Ayreon: Parecia impossível, mas o gênio se superou

Resenha - Theory of Everything - Ayreon

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Victor de Andrade Lopes, Fonte: Sinfonia de Ideias
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 9

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Quando o multi-instrumentista holandês ARJEN ANTHONY LUCASSEN anunciou o novo álbum de seu principal projeto, AYREON, os fãs ficaram eufóricos, especialmente porque alguns suspeitavam que a maior metal opera da história estava acabada. O mentor do projeto afirmou em uma entrevista a Carl Begai que talvez dez anos poderiam se passar até ele compor um novo álbum para o projeto. Três anos depois, afirmou ao Metal Shock Finland que o AYREON estava ficando financeiramente inviável. Ainda no mesmo ano, disse ao Road to Metal que, se os fãs não comprassem seus discos, ele pararia de fazê-los, afinal, eles são a única renda para o projeto, que, devido à quantidade de convidados, não tem como se apresentar ao vivo.
Ayreon: quatro lyric vídeos de nova música "The Source WIll Flow"Full Rock: 10 músicas desgraçadas por bandas de forró

Enfim, o músico decidiu seguir em frente, e com a mesma fórmula: chamou um time de peso para colaborar com ele. A lista inclui, por exemplo, o trio RICK WAKEMAN, KEITH EMMERSON e JORDAN RUDESS, os três maiores tecladistas da atualidade. Para qualquer fã de rock progressivo, só eles já valeriam o disco inteiro. Mas não para por aí: STEVE HACKETT, do GENESIS, também deu as caras. TROY DONOCKLEY, agora um membro oficial do NIGHTWISH, contribuiu com seus instrumentos exóticos. Nos vocais, nomes como MARCO HIETALA (também do NIGHTWISH), CRISTINA SCABBIA (LACUNA COIL) e JOHN WETTON (ASIA, UK, ex-KING CRIMSON, ex-FAMILY, ex-ROXY MUSIC), entre outros. É um time mais enxuto que os dos álbuns anteriores, mas não fica por baixo em termos de qualidade.

O álbum é composto por apenas quatro faixas, mas todas têm mais de 20 minutos. Por isso, foram divididas em 42 faixas menores para que pudessem caber nos dois discos. É verdade que quase todos os discos do AYREON são conceituais, mas, normalmente, as faixas podiam ser apreciadas isoladamente, pois simplesmente marcavam momentos distintos da história de cada disco. Em The Theory of Everything, contudo, as faixas menores emendam uma nas outras de tal maneira que é impossível escutá-las como trabalhos separados. Assim sendo, esta resenha partirá do princípio de que se trata de um disco de quatro faixas, e não 42.

O álbum possui aquele som característico do AYREON, com os típicos riffs pesados de ARJEN harmonizados com cordas, flautas, órgãos Hammond e teclados progressivos. As quatro faixas, estruturalmente, seguem a mesma fórmula: diálogos entre os personagens separados por interlúdios instrumentais, alguns curtos e simples, outros mais longos e complexos.

E há espaço para absolutamente todos os tipos de sons com os quais ARJEN já está acostumado a lidar: passagens pesadas, sinfônicas, eletrônicas, progressivas, exóticas, belas, serenas, tensas, místicas e sinistras.

Aliás, o que chama a atenção ao longo do álbum é justamente esta variação constante de ritmos e climas. Passagens rápidas, pesadas e cruas cessam abruptamente para dar lugar a várias camadas de teclados atmosféricos enfeitados com vocais e solos leves na guitarra. A divisão das 42 faixas foi feita de maneira a respeitar estas mudanças de dinâmica.

O fã talvez sentirá falta de refrãos. Como um "Faroeste Cabloco", as quatro faixas não possuem, digamos, momentos principais. Alguns riffs, contudo, são recorrentes: o riff de uma nota só (Ré) no baixo, que é ouvido no início de "Singularity" e no início e encerramento de "Unification"; e o riff principal da faixa-título, que foi dividida em três e tocada duas vezes em "Singularity" e uma vez em "Unification".

Vale notar que ARJEN nunca abusou tanto dos teclados. São vários os momentos no álbum em que riffs progressivos, psicodélicos e futuristas são apresentados aos fãs. Ao mesmo tempo, o músico arranha sua guitarra em alguns momentos com violência nunca antes vista no AYREON, apenas no STAR ONE, caracteristicamente mais agressivo que o principal projeto. O que é curioso, já que ele havia prometido um disco menos pesado que 01011001.

