uma série de órgãos B3 era produzida, seguida por uma série de órgãos C3, e assim por diante. As partes internas produzidas poderiam acabar tanto num B3 quanto num C3.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os órgãos RT3 (modelo de órgão Hammond para concertos) foram também incluídos nesse "mix" de produção, mais uma vez utilizando os mesmos componentes básicos do B3, porém com alguns itens adicionais destinados a servir a um organista "mais sério", de música dita "erudita". Em 1959, Laurens introduziu a série A100, que incluía um alto-falante e amplificador no console. Mais uma vez, apesar de pequenas mudanças em componentes de pré-amplificação e acionador de "vibrato", as partes internas eram similares àquelas encontradas nos órgãos B3.

Laurens nunca pretendeu (ou pelo menos nunca previu) que seus órgãos viessem a ser utilizados por músicos profissionais. Sua invenção era destinada a igrejas, embora obviamente fosse vendida para qualquer pessoa que pagasse seu preço. Não se pode afirmar que a Hammond tenha em algum momento patrocinado algum artista (apoio em turnês), mas se o fez foi no final dos anos 70 quando as coisas já estavam se desmantelando.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Mais tarde, Hammond acabou chamando os Modelos "B" de "modelos caseiros" porque se podia enxergar as pernas do músico trabalhando os pedais. Os modelos "C" e "RT" possuíam um painel "de recato" na traseira, supostamente instalado de forma que organistas femininas não precisassem se preocupar com o fato de estar vestindo saia enquanto tocavam. Uma curiosidade não confirmada em relação aos códigos dos modelos, seria o fato das letras "B" e "C" fazerem referência às palavras "blues" e "church", respectivamente, já que além dos motivos antes mencionados, o modelo "B" era o mais utilizado por organistas que tocavam em grupos de blues e jazz e o "C", o mais comum em igrejas.

Em termos de tamanho e peso, o B3 e o C3 são comparáveis. O C3 pesa um pouco mais em virtude justamente do acréscimo de madeira necessário à colocação dos painéis laterais e traseiro. Normalmente o peso real de um B3 gira em torno de 135kg, enquanto que um C3 pesa pouco menos de 150kg, sem incluir banco e pedais.

A caixa rotativa Leslie

Por volta do fim dos anos 30, um jovem comprou um órgão Hammond e um gabinete com alto-falante. Após testar o conjunto por pouco tempo, chegou à conclusão de que não gostava do som produzido e decidiu melhorá-lo. Através do método de tentativa e erro, trabalhou com várias combinações de alto-falantes, e eventualmente simplificou a solução utilizando um woofer único e um "drive" de compressão, soando através de dispositivos rotatórios.

Caixa rotativa Leslie
Caixa rotativa Leslie

O jovem em questão era Don Leslie, e sua invenção mais tarde ficou conhecida como a "caixa rotativa Leslie". Basicamente desenhados para uso com órgãos Hammond, esses alto-falantes iriam se tornar (e continuam a ser) um "must" para qualquer músico seriamente disposto a usar um instrumento musical desses.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O resultado do conjunto "órgão Hammond B3 mais caixa Leslie modelo 122" é o clássico som dito "sagrado", com o qual estamos todos familiarizados. Pode-se ouvi-lo na introdução de "Black Magic Woman" (Santana), ou proeminentemente apresentado em "Green Eyed Lady" de Sugar Loaf, ou durante toda a execução de músicas como "Hold Your Head Up" (Argent) e "Circle Of Hands" (Uriah Heep). O "som de sirene" de um Hammond tocado através de uma Leslie é inconfundível.

Embora a caixa Leslie venha sendo produzida há mais de 60 anos (é atualmente fabricada pela Hammond-Suzuki em Chicago, Illinois, EUA), seus princípios operacionais básicos não foram muito alterados com o passar do tempo.

