A polêmica origem do termo Heavy Metal

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Comentários  | 

A idéia de escrever sobre a gênese do termo heavy metal veio em 2002 quando fomos contatados por uma famosa revista nacional afim de encontrar dados sobre o início do movimento, as razões da utilização da expressão em questão, entre outras coisas. Toda a equipe Whiplash.Net trabalhou para que uma resposta digna fosse apresentada aos leitores de tal publicação.

5000 acessosZakk Wylde: Guitar Hero é a melhor coisa desde "Eruption"5000 acessosFotos de Infância: Red Hot Chili Peppers

Infelizmente, após receber todo o material, o repórter que nos procurou decidiu fazer uma edição acrescentando noções próprias. O resultado desastroso incluiu o Nirvana na categoria hard rock e negligenciou a existência de nomes capitais para a definição de música heavy e heavy metal. Por essas e outras, publico agora, oficialmente, o material no Whiplash.Net, de onde ele definitivamente não deveria ter saído.

Este artigo já nasce polêmico, assim como o estilo musical que nos motiva a escrevê-lo. É de grande dificuldade falar com exatidão a origem do termo heavy metal. Depois do sucesso da idéia, todos os compartilhantes da época (final dos anos 60) quiseram puxar a sardinha para si, e, sem um olhar epistemológico, dificilmente nos colocaremos próximos à realidade da problemática aqui apresentada.

É preciso, antes de tudo, deixar claro que “heavy metal” já possuía um significado militar e científico antes de qualquer relação sonora, e a utilização da expressão é constatada com freqüência em diversos estudos de décadas anteriores à explosão do novo estilo musical.

No início dos anos 30 fora usada para denominar armas de longo alcance e precisão. Porém, segundo William Morris, autor de “Dictionary Of Word And Phrase Origins”, o sentido dado ia além e tratava mais especificamente de tanques de guerra considerados então as sensações em aspectos tecnológicos.

O dicionário inglês Oxford trata do uso de heavy metal na ciência e relata que em 1936, no livro “Bjerrum’s Inorganic Chesmitry”, o cientista dinamarquês Niels Bjerrum trabalha, através da densidade da forma elementar do metal, a definição de ‘heavy metals’. Para ele, tais metais possuiriam densidades maiores que 7g/cm³.

William S. Burroughs
William S. Burroughs

Assim, configuramos claramente ao menos a terminologia que se distanciava da música. Partindo com maior especificidade, uma verdade em relação a toda a polêmica é que a proximidade à música se inicia com William S. Burroughs (1914 – 1997), mas não por questão de melodias, harmonias ou ritmos, e sim, provavelmente, por uma identificação à sua irreverência, o tom satírico de suas abordagens de múltiplos assuntos, numa contra-cultura proposta e exposta que encantou toda uma geração, impulsionou os movimentos sociais da época, e também influenciou pensadores como Gilles Deleuze e Félix Guattari.

O autor que ganhou grande repercussão com "Naked Lunch" (1959) - traduzido para "Almoço Nú" no Brasil (1985 - Editora Brasiliense) -, donde costumeiramente dizem que temos a origem do termo heavy metal, explorou questões sobre homossexualidade, autoritarismo, ciência e drogadicção, porém nada diretamente ligado a um estilo musical.

Sua influência no que vem a posteriori da cena musical, do rock leve ao pesado, é inegável. Todavia, ao usar o termo em “Naked Lunch”, Burroughs referia-se, em metáfora, à ingestão de “comida envenenada” nas ruas de Urano – “eating heavy metal meals on the streets of Uranus...” (BURROUGHS, 1959).

Em termos musicais, a primeira referência ao termo vem no ano de 1967 com a banda Hapshash & The Coloured Coat, em seu álbum intitulado “Featuring The Human Host And The Heavy Metal Kids”. Novamente não há referência a um estilo musical específico, inclusive o conjunto em pauta caracterizava-se por uma salada musical estranhíssima, em jams e improvisos terríveis, melhores definidos por Marcos A. M. Cruz: “uma banda banhada a ácido e fazendo bizarrices meio desafinadas”.

