Alice Cooper: Descendo ao inferno com o "Goes To Hell"

Resenha - Goes To Hell - Alice Cooper

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Neimar Secco
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Depois do mega sucesso do projeto WELCOME TO MY NIGHTMARE, Alice Cooper lança a segunda parte da saga de Steven que, involuntariamente, marca o início de uma literal descida ao seu inferno particular.
Alice Cooper: Ryan Roxie diz gostar da ChapecoenseFernando Souza Filho - o FSF, editor-chefe da Rock Brigade

Aparentemente tudo estava indo muito bem para Alice Cooper em 1976. Seu multiplatinado primeiro álbum solo lançado no início de 1975 foi sua maior vendagem até então. A tour que o promovia, com o show mais produzido e coreografado de Alice Cooper ate então, foi muito bem sucedida com várias arenas lotadas. Alice Cooper estava literalmente no auge profissional.

Mas que ninguém perguntasse a seu fígado e seu estado de saúde geral como era ser a parte invisível (mas nem tão imperceptível assim) de Alice Cooper, que literalmente vomitava sangue devido a seus excessos alcoólicos.

Alice Cooper Goes To Hell foi lançado em junho de 1976. Em princípio foi programada uma tour com um show tão ou mais produzido que o do álbum anterior em que o palco seria caracterizado como uma discoteque “ambientada” no inferno. Alice demonstraria sua repulsa ao gênero musical dominante na época, principalmente nos EUA.

Imagem

O projeto foi abortado devido ao estado de saúde de Alice. Porém ele fez ainda algumas aparições em shows de TV e em premiações como “host” e assim, manteve sua imagem em grande evidência. I Never Cry, que não é uma balada romântica, mas sim uma confissão do alcoolismo que o deprimia e dominava foi um enorme hit, que chegou a ser o single de maior vendagem da Warner Bros. Mas não deixava de ser paradoxal que essa balada fosse o grande sucesso do vilão do rock na época.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Alice Cooper Goes To Hell abre com “Go To Hell”, a faixa título em que um “júri” proclama a pena de Alice por todos os seus atos criminosos, seus abusos alcoólicos e sua conduta nada “politicamente correta”. Uma das músicas autobiográficas de Alice, que marcaram esse período de sua vida e carreira. Destaque para o arranjo “progressivo” com a guitarra soturna de Dick Wagner, alguns efeitos sonoros de quebras de objetos e uma percussão muito climática.

Imagem
A seguir vem “You Gotta Dance“, a faixa disco do álbum em que Alice interpreta um frequentador de discoteque entregue às sensações dos embalos trazidos pelo ritmo e pelo clima envolvente do ambiente da discoteque. Para mim uma faixa que deixa muito a desejar, pois nem é um rock “padrão”, nem uma música disco muito semelhante ao que se fazia na época.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

“I’m The Coolest” é uma faixa bem “lounge”, cujo clima é ditado pelo contrabaixo de Tony Levin (músico de estúdio renomado e muito solicitado nos anos 70 e 80) e pelas guitarras de Steve Hunter e Dick Wagner.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Em “Didn’t We Meet” Alice narra seus encontros com outras “almas” em sonhos. Certamente referências ao álbum anterior, situações vivenciadas por Steven, seu personagem-guia por esses tempos de sonhos/pesadelos pessoais.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

O lado 1 fecha com a já citada balada (também autorreferente) “I Never Cry”

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Na primeira faixa do Lado 2, Alice Cooper é recebido pelo Demônio em pessoa, com quem ele se lamenta e questiona os motivos de estar lá. A faixa, ao contrário do que se poderia esperar ou desejar, é quase cômica, com Steven tentando negociar sua saída do inferno (como se isso fosse possível) “Sure thing, kid, when hell freezes over”, (Certamente, garoto, quando o inferno congelar, diz o diabo). Alice faz os dois vocais, o do condenado e o do diabo.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Em “Guilty”, outra música explicitamente autorreferente e biográfica, Alice assume todas as suas culpas e contrapõe sua condição de vilão do rock à sua origem de filho de pastor.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

John Lennon, Anne Murray, Harry Nilsson, Alice Cooper e Micky Dolenz (The Hollywood Vampires)

Em seguida vem “Wake Me Gently”, uma balada em que o sonhador se vê com medo de sair do sonho e encarar uma realidade de abandono e solidão.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

“Wish You Were Here” juntamente com “Go To Hell” e “Guilty” forma o grupo de músicas mais “hard rock” do álbum e é baseada em uma música de Dick Wagner, criada para sua banda, Ursa Major e que pode ser ouvida no autointitulado álbum da banda.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

A parte instrumental do final da música foi muitas vezes executada nos shows e inclusive está registrada no medley do álbum ao vivo “The Alice Cooper Show”.

A parte final da ida ao inferno de Alice começa com a regravação de uma canção de 1918, “I’m Always Chasing Rainbows” em que o narrador fala da sua busca incessante e aparentemente interminável pela sorte e pela felicidade.