O que fez a caixa Leslie especial foi o seu método de direcionar o som através de dispositivos rotatórios. O woofer dispara seu som por uma membrana de madeira, enquanto que o "driver" de compressão direciona seu som por uma corneta plástica. Tais dispositivos giram devagar ("chorale") ou depressa ("tremolo"). Os princípios de som em questão envolvem modulação em amplitude (AM) e em freqüência (FM, conhecida como "Efeito Doppler"). Tanto o efeito AM quanto o FM ocorrem simultaneamente, assim que os dispositivos rotatórios se aproximam e se afastam do ouvinte.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Quando a fonte de som gira na direção do ouvinte, sua velocidade aumenta, causando um acréscimo na amplitude; quando gira na direção contrária, sua velocidade diminui, e por conseguinte há um decréscimo na amplitude. O efeito FM é reconhecível como sendo um som de um trem se aproximando com seu apito soando. O efeito AM gera a sensação do som ficando mais alto e mais baixo, em função da fonte se aproximar ou se distanciar do ouvinte.

Uma típica caixa Leslie incorpora um amplificador tubular de potência de 40 watts, um crossover passivo de 800Hz, um woofer de 15" e um tweeter para altas freqüências. Não há nada realmente "mágico" acerca dos seus componentes, embora modelos mais antigos possuíssem woofers Jensen e amplificadores tubulares Tung-Sol, itens que acabaram por adquirir o status de serem "para audiófilos".

Esta foto mostra um órgão Hammond modelo "A", de 1935, com duas caixas rotativas Leslie modelo 31H (1949 e 1952), um conjunto bastante raro de se encontrar hoje em dia.
Esta foto mostra um órgão Hammond modelo "A", de 1935, com duas caixas rotativas Leslie modelo 31H (1949 e 1952), um conjunto bastante raro de se encontrar hoje em dia.

Apesar de várias modificações terem sido testadas (mais potência, alto-falantes de alto desempenho, etc.), elas acabaram por alterar as características do som a ponto da caixa Leslie perder todo o seu charme. A maioria dos engenheiros de som posicionam 2 microfones perto da corneta e um perto do rotor do grave, de forma a proporcionar mais volume, colocando os microfones da corneta bem à direita e à esquerda.

Muito poucas invenções sobrevivem tanto (e bem) quanto às caixas rotativas de Don Leslie. Se imagine usando uma caixa Leslie produzida agora, daqui a 60 anos. Existem muitas caixas "vintage" da série Leslie 31H, dos anos 40, ainda em operação, e sobressalentes podem ainda ser encontrados. Isso é um testamento e tanto, de um jovem que apenas queria incrementar o som de seu órgão Hammond.

Os simuladores digitais de Hammond

Hoje em dia, o órgão Hammond continua sendo um sonho de consumo por parte de muitos músicos de jazz, blues, rock e tantos outros gêneros musicais que utilizam este instrumento em sua linguagem. Contudo, encontrar uma unidade em perfeitas condições é quase uma façanha digna de arqueólogo, o que o torna, além de raro, caríssimo.

Em vista disso, os tradicionais fabricantes de teclados e sintetizadores como Roland, Korg e a própria Hammond-Suzuki, vislumbraram uma lacuna no mercado e decidiram desenvolver o que chamam de "simuladores de Hammond", que nada mais são do que reproduções do instrumento original através de um sofisticado algoritmo de modelagem física, o que resulta numa simulação quase perfeita.

Nesses instrumentos, toda a interface de controle reproduz o painel do Hammond original, com suas nove drawbars, controles de vibrato, "key click" e "rotary speaker". Mantendo o ar "retro", seus respectivos gabinetes, feitos em madeira ou laminados, fazem referência estética ao próprio, pois afinal de contas é inegável que o visual conta muito no charme desse instrumento.

Obviamente os puristas sempre irão preferir o original, mas diante da impossibilidade de ter "the real thing" ou por uma questão de portabilidade, esses simuladores desempenham muito bem o seu papel, já que pesam entre 15 e 20kg, em contrapartida aos 135kg de um B3. Além do peso reduzido, esses instrumentos já vêm com um simulador interno de rotary speaker (ou caixa Leslie), o que dispensa mais um componente grande e pesado, essencial para o som clássico do órgão Hammond.