Um ano depois vem o mais famoso dentre aqueles que, de fato, aproximam-se do pioneirismo sobre a expressão “heavy metal” como é mais conhecida hoje. O Steppenwolf usa a frase “I like smoke and lightning, heavy metal thunder”, num dos maiores sucessos da história, a música “Born To Be Wild”.

Muitos passaram então a clamar pela original nomeação de heavy metal como uma vertente do rock, incluindo John Kay, vocalista do último grupo mencionado. Instaurou-se uma real batalha acerca do assunto. Nada muito novo se refletirmos bem. Apenas a velha história do filho renegado que faz sucesso e é conseqüentemente alvo de um instantâneo e fervoroso ‘amor’ de vários candidatos a pais. Um curiosíssimo ímpeto paterno suscitado na multidão.

Lester Bangs
Lester Bangs

Os rumores sobre o verdadeiro autor cresceram imensamente após o filme “Quase Famosos”, inspirado na história do crítico musical Lester Bangs (1948 – 1982). As alegações de que ele seria o responsável pela expressão se espalharam e, como prova, haveria um artigo escrito pelo mesmo sobre o Black Sabbath, e publicado pela revista CREEM. Contudo, não existe qualquer menção a heavy metal no trabalho sobredito.

Mike Saunders
Mike Saunders

Ficaríamos, em vista as considerações acima, sem qualquer embasamento e noção para localizarmos a origem do termo “heavy metal”. Porém, o segredo é desvendado ou, no mínimo, encontra seu único rastro concreto no trabalho do também crítico musical e posteriormente fundador do conjunto Angry Samoans, Mike Saunders. Numa resenha do disco “Kingdom Come” (gravado em 1970 e lançado em 1971) do Sir Lord Baltimore escrita por ele para a revista CREEM de Maio de 1971, fica comprovado o uso de “heavy metal” como descrição de uma vertente musical pela primeira vez na história.

As confusões com outros críticos, como por exemplo, Dave Marsh, ocorrem freqüentemente. No caso deste último, também foi um pioneiro, é verdade. Exatamente neste mesmo lançamento da histórica CREEM, Marsh definiu punk rock em artigo sobre o Question Mark And The Mysterians.

Leituras e sites recomendados:

“Let It Burt – The Life & Times Of Lester Bangs, America’s Greatest Rock Critic”
Livro de Jim DeRogatis

Site Oficial da Revista Creem
Versão original da resenha de Mike Saunders para o
álbum “Kingdom Come” do Sir Lord Baltimore)

Site Oficial do Angry Samoans

Por que destacamos matérias antigas no Whiplash.Net?

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Associação Livre

5000 acessosVisões sobre os atentados terroristas aos Estados Unidos5000 acessosCaetano Veloso: MTV bota essa porra pra funcionar5000 acessosEm defesa de Robert Fripp5000 acessosA este "mundo maravilhoso"2655 acessosO nó da indústria fonográfica5000 acessosAlice In Chains e os limites da influência5000 acessosO rock nacional não é brasileiro!5000 acessosResenha - Fields Of Rock (Goffertpark, Nijmegen, 18/06/2005)5000 acessosPain Of Salvation: Daniel Gildenlöw fala sobre os Mamonas Assassinas0 acessosTodas as matérias sobre "Associação Livre"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 01 de fevereiro de 2013
Post de 24 de agosto de 2014
Post de 08 de julho de 2015
Post de 26 de maio de 2016
Post de 18 de abril de 2017

0 acessosTodas as matérias da seção Matérias0 acessosTodas as matérias sobre "Associação Livre"

Zakk WyldeZakk Wylde
"Guitar Hero é a melhor coisa desde Eruption"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Os membros do Red Hot Chili Peppers antes da fama

Collectors RoomCollectors Room
Vinícius Neves, do Stay Heavy, mostra a sua coleção

5000 acessosSammy Hagar: "Vai tomar no seu cu, Eddie! Seu mentiroso!"5000 acessosNirvana: "Teoria é um desperdício de tempo", dizia Kurt5000 acessosDream Theater: Rudess lista álbuns que mudaram sua vida5000 acessosAsia: o nome de disco que gera duplo sentido5000 acessosMetallica: Trujillo comenta diferentes personalidades dos músicos5000 acessosMegadeth: faixa que Mustaine não toca é favorita de Drover

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online