A história do álbum, como sempre, é fantasiosa e intrigante. O Prodígio (interpretado por TOMMY) é um aluno brilhante que impressiona a seu Professor (JB) e causa inveja em seu Rival (MARCO), que se considera o verdadeiro gênio. Ambos também disputam a atenção de uma Garota (SARA SQUADRANI). O Pai (MICHAEL MILLS) e a Mãe (CRISTINA) se preocupam com o filho e o levam ao Psiquiatra (JOHN WETTON), para que este o ajude a se adaptar ao mundo, nem que para isso ele tenha que usá-lo como cobaia para uma nova droga que desenvolveu.

É difícil apontar pontos altos no disco porque ele é inteiro um ponto forte. ARJEN, um dos poucos músicos vivos que este que vos escreve se atreve a chamar de gênio, equilibrou muito bem o seu lado progressivo com o lado heavy metal, e, com a ajuda de todos os seus ilustres convidados, lançou talvez uma das maiores obras de metal progressivo até hoje.

Abaixo, um pedaço da faixa "Phase I: Singularity", incluindo as partes 1 e 2 do trecho "The Theory of Everything":

Inscreva-se no nosso canalWhiplash.Net no YouTube

Track-list:
Disco 1:
"Phase I: Singularity"
01. "Prologue: The Blackboard"
02. "The Theory of Everything Part 1"
03. "Patterns"
04. "The Prodigy's World"
05. "The Teacher's Discovery"
06. "Love and Envy"
07. "Progressive Waves"
08. "The Gift"
09. "The Eleventh Dimension"
10. "Inertia"
11. "The Theory of Everything Part 2"

"Phase II: Symmetry"
12. "The Consultation"
13. "Diagnosis"
14. "The Argument 1"
15. "The Rival's Dilemma"
16. "Surface Tension"
17. "A Reason to Live"
18. "Potential"
19. "Quantum Chaos"
20. "Dark Medicine"
21. "Alive!"
22. "The Prediction"

Disco 2:
"Phase III: Entanglement"
01. "Fluctuations"
02. "Transformation"
03. "Collision"
04. "Side Effects"
05. "Frequency Modulation"
06. "Magnetism"
07. "Quid Pro Quo"
08. "String Theory"
09. "Fortune?"

"Phase IV: Unification"
10. "Mirror of Dreams"
11. "The Lighthouse"
12. "The Argument 2"
13. "The Parting"
14. "The Visitation"
15. "The Breakthrough"
16. "The Note"
17. "The Uncertainty Principle"
18. "Dark Energy"
19. "The Theory of Everything Part 3"
20. "The Blackboard (Reprise)"

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Theory of Everything - Ayreon

Ayreon: Trabalho complexo, introspectivo e belo

Ayreon: quatro lyric vídeos de nova música "The Source WIll Flow"Ayreon: Hellion Records lançará novo álbum The Source no BrasilNerd Metal: "Everybody Dies" nova música do AyreonAyreon: "Everybody Dies" ganha lyric videoNerd Metal: Opinião sobre a nova música do AyreonSoulspell: tributo em português ao Ayreon - A Teoria de TudoTodas as matérias e notícias sobre "Ayreon"

Top 10
Álbuns conceituais

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Ayreon"

Full Rock
10 músicas desgraçadas por bandas de forró

Fotos de infância
Angela Gossow, do Arch Enemy, muito antes da fama

Iron Maiden
Nicko McBrain fala sobre sua conversão ao cristianismo

Esquire: Integrantes do Metallica fingem ser do Led ZeppelinSlash: guitarrista conta o que tem ouvido ultimamenteMetallica: Lars concorda quando Bruce diz que Maiden é superiorDr. Sin: Agora todo mundo lamenta? Vão se foder!, diz Regis TadeuDream Theater: "Foi embora de vez, para sempre", diz Mangini sobre PortnoyMax Cavalera: "até hoje não gosto de tomar banho"

Sobre Victor de Andrade Lopes

Victor de Andrade Lopes é jornalista (Mtb 0077507/SP) formado pela PUC-SP e membro do Grupo de Usuários Wikimedia no Brasil. Paulistano e morador de Carapicuíba (Granja Viana), tem um blog de resenhas musicais e outros assuntos chamado Sinfonia de Ideias. Apaixonado por livros, ciências, cinema, games, viagens, ufologia, e, é claro, música: rock, metal, pop, dance, folk, erudito e todos os derivados. Além de ouvir, também toca piano e teclado, compondo algumas bobagens de vez em quando.

Mais matérias de Victor de Andrade Lopes no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online