O Tokai TX-5 Classic
O Tokai TX-5 Classic

No Brasil, a empresa paulistana Tokai, com muito mérito e pioneirismo, desenvolveu um projeto 100% nacional de um simulador de Hammond. Mesmo diante de toda a falta de tradição da indústria nacional em relação a instrumentos musicais eletrônicos, a Tokai teve êxito em sua empreitada e hoje já conta com dois modelos no mercado, o "TX-5 DS Plus" e o "TX-5 Classic". Ambos são idênticos eletronicamente falando, diferindo apenas pelo fato do segundo possuir gabinete laminado em madeira e teclas "waterfall", enquanto que o primeiro possui teclas com perfil de sintetizador e gabinete em MDF ("mean density fiberboard", um aglomerado de pó de madeira).

Porém, de nada adiantaria toda essa iniciativa se o instrumento não fosse realmente bom e, como prova disso, é endossado por figurões da música brasileira como Mú Carvalho (Cor do Som), Arnaldo Baptista (ex-Mutantes), Allex Bessa (Rita Lee, ex-O Terço), Eloy Fritsch (Apocalypse) e vários outros. Além disso, custa cerca de 1/3 do valor dos similares importados, já que enquanto um VK-8 da Roland beira os R$ 7mil, o TX-5 Classic sai na faixa dos R$ 3mil, tornando, definitivamente, o som do órgão Hammond acessível para qualquer um.

Vídeos no YouTube

Dicas sobre como tocar órgão Hammond (com caixa Leslie): Vídeo 1 | Vídeo 2

Demo de Hammond e Leslie

Jon Lord (Deep Purple) no California Jam 1974

Keith Emerson (ELP) "atacando" seu Hammond, no Royal Albert Hall (1993)

Maiores informações:
Hammond Organs & Leslie Cabinets - www.hammondsuzuki.com
The Hammond Zone - www.hammond-organ.com
Hammond Brasil - www.hammond.com.br
Tokai - www.tokai.com.br

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

💬 Ler e postar comentários


MOPD
Arte Musical
Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Gibson: empresa vende guitarras envelhecidas artificialmente por até R$ 59 milGibson
Empresa vende guitarras envelhecidas artificialmente por até R$ 59 mil

Vlog Rock: A Origem da Guitarra Elétrica (vídeo)

Guitarra: versão do instrumento com 20 cordas é apresentada - e funcionaGuitarra
Versão do instrumento com 20 cordas é apresentada - e funciona

Dave Mustaine: veja as primeiras guitarras da parceria dele com a GibsonDave Mustaine
Veja as primeiras guitarras da parceria dele com a Gibson

Fender: apagando post considerado machista sobre guitarras e mulheres brasileirasFender
Apagando post considerado machista sobre guitarras e mulheres brasileiras

RATM: Tom Morello revela por que não corta as cordas de sua guitarraRATM
Tom Morello revela por que não corta as cordas de sua guitarra

Ciência: solo de guitarra perfeito é construído a partir de método; ouçaCiência
Solo de guitarra perfeito é construído a partir de método; ouça

Classic Rock: Os 12 maiores bateristas de prog em todos os temposClassic Rock
Os 12 maiores bateristas de prog em todos os tempos

Metal: para homenagear o tio falecido, músico faz guitarra com seus ossosMetal
Para homenagear o tio falecido, músico faz guitarra com seus ossos

Guitarra: Total Guitar usa ciência para criar o solo perfeitoGuitarra
Total Guitar usa ciência para criar "o solo perfeito"


Slipknot: as guitarras da banda mostradas em detalhesSlipknot
As guitarras da banda mostradas em detalhes

Pink Floyd: como fazer aquele efeito de eco da guitarra de David GilmourPink Floyd
Como fazer aquele efeito de eco da guitarra de David Gilmour

Led Zeppelin: Page comenta quando tocou com pedal que poderia ligar e desligar com o péLed Zeppelin
Page comenta quando tocou com pedal que poderia ligar e desligar com o pé


Metallica, Guns, Slipknot, Kiss: tombos, erros e fatos engraçadosMetallica, Guns, Slipknot, Kiss
Tombos, erros e fatos engraçados

Heavy Metal: os maiores álbuns da história para os gregosHeavy Metal
Os maiores álbuns da história para os gregos