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube
Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Acima, a gravação original de “Chasing Rainbows” – 1918

O final arrebatador dessa sequencia de “Welcome To My Nightmare” chega com “Going Home”. Sim, apesar dos fantasmas da doença e da fragilidade física, Alice Cooper ainda chegaria seguro e em bom estado em casa, onde seus fãs “de essência” saberiam como encontrá-lo e como entender essa grande guinada do garoto que não sabia o que queria aos 18 anos (I’m Eighteen), que queria tirar férias eternas da escola (School’s Out) e que não queria mais ser visto como um cara legal (No More Mr. Nice Guy).
Aos 28 anos Alice fazia um balanço de sua carreira e de sua vida e inaugurava, assim, um novo período – não tão glorioso ou “paparicado”, mas de resistência e luta como só os grandes sabem.

Imagem
NOTAS

-- Lançamento: 25/06/1976

FAIXAS
01 Go To Hell (Cooper, Wagner, Ezrin) [5:02]
02 You Gotta Dance (Cooper, Wagner, Ezrin) [2:44]
03 I'm The Coolest (Cooper, Wagner, Ezrin) [3:57]
04 Didn't We Meet (Cooper, Wagner, Ezrin) [4:15]
05 I Never Cry (Cooper, Wagner) [3:43]
06 Give The Kid A Break (Cooper, Wagner, Ezrin) [4:13]
07 Guilty (Cooper, Wagner, Ezrin) [3:21]
08 Wake Me Gently (Cooper, Wagner, Ezrin) [5:03]
09 Wish You Were Here (Cooper, Wagner, Ezrin) [4:35]
10 I'm Always Chasing Rainbows (McCarthy, Carroll) [2:13]
11 Going Home (Cooper, Wagner, Ezrin) [3:47]

MÚSICOS (THE HOLLYWOOD VAMPIRES)
Dick Wagner - Guitars and Vocals (1,2,3,4,6,7,8,9,10)
Steve Hunter - Guitars (all)
John Tropea - Guitars (1,2,6,8,9)
Tony Levin - Bass (2,3,4,5,6,7,8,9,10,11)
Babbitt - Bass (1)
Allan Schwartzberg - Drums (1,2,4,5,6,7,8,9)
Jim Gordon - Drums (3,10,11)
Jim Maelan - Percussion and Soft Shoes (all) Bob Ezrin - Keyboards, Vocals (2,3,4,5,6,8,10,11)
Al Macmillan – Piano
Dick Berg - French Horn (5)
Backing Vocals - Michael Sherman, Shawn Jackson, Colina Phillips, Joe Gannon, Shep Gordon, Denny Vosburgh, Bill Misener, Laurel Ward, Sharon-Lee Williams

-- O primeiro título pensado para o álbum foi apenas HELL

Produção: Bob Ezrin
Gravado em:
Soundstage Toronto
Record Plant East
RCA Studios Los Angeles
Arranjos: Bob Ezrin, Al Macmillan, John Tropeae The Hollywood Vampires.
Design: Rod Dyer/Brian Hagiwara.
Fotografia: Bret Lopez.
A foto de Alice na capa do álbum foi feita nas sessões de fotos para Billion Dollar Babies, três anos antes. Houve (e ainda há) rumores de que se preferiu utilizar uma foto dessa época porque Alice não estava bem e sua aparência na época da gravação e lançamento do álbum refletia sua saúde debilitada.

A TURNÊ “ABORTADA”

Em 25 de junho de 1976 foi lançado “Go To Hell”. Uma turnê com 30 datas foi planejada, mas cancelada. Dois dias antes da data marcada para o início dos ensaios Alice foi internado no hospital da Universidade da California com o diagnóstico de anemia

1976 (20/03/76) também foi o ano do casamento de Alice Cooper com sua dançarina e coreógrafa da tour anterior: Sheryl Gail Goddar (Sheryl Cooper). Estão casados até hoje.

Em 1976, Alice lançou também sua primeira biografia oficial, Me, Alice, "como relatada a" Steven Gaines.

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Rock in Rio
Arthur Brown participará do show de Alice Cooper

Alice Cooper: Ryan Roxie diz gostar da ChapecoenseTodas as matérias e notícias sobre "Alice Cooper"

Alice Cooper
"Expulsamos do palco qualquer banda de moleques!"

Rock
Curiosidades para enriquecer seu conhecimento - Parte 2

Pop Obscuro
Doors, Black Sabbath, Alice Cooper e mais

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 19 de fevereiro de 2014

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Alice Cooper"

Collectors Room
A coleção do jornalista FSF - Fernando Souza Filho

Mamonas Assassinas
Músicos já sabiam que iam morrer?

Metal Sucks
Top 25 vocalistas do metal moderno

Metallica: as 10 melhores músicas segundo a LoudwireOzzy Osbourne: Faixa retirada do Youtube volta da melhor forma possívelHeavy Metal: signos do zodíaco em versão metalGuns N' Roses: a família brasileira de Axl RoseAC/DC: vocalista original diz que fãs apoiariam seu retornoChuck Berry: relato policial da morte do lendário músico

Sobre Neimar Secco

Welcome to my nightmare. Sou professor de inglês e de português e também tradutor eventual. Rock sempre foi e continua sendo a minha trilha sonora de todas as horas. Minhas preferências são hard rock, progressivo e classic rock em geral (anos 60, 70 e 80). Bandas favoritas: Alice Cooper, Led Zeppelin, Black Sabbath, Ozzy Osbourne, Pink Floyd, Beatles, Creedence, The Doors, Dire Straits, entre muitas outras.

Mais matérias de Neimar Secco no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online